Sábado, 21 de Julho de 2018
Empresas

Produção de perus enfrenta desafios no Brasil e no mercado externo
São Paulo, SP, 10 de Julho de 2018 - "Não posso continuar a produzir para vender a ninguém". Assim o vice-presidente de eficiência corporativa da BRF, Jorge Luiz de Lima, ilustrou recentemente a senadores as agruras da empresa no mercado de peru. Sem acesso à União Europeia desde abril, quando foi proibida de exportar em razão da Operação Trapaça, a dona das marcas Sadia e Perdigão reagiu com um movimento drástico, cortando a sua produção de perus em cerca de 50%.

Embora tenha a intenção de atenuar o impacto do desaparecimento repentino da demanda externa - a UE compra quase 40% do que o Brasil exporta -, a medida adotada pela BRF inevitavelmente provocará abalos na oferta de embutidos à base de peru (presunto, peito de peru, blanquet) no mercado doméstico brasileiro, de acordo com três fontes do setor.

Procurada, a BRF assegurou que o corte nos abates de peru não afetará o fornecimento de produtos. "O ajuste não interrompe a produção e o fornecimento do blanquet de peru, bem como o presunto de peru. O peito de peru, produto defumado, também não será encerrado", informou a BRF, em nota ao Valor.

Não há risco de desabastecimento do peru na ceia de Natal. Segundo a BRF, "os perus natalinos e demais subprodutos de perus serão preservados na sua integralidade, sendo produzidos em Chapecó (SC)". Apesar disso, a tendência é que os preços da ave símbolo das festas de fim de ano fiquem mais salgados para os consumidores do país devido à oferta mais "ajustada" à demanda, avaliou um executivo graduado da indústria de carne.

De certa forma, o movimento da BRF no mercado de peru tem até um lado positivo para indústrias e varejistas, ao solucionar o problema das sobras do peru de Natal, argumentou esse executivo. Por causa da renda mais apertada das famílias, o consumo de peru nesse período foi menor que o programado pelos frigoríficos nos últimos anos.

No caso dos embutidos, entretanto, a oferta fatalmente será comprometida. A medida tomada pela BRF tem repercussão na disponibilidade nacional porque há apenas uma outra empresa atuando nesse segmento. Além da BRF, que tem de 70% da produção brasileira de carne de peru, somente a Seara, que pertence à JBS, produz a ave.

No Brasil, apenas quatro frigoríficos abatem perus (ver mapa). Desses quatro, a BRF desativou a linha de abate em dois - Francisco Beltrão (PR) e Mineiros (GO). Além disso, também demitiu cerca de 350 funcionários, restringindo os abates de peru em Chapecó (SC) a apenas um turno. De acordo com estimativas de representantes de sindicatos e avicultores consultados pelo Valor, os abates de perus da BRF devem cair de cerca de 105 mil aves por dia para pouco mais de 50 mil.

No segmento de industrializados, o produto mais afetado pela desativação das linhas da BRF deve ser o presunto de peru, item apreciado sobretudo na região Nordeste. Explica-se: o peru produzido com foco no mercado europeu é abatido com cerca de 20 quilos, enquanto que o peru de Natal tem de quatro a seis quilos. Em geral, a BRF e a Seara exportam apenas o peito de peru à União Europeia. As partes restantes eram usadas na fabricação de outros produtos. A sobrecoxa, por exemplo, é a base da produção do presunto de peru.

Diferentemente de outros animais, como o frango e o suíno, a equação econômica do peru era resolvida facilmente antes da disputa com a União Europeia. "O peito do peru já pagava o resto", afirmou um executivo da indústria. Sendo assim, o presunto de peru e os outros industrializados funcionavam apenas como uma forma de aumentar a rentabilidade. Sem destinação ao peito de peru, por outro lado, a BRF não teria rentabilidade positiva. Por isso, a desativação de linhas de abate.

Além dos impactos na oferta de alguns produtos, a decisão da BRF afeta as economias regionais. De acordo com o presidente da Associação dos Avicultores Integrados do Sudoeste do Paraná (Avisud), Claudinei Colognesi, a desativação da linha de abate de perus em Francisco Beltrão prejudicará 360 famílias de granjeiros. Na cidade, a BRF podia abater diariamente 35 mil perus, disse ele. Na avaliação do presidente da entidade, poucas famílias conseguirão voltar a fornecer à BRF, mesmo que passem a criar frango.

