Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Agronegócios

Alta do dólar impulsiona margem dos frigoríficos de carne bovina
São Paulo, SP, 18 de Julho de 2018 - Depois de sofrerem com a concorrência acirrada na compra de bois para abate no primeiro trimestre, os frigoríficos de carne bovina do país foram ajudados no segundo trimestre pela valorização do dólar. Como resultado disso, a margem das indústrias — sobretudo as exportadoras — teve expressiva melhora.

As empresas de médio porte, que dependem mais do mercado doméstico e chegaram a trabalhar no vermelho em alguns momentos do ano, também contaram com um inesperado e positivo efeito da paralisação dos caminhoneiros. A greve afetou o escoamento e a produção de carne bovina no fim de maio, levando a desabastecimento pontual do atacado, o que elevou os preços no mercado interno, com reflexo positivo na rentabilidade.

Além disso, o preço do boi gordo ficou menor em decorrência da greve, o que fez os frigoríficos ganharem nessas duas pontas. “Compraram [o gado] mais barato e venderam a carne muito mais cara”, disse o analista da consultoria MB Agro, César Castro Alves.

“Tivemos um fôlego de um mês pós-greve”, admitiu Paulo Bellincanta, que é sócio-fundador do frigorífico Frialto e associado da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Conforme o levantamento da consultoria MB Agro, o ‘spread’ — indicador de margem bruta que mede a diferença entre a carne vendida no atacado e o preço do boi gordo — atingiu em junho o melhor nível em praticamente um ano. No último mês, essa diferença ficou em 1,03%. A média da série histórica, que começou em 2010, é de 0,96% Em geral, esse indicador é baixo (muitas vezes negativo) porque não contempla a venda subprodutos como couro.

Na exportação, que contou com a ajuda do dólar apreciado, a melhora é ainda mais substancial, segundo a MB Agro. No primeiro trimestre, a diferença de preço entre a carne bovina exportada e a cotação do boi gordo no país ficou em 4%, de acordo com Alves. Em abril, esse indicador alcançou 9% e em maio, 24%.

A melhora é um reflexo, principalmente, da alta do dólar, disse o analista da MB Agro. “Com carne e boi estável, o dólar ajudou muito”, afirmou. No segundo trimestre, o cotação do dólar (ptax) ficou, em média, em R$ 3,60, de acordo com o Valor Data. Trata-se de uma apreciação de 11% na comparação com a média do primeiro trimestre, de R$ 3,24. “O dólar é o que está tornando o equilíbrio da indústria de carne bovina possível”, afirmou ao Valor o executivo de um frigorífico, que não quis ser identificado.

Na avaliação de Bellincanta, o dólar favorável às exportações tem reflexos positivos no mercado interno, sobretudo para os frigoríficos de médio porte. “Os três grandes se voltaram para as exportações com mutia força, o que dá um respiro no mercado interno”, disse, em alusão a JBS, Marfrig e Minerva.

Para o segundo semestre, as expectativas também são positivas, conforme o presidente da Abiec, Antônio Camardelli. “A perspectiva para o segundo semestre é ótima”, afirmou, ressaltando a possibilidade da reabertura do mercado americano de carne bovina in natura e a abertura da Indonésia ainda neste ano.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)
Sexta-Feira, 12/10
Quinta-Feira, 11/10
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (11:56)
Globalmente, pescados batem carnes nas exportações (10:50)
Brasil poderá colher até 238 milhões de toneladas de grãos na safra 2018/19 (10:34)
ASGAV e Programa Ovos RS oficializam parceria com o Instituto do Câncer Infantil para apoio à 25ª Corrida pela Vida (09:29)
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (09:03)
Tradicional omelete do IOB faz parada na DSM (08:41)
Ceva Saúde Animal recebe palestra de nutricionista do IOB na Semana do Ovo (07:43)
Agronegócio: em setembro, vendas externas do setor somam mais de US$ 8 bilhões (07:36)
Participação maior do agro exterior passa por viés mais comercial do governo (07:34)
Milho: mercado fecha em queda na Bolsa de Chicago especulando números mais altos do USDA (07:31)
Soja: preços voltam a cair no Brasil nesta 5ª feira e travam ainda mais negócios da nova safra (07:29)