Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Análise

FAO mostra um Brasil de importador a exportador de alimentos em duas décadas

Evolução ocorreu tanto na produção de grãos como na de carnes, colocando o país em evidência
São Paulo, SP, 19 de Julho de 2018 - É impressionante a mudança do Brasil no cenário agropecuário mundial nas últimas duas décadas. Um relatório produzido duas vezes por ano pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) aponta uma evolução única do país no mundo.

Esses relatórios mostram o mercado mundial de alimentos, o volume de produção, quem produz e quanto se comercializa.

O mais recente é o deste mês. Uma comparação dele com o de há duas décadas mostra um Brasil totalmente diferente.

O país pouco foi mencionado no boletim de 1998. Na maioria das vezes em que os analistas da FAO se referiram ao Brasil foi para mostrar a importância brasileira nas importações de alimentos.

Uma das poucas citações fora desse contexto foi para registrar que o país era o segundo maior produtor mundial de mandioca, atrás da Nigéria.

A mandioca, relatava a FAO, era um dos importantes alimentos no consumo diário dos brasileiros.

Naquele ano, o Brasil acelerava também as importações de milho, que ficaram próximas de 2 milhões de toneladas. As de arroz somaram 1,2 milhão.

Trigo, milho, leite, carne e arroz compunham a principal pauta de compras do país, que estava entre os cinco maiores importadores mundiais de cereais. Apenas as importações de trigo somavam 6,2 milhões de toneladas.

O país continua ainda dependente de trigo e necessita de uma complementação de leite para o abastecimento interno.

Nos demais produtos, porém, organizou as cadeias produtivas, elevou a produtividade e deu um salto na produção, se tornando líder mundial em exportações.

Um dos principais exemplos é o do milho. O país deixou de ser dependente do cereal argentino e passou a ser o segundo maior exportador mundial, com vendas médias anuais de 30 milhões de toneladas.

Os brasileiros ganharam importância nesse setor. O relatório atual da FAO indica que a queda na produção nacional de milho nesta safra está cooperando para a redução do volume mundial do cereal.

Os analistas da FAO destacam também o desempenho das exportações de arroz, que deverão ficar próximas de 1 milhão de toneladas em 2018.

O país melhora também a sua participação no mercado de soja. Líder em exportações há alguns anos, deverá assumir também a ponta na produção mundial nesta safra.

A cadeia de proteínas acompanhou a evolução da de grãos e deu um grande salto em produtividade nas últimas duas décadas.

O Brasil passou a ser o maior exportador de carnes bovina e de frango, e a presença do país no mercado externo deverá crescer ainda mais, apesar dos problemas vividos pelo setor nos últimos dois anos.

A FAO aponta que o comércio mundial de carne bovina sobe para 11 milhões de toneladas neste ano, 4% mais do que em 2017. O de carne de frango aumenta para 13,3 milhões, 2% mais, mas o de carne suína cai.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 11/12
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)
Quarta-Feira, 05/12
JBS contrata Guilherme Cavalcanti como CFO (10:34)
El Niño fraco deve 'poupar' safra 2018/19 (10:26)
Vetanco promove palestra técnica junto a Cooperativa Lar (10:19)
Mês difícil para agroindústria ajudou a frear resultado de outubro (08:31)
JBS terá primeiro CEO que não é da família Batista (08:15)
Itamaraty deve reforçar foco agrícola (08:11)
Cenário positivo para o mercado do boi gordo (08:08)
Milho: Bolsa de Chicago fecha terça-feira com alta nos preços do milho (08:06)
Sem nenhum movimento que indique volta às compras dos chineses, soja em Chicago aguarda divulgação de regras definidas em trégua (08:00)
Lar Cooperativa recebe quatro troféus de Inovação (07:42)
Ponta Porã: Programa de incubadoras avança na Nova Itamarati (07:40)
JBS troca comando da empresa (07:39)