Domingo, 20 de Janeiro de 2019
Matérias-Primas

Milho: produtores seguram vendas e preços têm mais um dia de alta no mercado interno
Campinas, SP, 16 de Agosto de 2018 - Mais uma vez, as cotações do milho praticadas no mercado doméstico subiram nesta quarta-feira (15). Segundo levantamento da equipe do Notícias Agrícolas, em Campo Novo do Parecis (MT), o ganho foi de 7,14%, com a saca a R$ 22,50. Ainda no estado, as praças de Alto Garças, Itiquira e Primavera do Leste, subiram 4,44%, com a saca a R$ 28,20.

Na região de Campo Grande (MS), a valorização ficou em 3,23%, com a saca de milho a R$ 32,00. Em Goiás, as praças de Jataí e Rio Verde, a saca fechou o dia a R$ 30,00, com alta de 1,69%. Em Campinas (SP), o valor bateu R$ 44,10, com ganho de 1,15%.

Em Luís Eduardo Magalhães (BA), a saca subiu 1,59% e fechou o dia a R$ 32,00. No Porto de Paranaguá, saca futura, para entrega em setembro/18, subiu 2,47% e encerrou a quarta-feira a R$ 41,50.

As cotações de milho ainda encontram suporte na queda na produção nesta temporada e na postura dos produtores em segurarem as vendas do grão. Paralelamente, a questão do tabelamento do frete ainda tem travado a comercialização, dificultando o fechamento dos negócios.

"De qualquer forma, continua o monitoramento do câmbio e das questões relacionadas ao frete rodoviário, que podem interferir nos embarques nacionais", informou a Scot Consultoria.

Dólar

A moeda norte-americana encerrou a quarta-feira a R$ 3,9007 na venda, com alta de 0,87%. Segundo informações da Reuters, o cenário externo, com interferência da situação da Turquia, e a cena política no Brasil permanecem no radar dos investidores e influenciaram o andamento do câmbio hoje.

"O recuo da véspera veio da trégua externa. Hoje, com a retaliação dos turcos, as preocupações voltaram", disse o diretor da consultoria financeira Via Brasil Serviços, Durval Correa em entrevista à Reuters.

Bolsa de Chicago

O pregão desta quarta-feira (15) foi de ligeira perda aos preços do milho praticados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais posições da commodity finalizaram o dia com quedas entre 0,20 e 0,75 pontos. O vencimento setembro/18 era cotado a US$ 3,61 por bushel, enquanto o dezembro/18 trabalhava a US$ 3,76 por bushel. O março/19 operava a US$ 3,87 por bushel.

De acordo com informações do site internacional Farm Futures, as cotações foram pressionadas pelo movimento de correção técnica nesta quarta-feira. Além disso, as tensões geopolíticas intensificaram a aversão ao risco nas principais commodities hoje.

Ainda assim, as perdas foram limitadas pelas condições da safra norte-americana. No início dessa semana, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reduziu de 71% para 70% o índice de lavouras em boas ou excelentes condições. E no final da última semana, o órgão elevou a oferta para 370 milhões de toneladas de milho nesta safra.

O departamento vai atualizar as informações no início da próxima semana. "Previsões para chuva e clima frio, benéficas para o desenvolvimento das culturas, em todo o centro-oeste dos EUA pesaram no mercado de milho", informou a Reuters internacional.

Ainda hoje, o USDA reportou a venda de 114,572 mil toneladas de milho para destinos desconhecidos. Do total, 55 mil toneladas serão entregues ao longo da campanha comercial 2017/18 e o restante, de 59,572 mil toneladas, serão entregues no ciclo 2018/19.
(Notícias Agrícolas) (Fernanda Custódio)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 20/01
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)
Terça-Feira, 15/01
FRANGO/PERSPEC 2019: após ano difícil, cenário sinaliza recuperação para 2019 (11:27)
OVOS/PERSPEC 2019: excesso de produção pode limitar ganho; produtores devem ter cautela em 2019 (11:25)
SUÍNOS/PERSPEC 2019: exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo (11:23)
BOI/PERSPEC 2019: após exportação recorde em 2018, setor aposta em demanda interna em 2019 (11:21)
Foto de ovo tem o maior número de “curtidas” do mundo (07:39)
Redes de fast-food não se comprometem com bem-estar de frangos, diz ONG (07:38)
eSocial: o que o empregador PF precisa saber sobre CAEPF (07:37)
Baixa demanda por carne bovina mantém mercado do boi com pouca movimentação (07:20)
Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018 (07:18)
Soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira corrigindo as últimas baixas (07:17)