Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
Empresas

Cobb-Vantress promove campanha para desmistificar informações envolvendo a produção de frango

Série de vídeos aborda a qualidade da avicultura brasileira
Guapiaçu, SP, 06 de Julho de 2018 - Sete em cada dez frangos consumidos no Brasil possuem a genética da Cobb-Vantress, líder mundial no fornecimento de aves de produção para frangos de corte e em especialização técnica no setor avícola. Pensando nisso, a companhia lançou uma campanha para abordar os mitos e verdades envolvendo a produção da carne de frango no País. O primeiro material, distribuído em formato de vídeo para clientes, parceiros e público em geral, trata do mito da utilização de hormônio no crescimento da ave.

“Essa é uma das principais preocupações dos consumidores. Eles querem saber a procedência da carne que estão comprando e se ela é de qualidade. Neste sentido, acreditamos que é de extrema importância informá-los sobre o processo de criação da ave e que não há nenhum tipo de hormônio aplicado nela”, disse o gerente de Marketing da Cobb, Cassiano Bevilaqua.

De acordo com o executivo, os frangos produzidos no Brasil apresentam resultados de qualidade sem a interferência de substâncias artificiais, porque recebem alimentação balanceada e são produzidos dentro das mais rígidas normas de biosseguridade. Além disso, em aves com o selo da Cobb, o fator principal é o crivo da seleção genética, um processo de aprimoramento e melhoramento genético feito pela companhia, há mais de 100 anos, com a seleção constante das melhores aves. Isso significa que a Cobb separa as aves com melhores resultados nos principais aspectos relacionados à produção e consumo. Ou seja, apenas as aves com maior quantidade de carnes nobres, menos disposição à enfermidades, maior fertilidade, menor geração de dejetos, entre outras características, são selecionadas para originar outras aves, garantindo a transmissão destas características.

“Nosso processo de Produção é voltado ao desenvolvimento de um animal que produz mais, consumindo menos. Ao longo do anos, a genética tem sido capaz de gerar uma ave que apresenta maior quantidade de carne com qualidade e redução de custos ao produtor, uma vez que as casas genéticas trabalham constantemente para produzir aves mais eficientes”, explica Bevilaqua.

Além da atuação da genética, que não exige o uso de hormônios no crescimento da ave, uma Instrução Normativa publicada, em 2004, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) proíbe o uso de substâncias que tenham como finalidade o crescimento e a eficiência alimentar das aves. A prática é fiscalizada pelo órgão, em parceria com as secretarias de Apoio Rural e Defesa Animal.

Um último ponto, destacado por Bevilaqua, diz respeito à impossibilidade de aplicação de um possível hormônio por via injetável, devido a grande quantidade de frangos que compõem um plantel. “Além disso, é importante observar que um hormônio necessitaria de cerca de mais de 60 dias para proporcionar qualquer tipo de melhoria, enquanto a maioria das aves no Brasil são abatidas com idade entre 42 e 50 dias. Ou seja, mesmo que uma substância como essa existisse, não haveria tempo hábil para geração de resultados na ave antes do consumo”, finaliza o gerente.

(Cobb-Vantress) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 14/11
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)