Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
Exportação

Miniboom de commodities está acabando, diz estudo
Nova York, EUA, 15 de Agosto de 2018 - O crescimento das exportações dos países emergentes caiu drasticamente neste ano, antes mesmo de as tarifas comerciais recentemente colocadas em prática pelos EUA começarem a ter impacto.

O crescimento dos volumes exportados pelos emergentes caiu de 6,5%, em fevereiro (ante o mesmo mês do ano passado), para apenas 1,8% em maio, o último mês com dados disponíveis, segundo cálculo do "Financial Times", com base em números do CPB Netherlands Bureau for Policy Analysis, uma fonte de dados comerciais bastante usada. Os números são baseados na média móvel de três meses para amenizar a volatilidade excessiva.

A leitura de maio foi a menor desde outubro de 2016 e aponta para o fim dramático do "miniboom" nos volumes exportados pelos emergentes, embora em termos de valor as vendas ainda tenham crescido a uma taxa robusta, de 7,2%, graças em boa parte à alta do preço do petróleo nos últimos 12 meses.

Uma análise separada de Liam Carson, economista para mercados emergentes da consultoria Capital Economics, baseada numa série de dados de organismos como a Joint Organisations Data Initiative, também aponta para uma grande desaceleração dos volumes exportados pelos emergentes.

Embora os dados da Capital Economics sejam menos desanimadores que os do CPB - possivelmente devido a diferenças na maneira de corrigir o efeito do Ano Novo chinês, que neste ano caiu relativamente mais tarde - eles apontam para uma desaceleração do crescimento dos volumes de 3,5% anual, com base na média de três meses, em relação ao pico cíclico de 6,1% em julho de 2017.

Carson observou essa desaceleração antes mesmo de os EUA aplicarem sua primeira rodada de tarifas sobre US$ 50 bilhões em exportações chinesas em junho.

Ele atribuiu grande parte da desaceleração ao menor crescimento econômico na zona do euro, onde o volume de importação de países emergentes caiu 2% em maio, segundo a Capital Economics, ante alta de 9,6% de julho de 2017.

Como a zona do euro absorve 16% das exportações dos emergentes, ela respondeu sozinha por cerca de 1,1 ponto percentual (ou cerca de 40%) da perda de 2,6 pontos percentuais no crescimento das exportações dos emergentes desde o terceiro trimestre de 2017.

Outras economias desenvolvidas, como Austrália, Japão, Reino Unido e EUA responderam por outro 0,9 ponto da desaceleração. O menor crescimento dos emergentes (exceto a China) foi responsável por mais 1,5 ponto, mas isso foi parcialmente compensado pela alta de 0,9 ponto nas exportações dos emergentes graças à demanda mais forte da China.

Dados separados da NN Investment Partners sugerem que a onda inicial de sanções americanas contra a China, e as medidas retaliatórias de Pequim, não parecem ter agravado a desaceleração das exportações dos emergentes, pelo menos até o mês passado.

A medida exclusiva da gestora de ativos holandesa, baseada em dados de exportação de 50 grandes países emergentes, mostrou crescimento de 17% (em dólar) em julho, ante julho de 2017. Grande parte disso, porém, se deveu à alta dos preços unitários, não só de commodities como petróleo, mas também das exportações chinesas.

Em termos de volume, o crescimento anual provavelmente ficou na faixa de 3% a 5%, segundo estimativa de Maarten-Jan Bakkum, estrategista sênior de mercados emergentes da NNIP. Embora isso represente uma desaceleração em relação à taxas de crescimento de 5% a 10% dos últimos anos, a taxa é tão boa ou melhor que as estimativas para maio da Capital Economics e do CPB.

"As ameaças protecionistas dos EUA ainda não aparecem nos dados", diz Bakkum. "Vimos pouca mudança até agora."

Mas ele crê que o crescimento das exportações dos emergentes, em dólar, cairá para cerca de 6%, quando o aumento ocorrido no petróleo sair da equação e o impacto das sanções sobre o comércio asiático começar a ser sentido.

Do lado positivo, Bakkum observa que o comércio com Europa, Japão e o resto do mundo emergente "está se mantendo bem". A desvalorização recente das moedas de muitos países emergentes deverá ajudar na competitividade, e uma nova rodada de estímulos econômicos na China deva ajudar exportadores de commodities da América Latina e África, afirma ele.

Carson também acha que o ritmo das exportações dos emergentes vai desacelerar mais no segundo semestre, em boa parte porque dados sugerem cada vez mais que a desaceleração registrada no primeiro trimestre na zona do euro não é algo temporário e afetará a demanda, especialmente por produtos da Europa central e do leste.

