Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
Análise

Seguro rural, ainda para poucos, busca evolução no país

Área assegurada soma 10% do plantio, mas demanda reprimida é o dobro;
São Paulo, SP, 06 de Julho de 2018 - O seguro rural, um dos componentes importantes de gestão e de administração de risco dos produtores, ainda não consegue evoluir no campo.

O Brasil, ao contrário do que ocorre em vários outros concorrentes do país no setor agrícola, tem um sistema ainda incipiente. Apenas 10% da área agrícola do país está assegurada, abrangendo 70 mil produtores.

O produtor começa a ter noção que o seguro é um instrumento importante na sua atividade, mas ainda há muita imprevisibilidade sobre o alcance desse instrumento.

Pedro Loyola, vice-presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), diz que desde 2010 o governo anuncia um valor de subvenção que acaba não se concretizando.

Ele cita o exemplo deste ano. Foram prometidos R$ 550 milhões para o programa de subvenção federal, mas o valor disponível é de apenas R$ 380 milhões.

A falta de uma previsibilidade causa incertezas em todo o mercado. O programa deveria ter, e cumprir, metas para pelo menos cinco anos, segundo ele.

A previsibilidade é importante também para as seguradoras, que poderiam criar produtos específicos e com custos menores em diversas áreas de produção. Atualmente, estão muito bem desenvolvidos os programas para grãos, mas são praticamente inexistentes os destinados à pecuária, segundo Loyola.

O seguro rural pode ser inclusive um forte instrumento de política agrícola. Desde que foi criado o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural, em 2006, as seguradoras pagaram pelo menos R$ 3 bilhões em indenizações no seguro rural.

Esse valor significou um volume menor de renegociações de dívidas pelo governo. Para Loyola, a demanda reprimida para o seguro rural é grande e pode chegar a R$ 1,2 bilhão.

Quanto mais a participação do seguro rural avançar no setor, maior estabilidade financeira terá o produtor. E isso é importante porque a maioria dos municípios brasileiros depende do agronegócio. O produtor, quando tem renda, movimenta a economia regional, afirma.

A vida das seguradoras ligadas ao setor rural, contudo, não é fácil. A Sancor Seguros, com 72 anos de tradição na Argentina, ainda caminha para um equilíbrio financeiro. Após cinco anos, e investimentos de R$ 250 milhões no Brasil, deverá atingir o ponto de equilíbrio no próximo ano.

Leandro Poretti, diretor-geral da Sancor, acredita no mercado brasileiro. Para ele, o Brasil está mudando e já supera a Argentina na qualidade de alguns produtos. Enquanto os argentinos têm coberturas voltadas para granizo e geadas, o potencial brasileiro se abra para um leque maior.

A empresa, que deverá ter um faturamento de R$ 420 milhões em 2018, investe anualmente 5% do faturamento em tecnologia.

A Sancor pretende avançar sobre o mercado de seguro rural com a oferta de uma variedade de opções, tanto de tipos de coberturas como de diversificação dos produtos que poderão ser assegurados.

Monitoramento em campo, satélites, tecnologias diversas, estatísticas e regionalização do seguro poderão trazer mais benefícios para o produtor em termos de custos.

Diferentes tipos de seguro e a ampliação do mercado favorecem a atuação das seguradoras. “Uma região compensa a outra, e os preços caem para os produtores”, diz Poretti.

O seguro para grãos e máquinas é o mais evoluído, mas a empresa desenvolve também programas para frutas, café, pecuária e florestas.

As opções para o produtor, dependendo do produto e da região, vão de seguro com base na qualidade, na produtividade, paramétrico (que estabelece parâmetros de cobertura) e efeitos catastróficos.

Mudando de direção - A Rússia, tradicional importadora de carne suína, deverá entrar no mercado exportador em poucos anos, segundo previsões do Rabobank, banco especializado em agronegócio.
(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 14/11
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)