Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
Empresas

Dívida cresce, mas acordo com bancos anima BRF
São Paulo, SP, 13 de Agosto de 2018 - A despeito da trajetória explosiva de seu endividamento, a BRF considera ter a vida resolvida com os bancos até 2020, de acordo com uma fonte próxima. Desde que Pedro Parente assumiu a presidência do conselho de administração da companhia, no fim de abril, a BRF fechou acordos com três dos mais importantes bancos: Itaú, Bradesco e Banco do Brasil.

A avaliação é que, com esses acordos, a empresa poderá avançar no processo de venda dos ativos na Argentina, Tailândia e Europa sem estar com uma faca no pescoço. A partir dos acordos com os bancos, a BRF conseguiu rolar boa parte dos passivos que venciam neste e no próximo ano.

Quando a BRF divulgou o resultado do primeiro trimestre, em maio, a situação delicada ficou escancarada. Sofrendo com embargos que minaram a capacidade de geração de caixa, a BRF tinha de lidar um cronograma de vencimento das dívidas apertado. Do endividamento de R$ 21,3 bilhões, R$ 8,3 bilhões venciam em 2018 e 2019 - R$ 2,6 bilhões este ano e R$ 5,7 bilhões no próximo.

De lá para cá, o montante que vence até 2019 caiu para cerca de R$ 5,1 bilhões - R$ 1,8 bilhão neste ano e o restante no próximo. Essa redução foi obtida, sobretudo, com os contratos de novos financiamentos e rolagem firmados com Banco do Brasil, Bradesco e Itaú.

O principal desses acordos foi com o Banco do Brasil. Conforme a empresa anunciou em julho, o acordo de R$ 3,2 bilhões com o banco estatal consistiu na rolagem e concessão de novos empréstimos, que agora vencerão em três anos. Somado ao acordo com o Bradesco, o montante renegociado atingiu R$ 4,3 bilhões.

O próximo passo na estratégia da BRF é atingir a meta de monetizar R$ 5 bilhões ainda este ano com o plano de emergência anunciado no fim de junho por Parente.

Na última sexta-feira, antes da divulgação do resultado do segundo trimestre, a BRF anunciou a contratação dos bancos Votorantim, Bradesco BBI e BB Investimentos para antecipar R$ 750 milhões em recebíveis por meio da estruturação de um fundo de investimentos de direitos creditórios (FDIC). Com isso, a companhia ainda precisa de R$ 4,2 bilhões para monetizar os R$ 5 bilhões. A expectativa é que a maior parte venha da venda dos ativos operacionais na Argentina, Tailândia e Europa. A venda de ativos não operacionais (florestas e participações minoritárias) também está no radar.

Se conseguir mesmo monetizar os R$ 5 bilhões, a BRF dará mais um passo importante na equalização das dívidas. Não à toa, esse montante cobriria praticamente toda a dívida da empresa que vencerá em 2018 e 2019. No fim do segundo semestre, a dívida bruta da BRF totalizava R$ 23,2 bilhões. O prazo médio do pagamento é 3,5 anos.

Em outra frente, a empresa também está pronta para captar cerca de US$ 1 bilhão em bonds com vencimento em dez anos. Assim que houver uma oportunidade no mercado, a BRF fará essa emissão, disse uma fonte. A avaliação na empresa é que, ao menos até 2019, essa oportunidade vai aparecer. Com a emissão desses bonds, a companhia alongaria bem as dívidas. Os principais vencimentos passariam a ser nos anos de 2022 e 2023.

Se esse cenário de reestruturação das dívidas tiver êxito, como fontes próximas à BRF acreditam, a empresa poderá concentrar as atenções na área operacional, que sofreu muito nos últimos anos e ainda preocupa os analistas, sobretudo nos negócios fora do Brasil. Na última sexta-feira, a BRF reportou um prejuízo de mais de R$ 1,5 bilhão no segundo trimestre e sinalizou que a tendência negativa no mercado internacional deve prosseguir, o que fez suas ações caírem mais de 6,4% na B3, a R$ 20,44.

Para a BRF, recuperar mercados, como Rússia e União Europeia, seria de grande valia. Em teleconferência na sexta-feira, Parente demonstrou otimismo com a reabertura russa. A Europa, porém, parece um sonho distante. Fontes graduadas são pessimistas a esse respeito. A era em que o Brasil exportava 400 mil toneladas de carne de frango acabou, vaticina um executivo muito próximo à BRF.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 14/11
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)