Do lado dos trabalhadores, também há preocupação. Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Francisco Beltrão e Região (Stia), Leonete Ventura, até agora cerca de 20 funcionários do frigorífico foram demitidos. "Não sabemos ainda o número exato", afirmou. Em meio à profunda crise financeira, a BRF anunciou na semana retrasada que demitirá 5% dos empregados (4,5 mil trabalhadores) no Brasil. O negócio de peru é uma das faces mais visíveis da crise.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 21/07
Sexta-Feira, 20/07
Cobb-Vantress promoverá amanhã a quarta edição da Queima do Frango (13:46)
Turra debate proteína animal e expansão agrícola durante o GAF 18 (10:54)
Biosseguridade na Avicultura entra na Programação do Canal Rural (10:52)
Granja Pinheiros bate recorde de produção em matrizes com o Ross 308 AP (AP95) no Brasil (09:49)
Embrapa lança cartilha de boas práticas de produção de postura comercial (08:50)
Inscrições abertas para o 2º Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba (08:29)
Plano de Parente para BRF anima investidor (08:21)
Suíno segue se desvalorizando e Boi busca recuperação: acompanhe as análises de mercado do CEPEA (08:15)
CNA levanta custos de produção de grãos no PR (08:12)
Milho: mercado sobe pelo 3º dia consecutivo em Chicago (08:09)
Soja tem mais um pregão estável na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira com traders cautelosos (08:00)
Quinta-Feira, 19/07
Instituto Ovos Brasil participa da Festa do Ovo de Bastos (09:33)
Biovet Vaxxinova anuncia nova Diretora de P&D e Assuntos Regulatórios (09:15)
FAO mostra um Brasil de importador a exportador de alimentos em duas décadas (09:00)
ABPA pede retirada de barreiras na exportação de carne de ave e de frango (08:30)
Cobb-Vantress é eleita a melhor empresa para trabalhar na região de São José do Rio Preto (08:14)
Milho: mercado inicia pregão desta 5ª feira próximo da estabilidade na CBOT (08:02)
Soja testa ligeiras baixas em Chicago nesta 5ª feira com mercado ainda bastante técnico (08:00)
Quarta-Feira, 18/07
Vetanco se faz presente em mais uma Festa do Ovo de Bastos (14:18)
Novo sistema da Secex gera dúvidas sobre dados de exportação de carne (08:30)
Alta do dólar impulsiona margem dos frigoríficos de carne bovina (08:20)
Valor Bruto da Produção Agropecuária está estimado em R$ 562,4 bilhões (08:10)
Milho: mercado testa tímidos ganhos na manhã desta 4ª feira em Chicago (08:06)
Soja tem estabilidade em Chicago nesta 4ª feira e busca manter movimento de recuperação (08:00)
Terça-Feira, 17/07
Frango fica menor e mais caro um mês e meio depois do fim da greve dos caminhoneiros (09:33)
Exportação de material genético avícola cresce 33% no semestre (09:31)
Inscrições pela internet para o Encontro Técnico Avícola terminam nesta terça-feira (09:00)
Aviagen investe estrategicamente em seu programa de melhoramento genético no Reino Unido (08:50)
Itaú BBA, Bradesco BBI e Morgan Stanley irão assessorar BRF em vendas (08:33)
5ª FAVESU já tem data e local confirmados (08:19)
Curso sobre incubação de ovos começa nesta quarta-feira 18/07, em Cascavel (PR) (08:14)
Com guerra comercial, cotação da carne suína desce a ladeira nos EUA (08:11)
Exportações de carne suína totalizam 278,3 mil toneladas no 1° semestre (08:10)
Milho: mercado tem dia correção técnica e fecha pregão desta 2ª com ligeiras valorizações em Chicago (08:06)
Soja sobe pelo 2º dia consecutivo em Chicago nesta 3ª feira com suporte nas condições das lavouras dos EUA (08:00)
USDA reduz índice de lavouras de soja e milho em boas ou excelentes condições (07:48)