Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
Agronegócios

Aumento da oferta de frango pressiona Seara
São Paulo, SP, 16 de Agosto de 2018 - As perspectivas para as agroindústrias de frango do país continuam negativas, sinalizou ontem o executivo-chefe de operações da JBS, Gilberto Tomazoni. Em teleconferência com analistas para comentar os resultados do segundo trimestre, o executivo afirmou que a Seara, que reúne os negócios de aves, suínos e alimentos processados da empresa no Brasil, enfrenta um cenário adverso que poderá ficar mais difícil.

Além dos obstáculos para reajustar os preços e assim repassar a alta de custos com milho - o principal ingrediente da ração -, os alojamentos de pintos de corte (indicador da produção futura de carne de frango) no Brasil voltaram a crescer, o que poderá gerar pressão adicional no mercado, conforme o executivo da JBS.

Segundo ele, esse aumento da oferta de frango no Brasil poderá comprometer até o aumento de preços da carne de frango que os exportadores do país haviam conseguido no mercado internacional. "Temos visto que os alojamentos começam a crescer e isso pode ser uma preocupação", afirmou.

No mercado doméstico, a Seara enfrentou dificuldades para reajustar os preços no segundo trimestre, disse Tomazoni. Quando divulgou os resultados de janeiro a março, em maio, o executivo afirmou que pretendia promover um reajuste médio de 5% entre abril e junho. O repasse médio, porém, ficou em 3%, mesmo que em junho tenha ficado mais "intenso", como acrescentou na teleconferência o presidente do conselho de administração e diretor de relações com investidores da JBS, Jerry O'Callaghan.

Devido ao excesso de oferta - provocado em parte pelo embargo europeu à concorrente BRF -, as dificuldades de repasse de preços e a greve dos caminhoneiros, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da Seara caiu 68% no segundo trimestre em relação ao mesmo período de 2017, para R$ 113,8 milhões. Já a receita somou R$ 4,1 bilhões, queda de 5,4% na mesma comparação.

De acordo com Tomazoni, para equilibrar a situação, a empresa teria de fazer um reajuste de 7% nos preços dos produtos da Seara. Mas, diante do cenário adverso, o executivo não deixou claro se o objetivo será cumprido neste trimestre.

Na contramão do que ocorre com a Seara, os negócios da JBS no mercado de carne bovina dos EUA têm perspectivas amplamente positivas, reforçou ontem, também na teleconferência, o CEO da JBS USA, André Nogueira.

O bom momento do divisão americana de carne bovina, que concentra mais de 40% das vendas da JBS, animou os analistas no pregão de ontem. Na bolsa, as ações da empresa subiram 2,8%, para R$ 9,17, na contramão do Ibovespa. O índice caiu 1,9% ontem, fechando a 77.077 pontos.

O cenário positivo nos EUA é sustentado pela oferta de bovinos, que deve crescer ao menos até 2021, segundo Nogueira. Além disso, a demanda externa pela carne bovina americana deverá seguir firme, puxada pelas importações do Japão e da Coreia do Sul. Nos EUA, a economia aquecida também estimula o consumo de carne bovina. "Não vemos nenhum sinal de demanda mudando. A demanda continua muito forte nos mercados doméstico e de exportação", afirmou Nogueira.

Questionado por um analista sobre o patamar de margem Ebitda que pode ser obtido pelo negócio de carne bovina nos EUA no próximo ano, o executivo concordou que uma margem de 8% - bem acima de média histórica - é factível. Esse número foi calculado a partir das projeções da concorrente americana Tyson Foods, que estima margem operacional de 6%. "Não é nada absurdo", afirmou o executivo.

No segundo trimestre deste ano, a unidade de negócios da JBS USA Beef, que também reúne as operações no Canadá e na Austrália, reportou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de US$ 570,1 milhões, aumento de 76% na comparação com o mesmo intervalo do último ano.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 14/11
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)