As tarifas também poderão contribuir para a desaceleração das exportações, especialmente se os EUA prosseguirem com medidas visando outros US$ 200 bilhões em produtos chineses, conforme já sugeriu o presidente Donald Trump. Mas o impacto econômico de curto prazo se restringiria à própria China, segundo Carson.

A Capital Economics analisou o efeito dominó das tarifas dos EUA à China sobre as cadeias de fornecimento globais. O maior impacto é sobre Taiwan. Mas Carson acha que o efeito secundário sobre as cadeias de fornecimento será um problema mais de médio prazo, que ficará evidente nos próximos dois a três anos.

(Financial Times) (Steve Johnson)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 25/04
China: prejuízos com suíno, lucro com frango (14:38)
Seara, da JBS, recebe autorização para exportar frango para a Índia (12:24)
Empresa catarinense investe R$ 20 milhões em Apucarana (12:23)
CNA pede redução dos juros (08:25)
Soja atinge menor valor desde outubro (08:23)
Condomínio Avícola Encantado II e Sicredi formalizam contrato para viabilizar empreendimento (07:55)
Avimig participa de Audiência com governador de MG, Romeu Zema (07:44)
Em academia, nutricionista do Instituto Ovos Brasil dá dicas sobre o consumo de ovos e a prática de exercícios físicos (07:43)
Inflação que vem do campo agora tem foco nas carnes (07:36)
Copacol apresentou resultados positivos no primeiro trimestre (07:36)
Pernambuco: Lei que prevê a rastreabilidade de ovos é adiada (07:35)
Associação Paulista de Avicultura declara seu apoio à decisão do governo de SP sobre realização de feira de orgânicos (07:34)
Embrapa apresenta vídeos sobre práticas de debicagem em galinhas de postura (07:33)
Agricultura do Paraná propõe fusão de empresas a elas vinculadas (07:30)
Boi Gordo: entre a estabilidade e a queda (07:16)
Grandes estoques e ritmo de plantio deixam Bolsa de Chicago com queda de preços do milho (07:04)
Soja volta a recuar em Chicago ainda com pressão do clima e da demanda (07:00)
Quarta-Feira, 24/04
Os danos da vitória dos caminhoneiros (14:32)
Greve dos caminhoneiros: ANTT altera piso mínimo da tabela do frete (14:31)
Crise reformulará mercado global de proteínas animais (07:53)
Peste suína na China faz ações de frigoríficos dispararem (07:50)
Boi gordo: demanda em baixa, mas oferta restrita limita quedas (07:36)
Avanço do plantio americano deixa cotações do milho em baixa na Bolsa de Chicago (07:33)
Soja fecha com mais de 15 pts de baixa em Chicago e preços caem mais no Brasil (07:30)
China deve aumentar compras de frangos e suínos (07:12)
Workshop visa esclarecer adequações de instalações aduaneiras a exigências do Vigiagro (07:11)
BRF: Parece que o jogo virou, não é mesmo? (07:10)
Terça-Feira, 23/04
Negociações do Plano Safra na reta final (08:50)
Plantio de milho avança nos EUA, o que é bom para o sojicultor brasileiro (07:03)
Elanco começa trajetória independente da Eli Lilly (06:34)
AVES e CRMV-ES realizam curso para o setor de ovos do ES (06:30)
Carne brasileira pode ampliar espaço no mercado chinês, diz ministra (06:20)
Consumo calmo pressiona preços da arroba do boi (06:15)
Segunda-feira termina com milho desvalorizado em Chicago (06:09)
Soja: portos fecham em queda nesta 2ª feira com recuo em Chicago (06:07)
Preocupação na demanda por soja, peste suína africana se alastra por toda China (06:04)
Segunda-Feira, 22/04
StarYeast®, da ICC Brazil, é alternativa para crise de vitamina B2 na União Europeia (10:07)
Programa de autocontrole: cooperativas entregam carta de reivindicações ao MAPA (09:17)
Semana será decisiva para impasse entre governo e caminhoneiros (08:34)
PIB do agronegócio mineiro fecha 2018 com crescimento de 3,55% (08:32)
Serviço de Inspeção de Pernambuco passa a ter equivalência ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (08:20)
Ovos: última semana da Quaresma é marcada por preços estáveis (08:18)
Surto de peste suína africana na China altera dinâmica do mercado de carnes no Brasil (08:18)
Soja: preços sobem, mas médias mensais são as menores desde janeiro (08:15)
China terá redução de 10 mi de toneladas na oferta de carnes com peste suína (08:10)
Incerteza econômica faz agroindústria patinar (08:09)
Suínos: estabilidade nos preços na última semana (08:05)
Soja volta do feriado trabalhando com leves baixas em Chicago nesta 2ª feira (08:00)
Sexta-Feira, 19/04