Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
Matérias-Primas

Soja cede mais de 10 pts em Chicago com pressão do dólar e intensa aversão ao risco
Campinas, SP, 16 de Agosto de 2018 - Os preços da soja, nesta quarta-feira (15), voltaram a recuar de forma bastante expressiva na Bolsa de Chicago e fecharam o dia com perdas de mais de 10 pontos entre os principais vencimentos. O contrato novembro/18, referência para as cotações neste momento, encerrou o dia valendo US$ 8,69 por bushel.

Os futuros da oleaginosa acompanharam uma queda generalizada das commodities, as quais foram severamente pressionadas pela intensificação das tensões geopolíticas e das disputas comerciais, bem como de uma alta do dólar frente a uma série de outras divisas.

"E essa alta forte do dólar encareceu as commodities nos EUA, pressionando os preços", disse o analista de mercado Mário Mariano, da Novo Rumo Corretora.

O petróleo fechou o dia perdendo mais de 3%, o café arábica mais de 2,5% em Nova York e o trigo em Chicago, mais de 1,5%. As commodities energérticas e metálicas também caíram de forma muito expressiva.

E as questões geopolíticas estão intimamente ligadas à guerra comercial entrea americanos e chineses e as tensões que crescem entre os dois países. "Acho que ainda não vimos o pior. Só começamos a ver um efeito colateral. Acredito que essa é, de fato, o olho da tempestade e vamos ter outra rodada de fraqueza nos mercados emergentes".

De acordo com analistas internacionais, o mercado sentiu ainda a pressão de melhores condições de clima no Corn Belt nos próximos dias, com previsões mostrando mais chuvas para importantes regiões produtoras no país. Como mostra o mapa a seguir, do NOAA - o serviço oficial de clima do governo norte-americano - um bom volume de precipitações está previsto para o intervalo dos próximos sete dias e deve favorecer a conclusão da safra 2018/19 dos EUA.

O que segue limitando as baixas nos preços da soja continua sendo a demanda. Além de bons números já conhecidos do total da nova temporada americana comprometida, há rumores, ainda segundo relatou Mariano em entrevista ao Notícias Agrícolas, de que a China teria comprado cerca de sete navios de soja nos EUA.

"No entanto, talvez esse volume ainda não seja o suficiente para mudar a tendência do mercado", diz. Apesar disso, mostra a necessidade da nação asiática em direcionar parte de suas compras à oferta americana, uma vez que no Brasil o produto está cada vez mais escasso.

Ainda do lado da demanda, nesta quarta-feira a NOPA (Associação Nacional dos Processadores de Oleaginosas) trouxe, em seu reporte mensal, um esmagamento de soja de 167,733 milhões de bushels em julho, sendo este o segundo maior total mensal da história. Com boas e fortes margens de processamento, as indústrias aumentaram seu ritmo e ajudaram no resultado.

Mercado Nacional

No Brasil, os preços parecem seguir atrelados a uma realidade formanda pela demanda intensa, os prêmios fortes e o dólar ainda resistente, apesar de algumas baixas pontuais. Nesta quarta, a divisa voltou aos R$ 3,90 e terminou o dia com alta de 0,87%.

"O recuo da véspera veio de trégua externa. Hoje, com a retaliação dos turcos, as preocupações voltaram", afirmou o diretor da consultoria financeira Via Brasil Serviços, Durval Correa, à Reuters, referindo-se à guerra China x Turquia.

E nesse ambiente, os preços voltaram a subir no interior. As altas chegaram aos 9,72%, como foi o caso de Brasília, onde o preço final foi de R$ 79,00 por saca. Em Mato Grosso, os ganhos passaram de 1%, e as baixas foram pontuais.

Nos portos, porém, as referências fecharam em campo negativo. Em Rio Grande, baixa de 0,34% para disponível - que ficou em R$ 87,70 - e para setembro/18 - onde o indicativo foi a R$ 88,20. Em Paranaguá, o spot perdeu 0,55% para R$ 91,00, enquanto a referência fevereiro/19 foi a R$ 83,00.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 14/11
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)