Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
Matérias-Primas

Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais

Frete do país vizinho compensa a subida do preço por causa do valor do dólar.
São Paulo, SP, 18 de Setembro de 2018 - Além de trazer desajustes na formação interna de preços, a imposição da tabela de fretes pelo governo está provocando um aumento na importação brasileira de alimentos.

Nos dois últimos meses, o Brasil importou 278 mil toneladas de cereais do Paraguai, um volume 46% superior ao de igual período de 2017.

Este deveria ser um período de queda nas compras externas, principalmente devido à acelerada alta do dólar. O frete do país vizinho, porém, compensa parte dessa importação.

A avaliação é de Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, de Curitiba. "O mercado se reinventa e sempre vai achar uma saída para essas situações impostas", diz ele.

Arroz e milho estão na lista dos importados do país vizinho. No caso do arroz, São Paulo e Minas Gerais se beneficiam mais, uma vez que, além do frete menor, pagam menos imposto na circulação interna das mercadorias.

Dos produtos importados, o arroz é um dos que mais preocupam. As compras dos países vizinhos não deverão impedir uma aceleração dos preços internos já nas próximas semanas, segundo o analista da Brandalizze.

A alta do cereal vai chegar ao bolso dos consumidores e à inflação. A elevação do dólar não dificulta a entrada de arroz do Paraguai, mas facilita as exportações. O cereal brasileiro fica mais atrativo no exterior exatamente quando se inicia a entressafra e a oferta está mais escassa.

Brandalizze prevê exportação de pelo menos 1,2 milhão de toneladas do cereal nesta safra --10% da produção.

O valor atual do dólar permite vendas externas de arroz a R$ 50 por saca nas regiões próximas ao porto de Rio Grande (RS). Esse valor deverá provocar um efeito cascata no estado, cujos preços vão de R$ 43 a R$ 45 atualmente, dependendo da região.

Além disso, a indústria poderá antecipar as compras para o final de ano, prevendo redução na área a ser dedicada ao cereal na próxima safra.

A rentabilidade maior da soja ajuda nessa redução de área, que deverá cair para 1,9 milhão de hectares no país. Se confirmada, "será a menor em muitas décadas", diz ele.

A queda deverá ocorrer também em várias regiões produtoras do Rio Grande Sul, líder nacional na produção do cereal.

A previsão do analista é que os gaúchos semeiem arroz em uma área de 1,05 milhão de hectares e colham 7,5 milhões de toneladas. Na safra anterior, a área foi de 1,1 milhão de hectares, e a produção, de 8 milhões de toneladas.

Novo superávit

A safra que se inicia no próximo mês, e termina em setembro de 2019, terá novamente uma produção mundial maior do que o consumo. Desta vez, de 4,5 milhões de toneladas.

Opostos

O superávit mundial se deve basicamente à produção da Índia, que atingiu 35 milhões de toneladas. O volume compensa a queda de produção no Brasil, que ficará em 28 milhões.

Bem abaixo

As exportações de milho, se mantida a tendência até agora, deverão somar 3,2 milhões de toneladas neste mês. Em setembro de 2017, o volume foi de 5,9 milhões, segundo a Secex.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 16/02
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)
Quinta-Feira, 14/02
Mercado será foco dos debates na abertura do Simpósio Brasil Sul de Avicultura (13:52)
2ª Conbrasul Ovos abre período de inscrições online (13:38)
Indústria de alimentos prevê avanço de até 4% (09:34)
Etanol de milho avança (09:32)
Nova regra incentiva emissão de letras de crédito do agronegócio (08:50)
Pilgrim’s Pride registra prejuízo de US$ 8,2 milhões no 4º trimestre (08:40)
Recall da BRF expõe falha e transparência (08:38)
IOB segue sua campanha em São Paulo (08:26)
Vetanco homenageia Cooperitaipu (08:22)
Suíno Vivo: estabilidade nas cotações (08:16)
Boi: em SP, preço da arroba está estável (08:12)
Milho: estabilidade domina o dia (08:05)
Preços da soja sobem no Brasil nesta 4ª feira (08:00)
Quarta-Feira, 13/02
VAXXITEK® já imunizou 100 bilhões de aves contra Marek e Gumboro (11:53)
Santa Catarina começa o ano com alta nas exportações de carnes (11:23)
Por salmonela, BRF faz recall de lotes de frango no Brasil e exterior (08:22)
Exportações do agronegócio sobem 6% em 12 meses e somam US$ 102,14 bilhões (08:07)
Suíno Vivo: alta de 5,12% em SC (08:05)
Boi gordo: oferta restrita dificulta a compra pelos frigoríficos (08:03)
Mercado Interno do milho permanece estável (08:00)
Brasil proíbe uso de antibióticos promotores de crescimento (07:51)
Clima adverso faz Conab e IBGE reduzirem projeções para safra (07:50)
SP: produção de grãos deve superar sete milhões de toneladas (07:49)
Terça-Feira, 12/02
IBGE: Cai o abate de frangos, sobe o de bovinos e suínos (10:51)
Prêmio Lamas de pesquisa avícola está com inscrições abertas (08:22)
NUCLEOVET faz evento de lançamento dos Simpósios 2019 em Chapecó (08:20)
Suíno Vivo: alta de 2,94% no PR (08:09)
Mercado do boi gordo retoma fôlego (08:06)
Mercado interno do milho apresenta pouca movimentação (08:04)
Produção de soja poderá ser a menor em três anos (08:02)
Preços da soja no Brasil apresentam poucas mudanças (08:00)
Por que ainda não sou vegetariano (07:57)
Após suspensão, exportadores de frango do Brasil vão a Riad (07:56)
No centro de inovação da BRF, um olhar sobre o futuro da embalagem (07:55)