Domingo, 20 de Janeiro de 2019
Agronegócios

Aumento da oferta de frango pressiona Seara
São Paulo, SP, 16 de Agosto de 2018 - As perspectivas para as agroindústrias de frango do país continuam negativas, sinalizou ontem o executivo-chefe de operações da JBS, Gilberto Tomazoni. Em teleconferência com analistas para comentar os resultados do segundo trimestre, o executivo afirmou que a Seara, que reúne os negócios de aves, suínos e alimentos processados da empresa no Brasil, enfrenta um cenário adverso que poderá ficar mais difícil.

Além dos obstáculos para reajustar os preços e assim repassar a alta de custos com milho - o principal ingrediente da ração -, os alojamentos de pintos de corte (indicador da produção futura de carne de frango) no Brasil voltaram a crescer, o que poderá gerar pressão adicional no mercado, conforme o executivo da JBS.

Segundo ele, esse aumento da oferta de frango no Brasil poderá comprometer até o aumento de preços da carne de frango que os exportadores do país haviam conseguido no mercado internacional. "Temos visto que os alojamentos começam a crescer e isso pode ser uma preocupação", afirmou.

No mercado doméstico, a Seara enfrentou dificuldades para reajustar os preços no segundo trimestre, disse Tomazoni. Quando divulgou os resultados de janeiro a março, em maio, o executivo afirmou que pretendia promover um reajuste médio de 5% entre abril e junho. O repasse médio, porém, ficou em 3%, mesmo que em junho tenha ficado mais "intenso", como acrescentou na teleconferência o presidente do conselho de administração e diretor de relações com investidores da JBS, Jerry O'Callaghan.

Devido ao excesso de oferta - provocado em parte pelo embargo europeu à concorrente BRF -, as dificuldades de repasse de preços e a greve dos caminhoneiros, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da Seara caiu 68% no segundo trimestre em relação ao mesmo período de 2017, para R$ 113,8 milhões. Já a receita somou R$ 4,1 bilhões, queda de 5,4% na mesma comparação.

De acordo com Tomazoni, para equilibrar a situação, a empresa teria de fazer um reajuste de 7% nos preços dos produtos da Seara. Mas, diante do cenário adverso, o executivo não deixou claro se o objetivo será cumprido neste trimestre.

Na contramão do que ocorre com a Seara, os negócios da JBS no mercado de carne bovina dos EUA têm perspectivas amplamente positivas, reforçou ontem, também na teleconferência, o CEO da JBS USA, André Nogueira.

O bom momento do divisão americana de carne bovina, que concentra mais de 40% das vendas da JBS, animou os analistas no pregão de ontem. Na bolsa, as ações da empresa subiram 2,8%, para R$ 9,17, na contramão do Ibovespa. O índice caiu 1,9% ontem, fechando a 77.077 pontos.

O cenário positivo nos EUA é sustentado pela oferta de bovinos, que deve crescer ao menos até 2021, segundo Nogueira. Além disso, a demanda externa pela carne bovina americana deverá seguir firme, puxada pelas importações do Japão e da Coreia do Sul. Nos EUA, a economia aquecida também estimula o consumo de carne bovina. "Não vemos nenhum sinal de demanda mudando. A demanda continua muito forte nos mercados doméstico e de exportação", afirmou Nogueira.

Questionado por um analista sobre o patamar de margem Ebitda que pode ser obtido pelo negócio de carne bovina nos EUA no próximo ano, o executivo concordou que uma margem de 8% - bem acima de média histórica - é factível. Esse número foi calculado a partir das projeções da concorrente americana Tyson Foods, que estima margem operacional de 6%. "Não é nada absurdo", afirmou o executivo.

No segundo trimestre deste ano, a unidade de negócios da JBS USA Beef, que também reúne as operações no Canadá e na Austrália, reportou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de US$ 570,1 milhões, aumento de 76% na comparação com o mesmo intervalo do último ano.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 20/01
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)
Terça-Feira, 15/01
FRANGO/PERSPEC 2019: após ano difícil, cenário sinaliza recuperação para 2019 (11:27)
OVOS/PERSPEC 2019: excesso de produção pode limitar ganho; produtores devem ter cautela em 2019 (11:25)
SUÍNOS/PERSPEC 2019: exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo (11:23)
BOI/PERSPEC 2019: após exportação recorde em 2018, setor aposta em demanda interna em 2019 (11:21)
Foto de ovo tem o maior número de “curtidas” do mundo (07:39)
Redes de fast-food não se comprometem com bem-estar de frangos, diz ONG (07:38)
eSocial: o que o empregador PF precisa saber sobre CAEPF (07:37)
Baixa demanda por carne bovina mantém mercado do boi com pouca movimentação (07:20)
Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018 (07:18)
Soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira corrigindo as últimas baixas (07:17)