Sábado, 21 de Julho de 2018
Matérias-Primas

Disputa remodela mercado de commodities agrícolas
Londres, 11 de Julho de 2018 - A escalada das tensões entre Estados Unidos e seus principais parceiros comerciais começa a remodelar o mercado de commodities agrícolas. Os produtores americanos de soja correm o risco de perder bastante, enquanto fiações vietnamitas e criadores alemães de suínos podem se beneficiar.

Canola - Os compradores chineses de soja, como a estatal Cofco, já recorrem ao Brasil como fornecedor alternativo aos EUA. A soja é uma das commodities escolhidas por Pequim para retaliar as tarifas de importação dos EUA. Os produtores de canola, outra oleaginosa que pode ser usada na ração do gado, também podem ser favorecidos.

Antes do acirramento das tensões comerciais com os EUA, a China já vinha comprando mais canola. O país comprou cerca de 4,8 milhões de toneladas em 2017, 30% a mais que em 2016, a maior parte do Canadá, o maior exportador mundial. "A China vem buscando importar mais canola e colza quando o preço é competitivo", disse Tracey Allen, do J.P.Morgan.

Embora as importações de canola sejam apenas uma fração das compras de soja da China, que somaram 95 milhões de toneladas em 2017, a expectativa de aumento nas vendas tem sido suficiente para manter firmes os preços da canola canadense. O contrato de canola para entrega em novembro na Bolsa Intercontinental (ICE) aumentou quase 3% do início do ano até a semana passada. "A diferença entre [a canola e a soja] aumentou, uma vez que os fundos de hedge estão comprados em canola e vendidos em soja", disse Mike Jubinville, analista da Pro Farmer Canada.

Milho - Os temores quanto ao futuro do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), entre EUA, México e Canadá, já encorajaram o México a diversificar seu fornecimento de commodities agrícolas. A China colocou o milho na lista de produtos que se tornaram alvos de tarifas de importação. As atenções agora estão voltadas em descobrir para onde irão as exportações americanas de milho e como o México, maior importador do cereal do país vizinho, vai reagir. O país latino-americano não incluiu nenhuma medida contra o milho em sua reação às tarifas que os EUA impuseram sobre o aço e o alumínio.

Mas, em 2017, o México comprou pouco menos de 600 mil toneladas do grão no Brasil, dez vezes a mais do que em 2016, segundo o International Trade Centre. Embora isso seja apenas 4% das importações totais de milho do México, os esforços do país para reduzir sua dependência dos EUA devem aumentar. "Vai ser difícil substituir todas as importações dos EUA, mas até 30% podem ser comprados do Brasil, Argentina e outros países", disse Stefan Vogel, analista do Rabobank.

Algodão - O algodão é outro alvo de Pequim. Como a China é o segundo maior comprador da fibra dos EUA, os preços em Chicago mergulharam à medida que as tensões foram se agravando. A China tentará comprar mais algodão de regiões como a Austrália, África Ocidental e Brasil, segundo a trading Plexus. A Índia, outro importante produtor, também deverá ganhar mais participação de mercado.

Outros beneficiários podem ser os produtores de fios no Vietnã, que importam o algodão americano e exportam os fios à China e outros compradores. Eles já estão colhendo os ganhos da queda nos preços do algodão, que eleva suas margens de lucro. "Os vietnamitas deverão ser beneficiários dos baixos preços [do algodão dos EUA]", disse Allen, do JPMorgan.

Carne suína - Os criadores de suínos da Alemanha viram sua produção ser vendida ao México pela primeira vez em junho deste ano, após as tarifas mexicanas sobre a carne suína produzida nos EUA terem criado oportunidades para produtores rivais.

Com o México e a China, dois importantes destinos da carne suína americana, impondo tarifas adicionais sobre as importações nesta semana, as ramificações do mercado provavelmente vão se ampliar. "Os embarques [dos EUA] à China estão em queda, uma vez que os compradores [chineses] vêm buscando outras fontes", disse Justin Sherrard, estrategista mundial de proteínas animais do Rabobank.

Pequim elevou em abril os impostos sobre a carne suína proveniente dos EUA de 12% para 37%.

A China é o maior produtor, consumidor e importador de carne suína no mundo, enquanto a Alemanha é o principal exportador, seguido dos EUA. Para analistas, Canadá e Espanha também vão procurar aproveitar as tensões comerciais entre EUA e China. "Há um grande rearranjo dos fluxos comerciais, o que significa oportunidades para alguns e riscos para outros", afirmou Sherrard, do Rabobank.

