Sábado, 20 de Outubro de 2018
Fiscalização

Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil
Roterdã, Holanda, 18 de Setembro de 2018 - A Operação Trapaça, deflagrada pela Polícia Federal no início de março para investigar fraudes na análise da presença da bactéria salmonela em cargas de carne de frango voltadas à exportação, teve reflexos negativos para a principal empresa envolvida - a BRF - e para os embarques brasileiros em geral que até alteraram de vez as rotinas no porto de Roterdã, na Holanda, a principal porta de entrada de produtos agropecuários brasileiros na Europa.

Por causa das investigações da PF, no dia 19 de abril os países-membros da União Europeia decidiram embargar 20 plantas brasileiras que exportam carne de frango ao bloco, medida ainda em vigor. Do total, 12 plantas eram da BRF. "As avaliações ficaram mais rigorosas. E as entregas de carregamentos brasileiros caíram", confirmou Patrick Van Dijk, inspetor sênior do Ministério da Agricultura da Holanda, ao Valor.

Nesse cenário, afirmou Jan Harthoorn, vice-presidente de desenvolvimento estratégico da Europa do Agro Merchants Group, empresa responsável pelo armazenamento a frio de carnes que entram na Europa por Roterdã, a Seara, divisão de carnes suína, de aves e produtos processados da JBS, ganhou espaço.

Desde abril, os carregamentos que chegam à Europa via Roterdã passam por uma avaliação bem mais criteriosa do que antes. Passaram a ser retiradas amostras aleatórias das cargas que, segundo Dijk, vão de 1% a 10% de cada lote - o "teto" é quando há suspeitas específicas de contaminação. As amostras passam por avaliação física, para checar se correspondem ao que está descrito nos respectivos documentos e por avaliações bacteriológicas.

Vinte e três veterinários cuidam dessas avaliações, além dos assistentes que auxiliam no processo. As amostras são pesadas, testadas em temperaturas elevadas e mesmo o sabor do produto é checado. As cargas vetadas no escrutínio são devolvidas ao país de origem, destruídas ou transformadas em alimentação destinada a animais de estimação.

Em 2017, Roterdã recebeu 11.618 carregamentos de alimentos provenientes do Brasil destinados ao consumo humano. Foram 9.361 cargas de carnes de frango e suína. "Roterdã recebe cerca de 40% da carne brasileira que é consumida na Europa", afirmou Dijk.

Dentro das câmaras frigoríficas de Roterdã é possível armazenar de uma só vez 18 mil toneladas de produtos. A Agro Merchants planeja dobrar essa capacidade até 2020. Por ano, cerca de 25% do volume total que passa pelas câmaras do grupo é de carne de origem brasileira. Os produtos ficam armazenados a 19 ºC negativos por cerca de cinco semanas no porto, que funciona como uma espécie de "hub" de distribuição para o mercado europeu.

Dijk observou que, com o Brexit - saída do Reino Unido da União Europeia -, que deverá ser consumado em 29 de março de 2020, a tendência é que a Holanda veja seu papel de hub europeu diminuir, já que muitas empresas deverão ser obrigadas a ter terminais na terra da rainha.

(Valor) (Kauanna Navarro )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 20/10
Sexta-Feira, 19/10
Exportadores de aves e de suínos lançam campanha de imagem na União Europeia (09:58)
FRANGO/CEPEA: menor produção sustenta valor do pintainho em 2018 (09:48)
OVOS/CEPEA: preços iniciam segunda quinzena em forte queda (09:46)
BRF mantém conversas "amplas" com autoridades sobre investigações da PF (09:15)
Por carnes, Brasil faz proposta a Hong Kong (07:28)
Condomínio Vespasiano Corrêa assina contrato para liberação de financiamento (07:14)
Milho em Chicago dá continuidade às baixas da sessão anterior e testa ligeiras perdas nesta 6ª feira (07:13)
Após queda intensa, soja passa por leve correção técnica em Chicago nesta 6ª feira (07:12)
Fraca demanda pela soja dos EUA derruba preço em Chicago (07:00)
Quinta-Feira, 18/10
Vetanco participa do ACAV 2018 (14:46)
Chile reabre mercado para avicultura do RS (13:32)
SUÍNOS/CEPEA: exportação elevada sustenta preços no Brasil (10:15)
BOI/CEPEA: produtividade de carne por animal é maior em SP (09:44)
Adaptação veterinária (08:55)
Guerra comercial já eleva os preços na China (08:45)
BRF negocia acordo de leniência com MPF e CGU (08:14)
Agro olhou para eleição presidencial e esqueceu representantes do setor (08:11)
Soja: mercado no Brasil tem novo dia de pressão nesta 4ª e continua sentindo peso do câmbio (08:00)
Força-tarefa encontra três novos focos de peste suína no Ceará (07:28)
O frigorífico que produz carne de frango sem matar nenhuma ave (06:51)
Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)