Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
Empresas

Produção de perus enfrenta desafios no Brasil e no mercado externo
São Paulo, SP, 10 de Julho de 2018 - "Não posso continuar a produzir para vender a ninguém". Assim o vice-presidente de eficiência corporativa da BRF, Jorge Luiz de Lima, ilustrou recentemente a senadores as agruras da empresa no mercado de peru. Sem acesso à União Europeia desde abril, quando foi proibida de exportar em razão da Operação Trapaça, a dona das marcas Sadia e Perdigão reagiu com um movimento drástico, cortando a sua produção de perus em cerca de 50%.

Embora tenha a intenção de atenuar o impacto do desaparecimento repentino da demanda externa - a UE compra quase 40% do que o Brasil exporta -, a medida adotada pela BRF inevitavelmente provocará abalos na oferta de embutidos à base de peru (presunto, peito de peru, blanquet) no mercado doméstico brasileiro, de acordo com três fontes do setor.

Procurada, a BRF assegurou que o corte nos abates de peru não afetará o fornecimento de produtos. "O ajuste não interrompe a produção e o fornecimento do blanquet de peru, bem como o presunto de peru. O peito de peru, produto defumado, também não será encerrado", informou a BRF, em nota ao Valor.

Não há risco de desabastecimento do peru na ceia de Natal. Segundo a BRF, "os perus natalinos e demais subprodutos de perus serão preservados na sua integralidade, sendo produzidos em Chapecó (SC)". Apesar disso, a tendência é que os preços da ave símbolo das festas de fim de ano fiquem mais salgados para os consumidores do país devido à oferta mais "ajustada" à demanda, avaliou um executivo graduado da indústria de carne.

De certa forma, o movimento da BRF no mercado de peru tem até um lado positivo para indústrias e varejistas, ao solucionar o problema das sobras do peru de Natal, argumentou esse executivo. Por causa da renda mais apertada das famílias, o consumo de peru nesse período foi menor que o programado pelos frigoríficos nos últimos anos.

No caso dos embutidos, entretanto, a oferta fatalmente será comprometida. A medida tomada pela BRF tem repercussão na disponibilidade nacional porque há apenas uma outra empresa atuando nesse segmento. Além da BRF, que tem de 70% da produção brasileira de carne de peru, somente a Seara, que pertence à JBS, produz a ave.

No Brasil, apenas quatro frigoríficos abatem perus (ver mapa). Desses quatro, a BRF desativou a linha de abate em dois - Francisco Beltrão (PR) e Mineiros (GO). Além disso, também demitiu cerca de 350 funcionários, restringindo os abates de peru em Chapecó (SC) a apenas um turno. De acordo com estimativas de representantes de sindicatos e avicultores consultados pelo Valor, os abates de perus da BRF devem cair de cerca de 105 mil aves por dia para pouco mais de 50 mil.

No segmento de industrializados, o produto mais afetado pela desativação das linhas da BRF deve ser o presunto de peru, item apreciado sobretudo na região Nordeste. Explica-se: o peru produzido com foco no mercado europeu é abatido com cerca de 20 quilos, enquanto que o peru de Natal tem de quatro a seis quilos. Em geral, a BRF e a Seara exportam apenas o peito de peru à União Europeia. As partes restantes eram usadas na fabricação de outros produtos. A sobrecoxa, por exemplo, é a base da produção do presunto de peru.

Diferentemente de outros animais, como o frango e o suíno, a equação econômica do peru era resolvida facilmente antes da disputa com a União Europeia. "O peito do peru já pagava o resto", afirmou um executivo da indústria. Sendo assim, o presunto de peru e os outros industrializados funcionavam apenas como uma forma de aumentar a rentabilidade. Sem destinação ao peito de peru, por outro lado, a BRF não teria rentabilidade positiva. Por isso, a desativação de linhas de abate.

Além dos impactos na oferta de alguns produtos, a decisão da BRF afeta as economias regionais. De acordo com o presidente da Associação dos Avicultores Integrados do Sudoeste do Paraná (Avisud), Claudinei Colognesi, a desativação da linha de abate de perus em Francisco Beltrão prejudicará 360 famílias de granjeiros. Na cidade, a BRF podia abater diariamente 35 mil perus, disse ele. Na avaliação do presidente da entidade, poucas famílias conseguirão voltar a fornecer à BRF, mesmo que passem a criar frango.

Do lado dos trabalhadores, também há preocupação. Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Francisco Beltrão e Região (Stia), Leonete Ventura, até agora cerca de 20 funcionários do frigorífico foram demitidos. "Não sabemos ainda o número exato", afirmou. Em meio à profunda crise financeira, a BRF anunciou na semana retrasada que demitirá 5% dos empregados (4,5 mil trabalhadores) no Brasil. O negócio de peru é uma das faces mais visíveis da crise.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 14/11
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)