Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Fiscalização

Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil
Roterdã, Holanda, 18 de Setembro de 2018 - A Operação Trapaça, deflagrada pela Polícia Federal no início de março para investigar fraudes na análise da presença da bactéria salmonela em cargas de carne de frango voltadas à exportação, teve reflexos negativos para a principal empresa envolvida - a BRF - e para os embarques brasileiros em geral que até alteraram de vez as rotinas no porto de Roterdã, na Holanda, a principal porta de entrada de produtos agropecuários brasileiros na Europa.

Por causa das investigações da PF, no dia 19 de abril os países-membros da União Europeia decidiram embargar 20 plantas brasileiras que exportam carne de frango ao bloco, medida ainda em vigor. Do total, 12 plantas eram da BRF. "As avaliações ficaram mais rigorosas. E as entregas de carregamentos brasileiros caíram", confirmou Patrick Van Dijk, inspetor sênior do Ministério da Agricultura da Holanda, ao Valor.

Nesse cenário, afirmou Jan Harthoorn, vice-presidente de desenvolvimento estratégico da Europa do Agro Merchants Group, empresa responsável pelo armazenamento a frio de carnes que entram na Europa por Roterdã, a Seara, divisão de carnes suína, de aves e produtos processados da JBS, ganhou espaço.

Desde abril, os carregamentos que chegam à Europa via Roterdã passam por uma avaliação bem mais criteriosa do que antes. Passaram a ser retiradas amostras aleatórias das cargas que, segundo Dijk, vão de 1% a 10% de cada lote - o "teto" é quando há suspeitas específicas de contaminação. As amostras passam por avaliação física, para checar se correspondem ao que está descrito nos respectivos documentos e por avaliações bacteriológicas.

Vinte e três veterinários cuidam dessas avaliações, além dos assistentes que auxiliam no processo. As amostras são pesadas, testadas em temperaturas elevadas e mesmo o sabor do produto é checado. As cargas vetadas no escrutínio são devolvidas ao país de origem, destruídas ou transformadas em alimentação destinada a animais de estimação.

Em 2017, Roterdã recebeu 11.618 carregamentos de alimentos provenientes do Brasil destinados ao consumo humano. Foram 9.361 cargas de carnes de frango e suína. "Roterdã recebe cerca de 40% da carne brasileira que é consumida na Europa", afirmou Dijk.

Dentro das câmaras frigoríficas de Roterdã é possível armazenar de uma só vez 18 mil toneladas de produtos. A Agro Merchants planeja dobrar essa capacidade até 2020. Por ano, cerca de 25% do volume total que passa pelas câmaras do grupo é de carne de origem brasileira. Os produtos ficam armazenados a 19 ºC negativos por cerca de cinco semanas no porto, que funciona como uma espécie de "hub" de distribuição para o mercado europeu.

Dijk observou que, com o Brexit - saída do Reino Unido da União Europeia -, que deverá ser consumado em 29 de março de 2020, a tendência é que a Holanda veja seu papel de hub europeu diminuir, já que muitas empresas deverão ser obrigadas a ter terminais na terra da rainha.

(Valor) (Kauanna Navarro )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 11/12
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)
Quarta-Feira, 05/12
JBS contrata Guilherme Cavalcanti como CFO (10:34)
El Niño fraco deve 'poupar' safra 2018/19 (10:26)
Vetanco promove palestra técnica junto a Cooperativa Lar (10:19)
Mês difícil para agroindústria ajudou a frear resultado de outubro (08:31)
JBS terá primeiro CEO que não é da família Batista (08:15)
Itamaraty deve reforçar foco agrícola (08:11)
Cenário positivo para o mercado do boi gordo (08:08)
Milho: Bolsa de Chicago fecha terça-feira com alta nos preços do milho (08:06)
Sem nenhum movimento que indique volta às compras dos chineses, soja em Chicago aguarda divulgação de regras definidas em trégua (08:00)
Lar Cooperativa recebe quatro troféus de Inovação (07:42)
Ponta Porã: Programa de incubadoras avança na Nova Itamarati (07:40)
JBS troca comando da empresa (07:39)