Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2019
Exportação

Exportação de material genético avícola cresce 33% no semestre
São Paulo, SP, 17 de Julho de 2018 - Este não é um bom ano para a avicultura, principalmente no que se refere ao mercado externo. O volume exportado de carne e as receitas obtidas no primeiro semestre, em relação a igual período de 2017, tiveram quedas de 17%.

O país, acostumado a evoluções contínuas nas exportações de carne de frango, vê o mercado encolher. Nem tudo está perdido, porém. Há um avanço constante nas exportações de material genético, que soma 33% no primeiro semestre.

De janeiro a junho deste ano, os brasileiros aumentaram em 29% a exportação de pintos de um dia e em 35% a de ovos férteis, em relação ao primeiro semestre de 2017.

O avanço do Brasil nesse segmento da avicultura, até então prioridade de países desenvolvidos, se deve a vários fatores. “A biosseguridade é uma das chaves dessa evolução. A alta segurança no setor acaba sendo um bom marketing para o país.”

A afirmação é de Ailton Locateli, gerente de planejamento e comércio exterior da Aviagen América Latina, empresa que vem obtendo evolução de 25% a 30% ao ano nas exportações de material genético.

Para Ariel Antônio Mendes, diretor de relações institucionais da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), “o Brasil é a bola da vez em material genético”. O país vem se preparando há tempos para a criação de linhas puras.

Além disso, o Brasil tem uma condição diferenciada em relação a vários de seus concorrentes. É o segundo maior produtor de carne de frango e o maior exportador mundial, mas o único, entre os grandes produtores, que nunca foi afetado pela gripe aviária.

Isso permite que as grandes empresas externas façam um backup de suas linhagens no país. Se algo dá errado em seus países de origem, a linhagem está garantida no Brasil.

O país tem hoje aves de elite, que servem de ponto de seleção para chegar ao frango comercial. Esse processo demora de quatro a cinco anos.

As granjas brasileiras estão preparadas para a produção de bisavós, avós, matrizes e produtores comerciais de frango de corte.

Mil fêmeas altamente selecionadas, do tipo pedigree —após passar por um processo de reprodução de tetravó, bisavó, avó e matriz—, vão resultar na produção final de 1,8 bilhão de frangos de corte.

Assim como há uma busca constante de novas tecnologias pelos consumidores —troca-se de celular para a obtenção de novas aplicabilidades do aparelho—, a genética dos animais se renova constantemente.

Com ela, é possível uma redução anualmente no consumo de ração e ganho de peso nas carcaças de frango. No caso das matrizes, buscam-se maior fertilidade e melhor qualidade dos pintinhos.

Locateli acredita que o Brasil ainda tem muito a crescer nas exportações de genética. Há um reconhecimento do produto brasileiro, e o país está livre da influenza aviária.

A Aviagen exporta para mercados já abastecidos pela matriz e desenvolve projetos para países como Equador e Peru.

Para o país ganhar mais mercado externo, contudo, algumas coisas precisam ser mudadas, principalmente na logística.

A Aviagen coloca material genético para Paraguai, Uruguai e Bolívia por meio de estradas. As longas viagens não são ideais para os pintinhos.

As vendas para a Venezuela, por exemplo, passam primeiro por Miami, devido às dificuldades nas rotas aéreas.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 21/02
Quarta-Feira, 20/02
Mesmo obrigatória, barreira sanitária é condenada pelo TST (09:12)
Em Dubai, quem quer carne ignora política (08:47)
Abertas inscrições para seleção de participantes da Feira de Investimentos em Dubai (07:38)
Ministério e polícias vão tornar fiscalização do transporte de cargas vivas mais rigorosa (07:34)
SP: preços agropecuários caem 0,88% em janeiro, aponta IEA (07:10)
Suíno Vivo: altas em SP e em SC nesta terça (19) (07:08)
Soja: disputa entre demandas interna e para exportação deve se acirrar e preços no Brasil (07:02)
Milho: mercado brasileiro sem movimentações (07:00)
Terça-Feira, 19/02
No Congresso de Ovos, Biocamp lança nova logomarca e comemora 20 anos de pioneirismo (11:54)
ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção (11:04)
Ministério promove, em Brasília, seminário sobre autocontrole na produção agropecuária (09:42)
JBS importa milho pela primeira vez em 2019, diz fonte (09:38)
Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas (09:36)
Ação&Manejo: Controle e análise dos dados em granjas produtoras de ovos (09:07)
Frigoríficos buscam atalhos para vender ao Irã (08:20)
Indústria de ração do Brasil sente impacto de menor crescimento do setor de aves (08:15)
Mercado do boi gordo permanece travado (08:10)
Milho: mercado interno encerra segunda-feira com poucas movimentações (08:05)
Preços da soja no Brasil ainda dependem das relações comerciais China x EUA para definir direção (08:00)
ICC Brazil participa da VIV Asia 2019 (07:30)
Segunda-Feira, 18/02
Cobb-Vantress lança novos guias de manejo (13:50)
Blitz de Verão: ASGAV e COBB realizam atividade de promoção do consumo de carne de frango (10:34)
Milho: demanda firme e recuo vendedor sustentam altas (10:17)
Vetanco promove ciclo de palestras no Polo Avícola da Bahia (09:22)
Serviço de inspeção de Caxias do Sul tem equivalência ao Sisbi-Poa reconhecida (07:26)
Ministra defende que Congresso discuta retorno de desconto na conta de energia dos produtores (07:24)
Prazo da Frango Ad’Oro termina no próximo dia 22 (07:21)
Boi Gordo: frigoríficos testam preços abaixo das referências, mas volume de negócios é pequeno (07:06)
Soja: prêmios no Brasil sobem mais de 30% em 1 mês e ajudam cotações no mercado interno (07:00)
Sexta-Feira, 15/02
Frango: Cepea aponta que poder de compra vem registrando mais um mês de queda (09:32)
Ovos: preços de fevereiro são os maiores desde junho/2018, destaca Cepea (09:30)
China anuncia tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro por 5 anos (08:21)
Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio (08:11)
Suíno Vivo: altas em SP, PR, MG e GO (08:08)
Boi Gordo: mercado em ritmo lento (08:06)
Boi Gordo: volume de animais abatidos no BR se eleva em 2018 (08:05)
Milho: mercado estável (08:04)
Soja: preços registram alta (08:00)
MSD Saúde Animal patrocina Congresso de Ovos e debate complexo respiratório em espaço empresarial (07:43)