Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
Empresas

Conselho indica Parente como CEO da BRF
São Paulo, SP, 14 de Junho de 2018 - Quase duas semanas depois de renunciar à presidência da Petrobras, Pedro Parente deve ser indicado hoje para o cargo de CEO da BRF pelo conselho de administração da empresa, apurou o Valor. A nomeação efetiva pode levar mais alguns dias, visto que o executivo precisa do aval da Comissão de Ética da Presidência da República. Como BRF e Petrobras não concorrem, acredita-se que o aval será só um protocolo.

A notícia, antecipada ontem pelo Valor PRO - serviço de informações em tempo real do Valor -, aliviou a pressão sobre as ações. Os investidores estão receosos com o futuro da companhia. O sentimento ficou ainda mais agudo depois das declarações catastróficas dadas terça-feira pelo vice-presidente de eficiência corporativa da BRF, Jorge Luiz de Lima, em audiência no Senado. Na ocasião, Lima disse que os constantes ataques internacionais sofridos pela BRF impedem a "estabilização emocional" necessária para a empresa fazer os estudos de revisão do parque fabril.

Analistas de grandes bancos também estão revendo as projeções sobre a BRF para refletir as dificuldades enfrentadas com os embargos internacionais e os preços dos grãos. Na segunda-feira, o Credit Suisse cortou o preço-alvo para os papéis da companhia de R$ 28,00 para R$ 18,00.

Durante quase todo o pregão de ontem, a ação da BRF liderou as perdas do Ibovespa e chegou a recuar 7,08%, a R$ 19,41. No fechamento, porém, a ação amenizou o queda, após o Valor PRO informar que Parente será nomeado. No ajuste final, as ações da empresa caíram 3,3%, a R$ 20,20.

A indicação de Parente, que desde 26 de abril também preside o conselho de administração da BRF, encerra um dos muitos focos de incerteza que rondam a companhia. Com um CEO efetivo, a BRF poderá iniciar o processo de recomposição do alto escalão, que tem muitas posições vagas ou ocupadas de forma interina.

Mas o anúncio está longe de sanar os problemas da empresa, que enfrenta em uma espiral negativa - o índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda), pode superar 5 vezes, o maior entre os frigoríficos.

Apesar disso, fontes ligadas a acionistas da empresa insistem que a BRF pode lidar com pressão financeira sem fazer movimentos extraordinários - ao menos no curto prazo - como emissão de ações ou a venda de ativos operacionais. O mesmo vale para a eventual combinação da BRF com a Minerva Foods. Como qualquer movimento societário com a ação depreciada leva a uma forte diluição dos atuais sócios, há resistência para saídas desse tipo.

A direção do negócio, seja qual for, será estabelecida a partir do diagnóstico de Parente, disse uma fonte. Enquanto isso não ocorre, a BRF atua na venda de ativos não operacionais, como florestas e as ações que detém da Minerva. "É uma decisão da tesouraria e não relação com a urgência de caixa", disse uma fonte, tentando afastar especulações nesse sentido. Ontem, as ações da Minerva caíram 5,5%, o que já seria reflexo do movimento feito pela BRF, que tem 11,6% da companhia. A BRF não comentou.

No mercado, porém, a avaliação é que a situação da BRF forçará os acionistas a decisões de maior envergadura. Com a piora do cenário, cresce a aposta de que a solução passa por um novo sócio, seja majoritário ou minoritário, que poderia injetar recursos e mudar a percepção de risco sobre a BRF.

Antes de assumir efetivamente, Pedro Parente precisará do aval da Comissão de Ética da Presidência

Pelos cálculos de analistas, a BRF precisa gerar um Ebitda anual de R$ 3,5 bilhões apenas para lidar com os custos de suas dívidas e investimentos mínimos de manutenção da operação. Abaixo disso, a velocidade com que a companhia queima as suas reservas se acelera substancialmente.

O problema é que, para os analistas, esse montante não será obtido. Depois do turbilhão de notícias negativas sobre a BRF - a mais recente foi a tarifa antidumping da China contra o frango brasileiro - está se formando entre analistas do mercado um consenso de que o número para 2018 ficará substancialmente abaixo de R$ 3 bilhões. Alguns já estimam um Ebitda de R$ 2,5 bilhões.

A questão que preocupa investidores é que, com a fraca geração de caixa, a BRF terá dificuldade para romper a trajetória ascendente do endividamento. No primeiro trimestre, mesmo com R$ 215 milhões de fluxo de caixa operacional positivo, a empresa queimou R$ 238 milhões de seus fundos.

A BRF fechou março com uma dívida bruta de R$ 21,3 bilhões, para R$ 7,3 bilhões em caixa. Além dos compromissos serem elevados, há muitos vencimentos no curto prazo: R$ 6,8 bilhões até março de 2019.

Diante das perspectivas de Ebitda menor, o valor da empresa na bolsa não para de cair (ver acima). "A ação cai e não fica barata", simplificou um analista, ao explicar o efeito prático para o investidor da redução das perspectivas de resultado para o negócio. No momento, o valor de empresa (dívida líquida mais valor de mercado) da BRF equivale a mais de 10 vezes o Ebitda. Para os analistas do Credit Suisse, esse múltiplo ficará em 8,6 vezes em 2019, o que é mais condizente com empresas internacionais do mesmo setor, como a Tyson Foods. Se o Ebitda não se recuperar, o preço da ação da BRF terá de cair mais para atingir o múltiplo.

(Valor) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 13/11
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)
Quarta-Feira, 07/11
Tereza Cristina é anunciada como ministra da Agricultura de Bolsonaro (19:28)
JBS vai vender carne na China pela internet (08:32)
Acionistas da BRF aprovam extensão do mandato de Pedro Parente (07:46)
Presidente da ABPA é palestrante do II Congresso Internacional de Direito Agrário e do Agronegócio (07:30)
Carne bovina tem alta e pode colaborar com retomada de preço no mercado do boi (07:18)
Importações chinesas de soja vão cair 10%, diz USDA (07:10)
Soja fecha estável em Chicago e mantém mercado lento também no Brasil nesta 3ª feira (07:00)