Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
Matérias-Primas

Soja: Com China no radar, mercado tem forte queda nesta 4ª na CBOT e toca menor nível em nove meses
Campinas, SP, 14 de Junho de 2018 - Após esboçar uma tímida reação no pregão anterior, as cotações da soja negociadas na Bolsa de Chicago (CBOT) finalizaram a quarta-feira (13) com perdas expressivas. Os futuros da commodity encerraram o dia com quedas entre 15,75 e 18 pontos, uma desvalorização de mais de 1%.

O julho/18 era cotado a US$ 9,36 por bushel, enquanto o agosto/18 trabalhava a US$ 9,41 por bushel. O novembro/18 encerrou o dia a US$ 9,58 por bushel. As cotações da oleaginosa atingiram o menor patamar em nove meses, conforme dados da Reuters internacional.

Ainda de acordo com a agência, as cotações da soja recuaram em meio às preocupações recentes as tensões comerciais entre Estados Unidos e China. "As tensões podem em breve estar subindo mais com a China", disse Arlan Suderman, principal economista de commodities da INTL FCStone.

"O governo Trump indicou algumas semanas atrás que estava se preparando para implementar tarifas de até US $ 50 bilhões em bens e serviços vindos da China em 15 de junho", completa o analista.

No quadro fundamental, os traders permanecem atentos à safra americana. E, até o momento, as previsões climáticas tem indicado chuvas para o Meio-Oeste nos próximos dias. Fator que, segundo a Reuters, tem elevado a perspectiva para a produção de soja nesta temporada e aumentado a pressão sobre os preços.

Até o início da semana, em torno de 74% das plantações da soja apresentavam boas ou excelentes condições, conforme dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). Já a safra americana foi mantida em 116,48 milhões de toneladas de soja na temporada 2018/19.

O departamento ainda reportou a venda de 177 mil toneladas de soja para destinos desconhecidos. Do total, 5 mil toneladas deverão ser entregues ao longo da campanha 2017/18. O restante, de 172 mil toneladas, deverão ser entregues no ciclo 2018/19.

Mercado interno

Segundo levantamento do economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, nesta quarta-feira, as cotações apresentaram ligeiras movimentações. Em Cascavel (PR), a saca caiu 1,39% e terminou o dia a R$ 71,00. Ainda no estado, nas praças de Ubiratã e Londrina, o recuo ficou em 0,69%, com a saca da soja a R$ 72,00.

Na região de Rio do Sul (SC), a saca recuou 1,33% e encerrou o dia a R$ 74,00. No Porto de Paranaguá, a soja disponível apresentou queda de 1,22% e encerrou o dia a R$ 81,00. O valor futuro registrou perda de 1,20%, com a saca a R$ 82,50.

No terminal de Rio Grande, o valor disponível caiu 1,20%, com a saca a R$ 82,00 e o preço futuro também recuou 1,20%, com a saca a R$ 82,50.

É consenso entre os especialistas que o mercado brasileiro permanece travado em meio às incertezas ocasionadas pelo tabelamento do frete. Cenário que, inclusive, já afetou as exportações brasileiras. No caso da soja, o país deixou de embarcar mais de 1 milhão de toneladas em junho, segundo dados do consultor de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze.

Na visão do consultor, os produtores brasileiros ainda precisam comercializar 15% da soja da safra 2017/18. "No caso da safra nova, os negócios estavam andando bem antes da greve, mas agora os negócios também estão parados, uma vez que não há base para calcular o frete futuro", pondera. Em torno de 12% a 15% da safra 2018/19 de soja já foi negociada antecipadamente.
(Notícias Agrícolas) (Fernanda Custódio)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 11/12
Segunda-Feira, 10/12
Sexta-Feira, 07/12
Cresce mobilização de caminhoneiros por nova paralisação (16:15)
Conferência FACTA WPSA-Brasil 2019 já tem data e temas definidos (12:52)
Qualidade de água é tema de palestra da Vetanco (09:50)
Cobb-Vantress premia melhores lotes da região Nordeste (09:07)
NUCLEOVET apresenta planejamento 2019 em evento em SP (09:03)
FRANGO/CEPEA: exportações recuam, mas valores da carne sobem em novembro (08:14)
Início de dezembro apresenta maior firmeza nas cotações do boi gordo (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas (08:00)
A pedido da CNA, STF suspende multas pelo descumprimento da tabela do frete (07:37)
Paraná desburocratiza processo de licenciamento ambiental (07:30)
Depois do frango, Marrocos libera importação de carne bovina dos EUA (06:28)
Quinta-Feira, 06/12
Avicultura gaúcha sofre após desabilitação de unidades de abate (23:34)
“Conexão Aviagen” promove o crescimento e o sucesso do Ross 308 AP (08:50)
SUÍNOS/CEPEA: em novembro, média do vivo é a maior em 2018 em muitas regiões (08:28)
BOI/CEPEA: diferentes necessidades seguem resultando em oscilação do indicador (08:20)
Efeito da trégua entre EUA e China já é menor sobre commodities agrícolas (08:15)
Boi Gordo: preço sobe em São Paulo (08:10)
Milho: Bolsa de Chicago fecha quarta-feira com preços do milho estáveis (08:05)
Soja: Chicago estável e prêmios em queda levam disponível em Paranaguá aos R$ 79 nesta 4ª feira (08:00)
PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 2% em 2019, prevê CNA (07:23)
SC aumenta exportação de frango em 14% e a de suínos em 33,6% (07:21)
Licenciamento ambiental em São Paulo para a avicultura (07:19)
Quarta-Feira, 05/12
JBS contrata Guilherme Cavalcanti como CFO (10:34)
El Niño fraco deve 'poupar' safra 2018/19 (10:26)
Vetanco promove palestra técnica junto a Cooperativa Lar (10:19)
Mês difícil para agroindústria ajudou a frear resultado de outubro (08:31)
JBS terá primeiro CEO que não é da família Batista (08:15)
Itamaraty deve reforçar foco agrícola (08:11)
Cenário positivo para o mercado do boi gordo (08:08)
Milho: Bolsa de Chicago fecha terça-feira com alta nos preços do milho (08:06)
Sem nenhum movimento que indique volta às compras dos chineses, soja em Chicago aguarda divulgação de regras definidas em trégua (08:00)
Lar Cooperativa recebe quatro troféus de Inovação (07:42)
Ponta Porã: Programa de incubadoras avança na Nova Itamarati (07:40)
JBS troca comando da empresa (07:39)