Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Agronegócios

Grandes frigoríficos ainda estão distantes das startups
São Paulo, SP, 27 de Agosto de 2018 - Ao contrário das grandes empresas de insumos agrícolas, envolvidas em venture capital ou fomentadoras de seus próprios projetos de aceleração de startups, os principais frigoríficos brasileiros ainda estão a mil léguas de distância do ecossistema de inovação na pecuária que se forma no país.

Seja por características inerentes ao produtor - ainda avesso a disrupturas tecnológicas - ou pelo momento complicado que a indústria de carnes enfrenta no Brasil, as startups contaram até agora com o dinheiro e o interesse apenas de gestoras de fundos de investimentos e de outros segmentos da indústria.

Francisco Jardim, especialista em agtechs da SP Ventures, diz que o ponto de inflexão no segmento foi a entrada da Bosch (referência na indústria de peças automotivas) em uma plataforma de pecuária de precisão. De forma inédita, a subsidiária brasileira apresentou ao mercado em julho de 2017 um sistema de pesagem e transmissão de dados que permite conhecer a performance do animal confinado ou no pasto sem necessidade de levá-lo ao curral.

O marco da Bosch é visto como um produto ainda caro para pecuaristas de pequeno e médio portes. "Mas o interesse da empresa alemã mostrou que havia um mercado a ser explorado", diz Jardim. O movimento fez os olhos de outros players, até então voltados a empresas de tecnologia agrícola, se virarem para os bovinos e seus desafios.

Além da incursão da Bosch, os EUA também têm influenciado o movimento brasileiro. Gigantes como Cargill e Tyson Foods passaram a apostar em startups de pecuária. Ambas investiram, por exemplo, na Memphis Meats, que produz carne em laboratório a partir da reprodução de células de animais.

"O pecuarista brasileiro investe alto em patrimônio, mas carece de eficiência. Pela importância da pecuária de corte, se a gente conseguisse melhorar em 30% essa eficiência, impactaríamos o PIB", diz Xisto Alves, sócio-fundador da JetBov, empresa catarinense de digitalização e gestão da pecuária. Segundo ele, uma melhor gestão se torna urgente à medida que novas gerações assumem o negócio.

É o que pensa também Marcos Fernando Marçal dos Santos - o "Molininha". Filho mais velho de Marcos Molina, CEO da Marfrig, ele lançou a Webgados em 2016. Então com 20 anos, achava ultrapassado comprar e vender animais (a família também tem fazendas de gado) via corretores. "Não faz sentido eu ter que ir até a fazenda para olhar animais à venda", diz Marcos filho, que começa a trabalhar às oito da manhã na Marfrig, segue para a Webgados no fim da tarde e encerra o dia na Faap, onde faz o último ano do curso de Administração de Empresas.

A Webgados é um marketplace de comercialização de bovinos a fazendas. Já são 100 mil cadastrados. As negociações são feitas diretamente entre as partes, a partir de uma tabela sugerida. O site, que tem como concorrentes as startups Pastar e Boi na Linha, hoje não cobra pelas intermediações. Mas os planos são de crescer em anúncios e inaugurar em 2019 a loja virtual do pecuarista. "A pecuária está engatinhando em inovação. Tem de virar a chave".

(Valor) (Luiz Henrique Mendes e Bettina Barros
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 11/12
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)
Quarta-Feira, 05/12
JBS contrata Guilherme Cavalcanti como CFO (10:34)
El Niño fraco deve 'poupar' safra 2018/19 (10:26)
Vetanco promove palestra técnica junto a Cooperativa Lar (10:19)
Mês difícil para agroindústria ajudou a frear resultado de outubro (08:31)
JBS terá primeiro CEO que não é da família Batista (08:15)
Itamaraty deve reforçar foco agrícola (08:11)
Cenário positivo para o mercado do boi gordo (08:08)
Milho: Bolsa de Chicago fecha terça-feira com alta nos preços do milho (08:06)
Sem nenhum movimento que indique volta às compras dos chineses, soja em Chicago aguarda divulgação de regras definidas em trégua (08:00)
Lar Cooperativa recebe quatro troféus de Inovação (07:42)
Ponta Porã: Programa de incubadoras avança na Nova Itamarati (07:40)
JBS troca comando da empresa (07:39)