Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019
Agronegócios

Semestre na avicultura foi marcado por alta de custos para a agroindústria

Levantamento da Agri Stats mostra onde está o aumento e tendências.
Chapecó, SC, 17 de Setembro de 2018 - O custo médio do quilo de carne de frango produzido subiu 15% entre janeiro e junho, segundo dados da Agri Stats, líder mundial em análises e relatórios estatísticos para a agroindústria. Segundo dados consolidados do primeiro semestre de 2018, o preço médio de produção do quilo da carne de frango passou de R$ 2,14, em janeiro, para R$ 2,22, em março, chegando a R$ 2,46, em junho. A alta significativa em três meses é reflexo do aumento no custo dos grãos e da greve de caminhoneiros realizada no período, que impactaram o mercado avícola brasileiro.

Ainda segundo a consultoria, a tendência é que esses custos continuem aumentando para a agroindústria nos próximos meses, ainda como consequência destes desafios, superando os R$ 2,60 até agosto.

O levantamento ainda mostra que o peso médio do frango no abate aumentou de 2,910kg, em março, para 3,015kg, em junho. A explicação é que a greve e os bloqueios para a exportação de aves fizeram com que os produtores mantivessem o frango no campo por mais tempo. A consequência foi o maior consumo de ração pelos animais neste período, com alta do volume de abate após a retomada dos transportes, entre maio e junho.

Com relação aos ingredientes da ração, o cenário também não contribuiu. O preço do farelo de soja subiu mais de 20% no período, de R$ 1.178 por tonelada, em março, para R$ 1.414 por tonelada, em junho. Já o milho teve alta de R$ 30,66 a saca, em março, para R$ 39,10, em junho, no preço médio.
“O frango no campo por mais tempo, principalmente no mês da greve dos caminhoneiros, consumiu cerca de 80 gramas a mais de ração para cada quilo de carne de frango produzido. Isso significa um aumento médio de 250 gramas a mais de ração para cada ave abatida, um impacto muito considerável já que a ração representa 70% dos custos de produção do frango”, explica Geraldo Broering, gerente geral da Agri Stats.

A tendência para o setor de grãos é incerta para o próximo ano, segundo a consultoria, já que a USDA, o departamento de Agricultura dos Estados Unidos, divulgou a previsão de redução de 3% na produção de milho do país em 2019. Diminuindo a produção, o produtor norte-americano pode ter que comprar a commoditie de outros países produtores, como o Brasil, influenciando os preços. O mesmo pode acontecer com os chineses. “As empresas precisame encontrar o melhor equilíbrio econômico para ter um melhor custo alimentar, que é a relação entre os custos com fórmulas e a conversão alimentar, senão a conta não fecha”, sugere Broering.
O custo da carne após o abate também teve aumento, partindo de R$ 3,83 reais, em março, para R$ 4,05, em junho. Este custo, no entanto, foi amenizado pelo fato de o frango ter sido abatido mais pesado, o que diluiu alguns custos fixos de abatedouro, como manutenção, depreciação e custo com salários etc.

“Algumas empresas conseguiram rápida recuperação dos desafios recentes da avicultura, com ajustes no volume de produção, nos estoques e no mix de produtos, gerando mais valor e melhorando o faturamento. Muitas companhias se organizaram, buscaram alternativas e encontraram soluções para expandir a área comercial com novas fontes de negócios”, conclui o gerente.

Sobre a Agri Stats

Fundada nos Estados Unidos, em 1985, a Agri Stats é líder mundial no fornecimento de análises e relatórios estatísticos sobre custos de produção para a agroindústria. No Brasil desde 2012, a consultoria oferece benchmarking para os mercados de aves e suínos, com metodologia própria, equipe especializada e um banco de dados com informações de produção de toda a América. A Agri Stats gera relatórios customizados e estatísticos, que avaliam como a empresa cliente está posicionada em rankings de custos (de produção, mão de obra, transportes, manejo etc) e preços de venda, com o objetivo de proporcionar comparação real entre os valores investidos pelo cliente e demais empresas do mercado, identificando oportunidades para reduzir custos e aumentar a produtividade.
(Agri Stats) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 23/01
Terça-Feira, 22/01
Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil que podem exportar ao país (16:26)
Arábia Saudita barra carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros (13:18)
2019: Sindirações abre o calendário de cursos (08:27)
Movimento Frete sem Tabela critica reajustes divulgados pela ANTT (08:08)
Futuro de fiscais da Carne Fraca segue incerto (08:04)
Auster retoma plano para avançar no país (07:50)
Ovos produzidos em Pernambuco ganharão código na casca para garantir qualidade (07:47)
China aceita oferta de exportador de frango do Brasil para encerrar caso antidumping (07:46)
Mercado do boi apresenta baixa movimentação (07:40)
Milho: mercado interno registra estabilidade (07:35)
Soja: poucas variações nos preços com falta da referência de Chicago (07:30)
Segunda-Feira, 21/01
Dia de Campo da Copagril evidencia a força do cooperativismo (09:42)
China diz ter controlado surto de peste suína africana (08:47)
EUA e China negociam reabertura do mercado de frango (08:26)
China poderá reabrir seu mercado à carne de frango americana (08:26)
Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 bilhões (08:11)
Custos de produção de frangos de corte subiram 14,21% em 2018 (08:07)
Guia Eletrônico de Nutrição Rhodimet®agora também está disponível para uso em smartphones (08:04)
MILHO/CEPEA: colheita da safra de verão se inicia no Brasil (08:02)
SOJA/CEPEA: preços internos, FOB e prêmios recuam com menor demanda internacional (08:01)
Milho: semana se encerrou com preços em alta na Bolsa de Chicago (08:00)
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)