Terça-feira, 25 de Setembro de 2018
Logística

Alta de custo com frete para exportador pode chegar a R$ 25 bilhões
São Paulo, SP, 16 de Agosto de 2018 - A tabela de preços mínimos para o frete estabelecida pelo governo após a paralisação dos caminhoneiros no fim de maio pode ser mais salgada do que se esperava para os exportadores de produtos agrícolas do país.

Estudo do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-Log/USP) mostra que o aumento mínimo de custos esperado para o transporte dos produtos até os portos este ano, com a imposição da tabela, é de 70%, mas a alta pode chegar a 154% se o contratante também pagar o frete de retorno.

“Analisamos como foi o ano passado em termos de volumes exportados e como seria o custo com a tabela de fretes”, explica Thiago Péra, coordenador técnico do grupo. O estudo considera os embarques de soja, milho, farelo de soja e açúcar em 2017.

Um dos pontos da tabela que mais tira o sono dos exportadores é que o contratante do transporte terá de pagar o frete de retorno do caminhão vazio após o desembarque nos portos.

Conforme os cálculos do grupo da Esalq-Log, num cenário em que todos os caminhões voltem vazios dos portos, o aumento de custos chegaria a R$ 25,1 bilhões, o que representa alta de 154% sobre os valores de 2017. Sem esse frete de retorno, o aumento dos custos fica ao redor de 70%, ou R$ 11 bilhões.

Dentre os quatro produtos analisados, a soja, carro-chefe das exportações brasileiras, teria um aumento dos gastos com transporte da ordem de R$ 13,8 bilhões, ou alta de 156% sobre os valores de 2017. O custo pode ser ainda maior para a oleaginosa, uma vez que a estimativa é que as exportações este ano sejam 8,6% maiores que em 2017.

O milho, por sua vez, teria aumento de R$ 7,3 bilhões (alta de 166,3%) considerando o mesmo volume exportado em 2017. Para este ano, no entanto, a própria Conab já reduziu a projeção para os embarques em 3 milhões, para 27 milhões de toneladas, justamente por causa da alta do frete.

No caso do açúcar, segundo o estudo do grupo, o impacto seria de R$ 2,1 bilhões (alta de 106,9%), e do farelo, de R$ 1,9 bilhão (aumento de 167,6%).

Para fazer a análise, a Esalq-Log considerou os valores mínimos da Tabela de Frete da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), incluindo tarifas de pedágios, impostos e margens, e aplicou-os aos volumes embarcados dos quatro produtos em 2017. A variação do custo com o diesel, combustível dos caminhões, também foi corrigida.

Na análise por culturas, o Estado mais impactado nos custos de transporte da soja aos portos é Mato Grosso — principal produtor da oleaginosa —, com elevação estimada em R$ 6,9 bilhões, seguido por Goiás, com R$ 1,4 bilhão, e pelo Paraná, com R$ 1,3 bilhão.

Ontem, Aurélio Pavinato, presidente da SCL Agrícola, uma das maiores produtoras de grãos do país, afirmou que o aumento de custos em dólares não chega a ser tão significativo. “Os cálculos da SLC apontavam para aumento de 30% do frete em reais, mas, como exportadores, nos interessa o custo em dólares e não houve tanta mudança assim”, afirmou em teleconferência com analistas.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o real se desvalorizou cerca de 20% ante o dólar, para US$ 3,9045.

Também no caso do milho, Mato Grosso é o mais afetado pelo aumento dos custos de transporte. O Estado é o maior produtor do cereal e deve registrar uma alta nos custos com frete de R$ 5,3 bilhões, conforme os cálculos.

O estudo elaborado pela Esalq-Log também avaliou os custos com transporte rodoviário para a cadeia de adubos. O aumento com o transporte, em todo o país, do fertilizante intermediário — matéria-prima para a indústria — recebido nos portos até as misturadoras deve chegar a R$ 2,3 bilhões, uma alta de 83,8% em relação a 2017.

A decisão sobre a tabela de fretes mínimos rodoviários ainda pode ser revertida. No dia 27 deste mês haverá uma audiência pública sobre o tema. Depois disso, o Supremo Tribunal Federal (STF) irá decidir sobre a constitucionalidade da tabela.

(Valor) (Kauanna Navarro )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 25/09
Ceva Saúde Animal promove painel sobre o futuro da avicultura no 12º Simpósio Técnico ACAV (11:48)
Granja Cantu realiza palestra com foco na biossegurança do plantel de postura (09:04)
O futuro chegou: MSD Saúde Animal destaca tecnologia e inovação na ACAV (09:00)
Produtor rejeita crédito rural atrelado à inflação (08:23)
Banco Central defende redução de crédito subsidiado (08:21)
Ano positivo para grãos de boa liquidez (08:19)
Guerra comercial de Trump chega ao Comitê de Agricultura da OMC (08:15)
Crédito rural com juro pós-fixado ainda não saiu do papel (08:13)
Para banco, etanol e pecuária elevam receita de produtor de milho em 150% (08:10)
Boi Gordo: carcaça atinge o maior preço nominal dos últimos dois anos (08:08)
Milho: mercado sobe nesta 2ª feira e toca nível mais alto em um mês na CBOT com suporte da demanda (08:03)
Soja fecha em queda nesta 2ª em Chicago com mercado ainda sentindo peso da disputa EUA x China (08:00)
Valor Bruto da Produção fica 2,5% menor em agosto (06:23)
Ações de modernização do setor são destacadas em fórum do agronegócio (06:22)
Segunda-Feira, 24/09
Natal sedia dois eventos internacionais de inovação (11:32)
Ceva Saúde Animal estará no 12º Simpósio Técnico ACAV (10:09)
Inaugurado novo Centro de Distribuição De Heus no Nordeste (09:58)
Crise afeta as vendas de equipamentos de frigoríficos (08:38)
Suíça rejeita iniciativas que endureciam exigência para alimentos (08:35)
Membros do comitê técnico do Congresso de Ovos reúnem-se para discutir temário (08:22)
Simpósio de avicultura terá palestra de abertura com jornalista João Borges (08:17)
A avicultura catarinense, por José Antônio Ribas Júnior (08:14)
DSM é nova patrocinadora da Semana do Ovo 2018 (08:09)
No LPN Congress 2018, o Dr. Steve Leeson analizará as mudanças nutricionais em um ambiente livre de AGP (08:04)
Milho: mercado sobe mais de 1% na semana na CBOT com dados da demanda e chuvas nos EUA (08:00)
Soja fecha com balanço semanal positivo apesar das realizações de lucros desta 6ª em Chicago (07:58)
McDonald’s é alertado a cuidar melhor de seus frangos (06:09)
Sexta-Feira, 21/09
Siemens cria centro de competências de carnes no Brasil (08:58)
Rabobank: volatilidade associada ao Brasil é desafio para o mercado global (08:46)
Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC (08:46)
Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)