Domingo, 20 de Janeiro de 2019
Empresas

Dívida cresce, mas acordo com bancos anima BRF
São Paulo, SP, 13 de Agosto de 2018 - A despeito da trajetória explosiva de seu endividamento, a BRF considera ter a vida resolvida com os bancos até 2020, de acordo com uma fonte próxima. Desde que Pedro Parente assumiu a presidência do conselho de administração da companhia, no fim de abril, a BRF fechou acordos com três dos mais importantes bancos: Itaú, Bradesco e Banco do Brasil.

A avaliação é que, com esses acordos, a empresa poderá avançar no processo de venda dos ativos na Argentina, Tailândia e Europa sem estar com uma faca no pescoço. A partir dos acordos com os bancos, a BRF conseguiu rolar boa parte dos passivos que venciam neste e no próximo ano.

Quando a BRF divulgou o resultado do primeiro trimestre, em maio, a situação delicada ficou escancarada. Sofrendo com embargos que minaram a capacidade de geração de caixa, a BRF tinha de lidar um cronograma de vencimento das dívidas apertado. Do endividamento de R$ 21,3 bilhões, R$ 8,3 bilhões venciam em 2018 e 2019 - R$ 2,6 bilhões este ano e R$ 5,7 bilhões no próximo.

De lá para cá, o montante que vence até 2019 caiu para cerca de R$ 5,1 bilhões - R$ 1,8 bilhão neste ano e o restante no próximo. Essa redução foi obtida, sobretudo, com os contratos de novos financiamentos e rolagem firmados com Banco do Brasil, Bradesco e Itaú.

O principal desses acordos foi com o Banco do Brasil. Conforme a empresa anunciou em julho, o acordo de R$ 3,2 bilhões com o banco estatal consistiu na rolagem e concessão de novos empréstimos, que agora vencerão em três anos. Somado ao acordo com o Bradesco, o montante renegociado atingiu R$ 4,3 bilhões.

O próximo passo na estratégia da BRF é atingir a meta de monetizar R$ 5 bilhões ainda este ano com o plano de emergência anunciado no fim de junho por Parente.

Na última sexta-feira, antes da divulgação do resultado do segundo trimestre, a BRF anunciou a contratação dos bancos Votorantim, Bradesco BBI e BB Investimentos para antecipar R$ 750 milhões em recebíveis por meio da estruturação de um fundo de investimentos de direitos creditórios (FDIC). Com isso, a companhia ainda precisa de R$ 4,2 bilhões para monetizar os R$ 5 bilhões. A expectativa é que a maior parte venha da venda dos ativos operacionais na Argentina, Tailândia e Europa. A venda de ativos não operacionais (florestas e participações minoritárias) também está no radar.

Se conseguir mesmo monetizar os R$ 5 bilhões, a BRF dará mais um passo importante na equalização das dívidas. Não à toa, esse montante cobriria praticamente toda a dívida da empresa que vencerá em 2018 e 2019. No fim do segundo semestre, a dívida bruta da BRF totalizava R$ 23,2 bilhões. O prazo médio do pagamento é 3,5 anos.

Em outra frente, a empresa também está pronta para captar cerca de US$ 1 bilhão em bonds com vencimento em dez anos. Assim que houver uma oportunidade no mercado, a BRF fará essa emissão, disse uma fonte. A avaliação na empresa é que, ao menos até 2019, essa oportunidade vai aparecer. Com a emissão desses bonds, a companhia alongaria bem as dívidas. Os principais vencimentos passariam a ser nos anos de 2022 e 2023.

Se esse cenário de reestruturação das dívidas tiver êxito, como fontes próximas à BRF acreditam, a empresa poderá concentrar as atenções na área operacional, que sofreu muito nos últimos anos e ainda preocupa os analistas, sobretudo nos negócios fora do Brasil. Na última sexta-feira, a BRF reportou um prejuízo de mais de R$ 1,5 bilhão no segundo trimestre e sinalizou que a tendência negativa no mercado internacional deve prosseguir, o que fez suas ações caírem mais de 6,4% na B3, a R$ 20,44.

Para a BRF, recuperar mercados, como Rússia e União Europeia, seria de grande valia. Em teleconferência na sexta-feira, Parente demonstrou otimismo com a reabertura russa. A Europa, porém, parece um sonho distante. Fontes graduadas são pessimistas a esse respeito. A era em que o Brasil exportava 400 mil toneladas de carne de frango acabou, vaticina um executivo muito próximo à BRF.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 20/01
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)
Terça-Feira, 15/01
FRANGO/PERSPEC 2019: após ano difícil, cenário sinaliza recuperação para 2019 (11:27)
OVOS/PERSPEC 2019: excesso de produção pode limitar ganho; produtores devem ter cautela em 2019 (11:25)
SUÍNOS/PERSPEC 2019: exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo (11:23)
BOI/PERSPEC 2019: após exportação recorde em 2018, setor aposta em demanda interna em 2019 (11:21)
Foto de ovo tem o maior número de “curtidas” do mundo (07:39)
Redes de fast-food não se comprometem com bem-estar de frangos, diz ONG (07:38)
eSocial: o que o empregador PF precisa saber sobre CAEPF (07:37)
Baixa demanda por carne bovina mantém mercado do boi com pouca movimentação (07:20)
Importações chinesas de soja recuaram 8% em 2018 (07:18)
Soja testa leves altas em Chicago nesta 3ª feira corrigindo as últimas baixas (07:17)