Domingo, 17 de Fevereiro de 2019
Fiscalização

Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil
Roterdã, Holanda, 18 de Setembro de 2018 - A Operação Trapaça, deflagrada pela Polícia Federal no início de março para investigar fraudes na análise da presença da bactéria salmonela em cargas de carne de frango voltadas à exportação, teve reflexos negativos para a principal empresa envolvida - a BRF - e para os embarques brasileiros em geral que até alteraram de vez as rotinas no porto de Roterdã, na Holanda, a principal porta de entrada de produtos agropecuários brasileiros na Europa.

Por causa das investigações da PF, no dia 19 de abril os países-membros da União Europeia decidiram embargar 20 plantas brasileiras que exportam carne de frango ao bloco, medida ainda em vigor. Do total, 12 plantas eram da BRF. "As avaliações ficaram mais rigorosas. E as entregas de carregamentos brasileiros caíram", confirmou Patrick Van Dijk, inspetor sênior do Ministério da Agricultura da Holanda, ao Valor.

Nesse cenário, afirmou Jan Harthoorn, vice-presidente de desenvolvimento estratégico da Europa do Agro Merchants Group, empresa responsável pelo armazenamento a frio de carnes que entram na Europa por Roterdã, a Seara, divisão de carnes suína, de aves e produtos processados da JBS, ganhou espaço.

Desde abril, os carregamentos que chegam à Europa via Roterdã passam por uma avaliação bem mais criteriosa do que antes. Passaram a ser retiradas amostras aleatórias das cargas que, segundo Dijk, vão de 1% a 10% de cada lote - o "teto" é quando há suspeitas específicas de contaminação. As amostras passam por avaliação física, para checar se correspondem ao que está descrito nos respectivos documentos e por avaliações bacteriológicas.

Vinte e três veterinários cuidam dessas avaliações, além dos assistentes que auxiliam no processo. As amostras são pesadas, testadas em temperaturas elevadas e mesmo o sabor do produto é checado. As cargas vetadas no escrutínio são devolvidas ao país de origem, destruídas ou transformadas em alimentação destinada a animais de estimação.

Em 2017, Roterdã recebeu 11.618 carregamentos de alimentos provenientes do Brasil destinados ao consumo humano. Foram 9.361 cargas de carnes de frango e suína. "Roterdã recebe cerca de 40% da carne brasileira que é consumida na Europa", afirmou Dijk.

Dentro das câmaras frigoríficas de Roterdã é possível armazenar de uma só vez 18 mil toneladas de produtos. A Agro Merchants planeja dobrar essa capacidade até 2020. Por ano, cerca de 25% do volume total que passa pelas câmaras do grupo é de carne de origem brasileira. Os produtos ficam armazenados a 19 ºC negativos por cerca de cinco semanas no porto, que funciona como uma espécie de "hub" de distribuição para o mercado europeu.

Dijk observou que, com o Brexit - saída do Reino Unido da União Europeia -, que deverá ser consumado em 29 de março de 2020, a tendência é que a Holanda veja seu papel de hub europeu diminuir, já que muitas empresas deverão ser obrigadas a ter terminais na terra da rainha.

(Valor) (Kauanna Navarro )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 17/02
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)
Terça-Feira, 12/02
IBGE: Cai o abate de frangos, sobe o de bovinos e suínos (10:51)
Prêmio Lamas de pesquisa avícola está com inscrições abertas (08:22)
NUCLEOVET faz evento de lançamento dos Simpósios 2019 em Chapecó (08:20)
Suíno Vivo: alta de 2,94% no PR (08:09)
Mercado do boi gordo retoma fôlego (08:06)
Mercado interno do milho apresenta pouca movimentação (08:04)
Produção de soja poderá ser a menor em três anos (08:02)
Preços da soja no Brasil apresentam poucas mudanças (08:00)
Por que ainda não sou vegetariano (07:57)
Após suspensão, exportadores de frango do Brasil vão a Riad (07:56)
No centro de inovação da BRF, um olhar sobre o futuro da embalagem (07:55)