Carne bovina - A sobretaxa de Pequim à carne bovina dos EUA pode ajudar pecuaristas da Austrália. A carne americana não ocupa muito espaço nas gôndolas chinesas, mas é considerada de primeira qualidade. Os produtores americanos de carne bovina voltaram a ter acesso ao mercado chinês pela primeira vez em 14 anos em 2017. Assim como a carne australiana, o produto é vendido a preços mais altos. Em contraste, a carne do Brasil, maior exportador à China, é considerada "produto de volume", segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

Vender carne bovina a preços mais altos no mercado chinês é questão de construção da marca e confiança, segundo analistas, que destacam os prejuízos que as tarifas poderiam provocar. Os impostos "poderiam, em última análise, restringir o acesso ao mercado e enfraquecer um grande concorrente dos exportadores de carne bovina australianos", disse Mark Bennett, chefe de agronegócios da ANZ.

(Financial Times) (Emiko Terazono)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 21/07
Sexta-Feira, 20/07
Cobb-Vantress promoverá amanhã a quarta edição da Queima do Frango (13:46)
Turra debate proteína animal e expansão agrícola durante o GAF 18 (10:54)
Biosseguridade na Avicultura entra na Programação do Canal Rural (10:52)
Granja Pinheiros bate recorde de produção em matrizes com o Ross 308 AP (AP95) no Brasil (09:49)
Embrapa lança cartilha de boas práticas de produção de postura comercial (08:50)
Inscrições abertas para o 2º Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba (08:29)
Plano de Parente para BRF anima investidor (08:21)
Suíno segue se desvalorizando e Boi busca recuperação: acompanhe as análises de mercado do CEPEA (08:15)
CNA levanta custos de produção de grãos no PR (08:12)
Milho: mercado sobe pelo 3º dia consecutivo em Chicago (08:09)
Soja tem mais um pregão estável na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira com traders cautelosos (08:00)
Quinta-Feira, 19/07
Instituto Ovos Brasil participa da Festa do Ovo de Bastos (09:33)
Biovet Vaxxinova anuncia nova Diretora de P&D e Assuntos Regulatórios (09:15)
FAO mostra um Brasil de importador a exportador de alimentos em duas décadas (09:00)
ABPA pede retirada de barreiras na exportação de carne de ave e de frango (08:30)
Cobb-Vantress é eleita a melhor empresa para trabalhar na região de São José do Rio Preto (08:14)
Milho: mercado inicia pregão desta 5ª feira próximo da estabilidade na CBOT (08:02)
Soja testa ligeiras baixas em Chicago nesta 5ª feira com mercado ainda bastante técnico (08:00)
Quarta-Feira, 18/07
Vetanco se faz presente em mais uma Festa do Ovo de Bastos (14:18)
Novo sistema da Secex gera dúvidas sobre dados de exportação de carne (08:30)
Alta do dólar impulsiona margem dos frigoríficos de carne bovina (08:20)
Valor Bruto da Produção Agropecuária está estimado em R$ 562,4 bilhões (08:10)
Milho: mercado testa tímidos ganhos na manhã desta 4ª feira em Chicago (08:06)
Soja tem estabilidade em Chicago nesta 4ª feira e busca manter movimento de recuperação (08:00)
Terça-Feira, 17/07
Frango fica menor e mais caro um mês e meio depois do fim da greve dos caminhoneiros (09:33)
Exportação de material genético avícola cresce 33% no semestre (09:31)
Inscrições pela internet para o Encontro Técnico Avícola terminam nesta terça-feira (09:00)
Aviagen investe estrategicamente em seu programa de melhoramento genético no Reino Unido (08:50)
Itaú BBA, Bradesco BBI e Morgan Stanley irão assessorar BRF em vendas (08:33)
5ª FAVESU já tem data e local confirmados (08:19)
Curso sobre incubação de ovos começa nesta quarta-feira 18/07, em Cascavel (PR) (08:14)
Com guerra comercial, cotação da carne suína desce a ladeira nos EUA (08:11)
Exportações de carne suína totalizam 278,3 mil toneladas no 1° semestre (08:10)
Milho: mercado tem dia correção técnica e fecha pregão desta 2ª com ligeiras valorizações em Chicago (08:06)
Soja sobe pelo 2º dia consecutivo em Chicago nesta 3ª feira com suporte nas condições das lavouras dos EUA (08:00)
USDA reduz índice de lavouras de soja e milho em boas ou excelentes condições (07:48)