Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019
Empresas

Minerva estuda capitalização de US$ 3 bi para tentar união com BRF
São Paulo, SP, 06 de Junho de 2018 - A Minerva Foods, empresa de carne bovina controlada em sociedade pela família Vilela de Queiroz (28,2%) e a árabe Salic (21,4%), estuda um aumento privado de capital de pelo menos US$ 3 bilhões, apurou o Valor.

O objetivo é a companhia ganhar liquidez e porte para buscar uma combinação de negócios com a BRF, que possui uma base de acionistas pulverizada na B3. A informação sobre a possível combinação da Minerva com a BRF foi antecipada pelo BrazilJournal.

As companhias já possuem um cruzamento de bases acionárias. A BRF é dona de 11,6% da Minerva. A BRF é acionista da Minerva Foods desde outubro de 2014, quando vendeu as operações de carne bovina que possuia em Mato Grosso para a empresa do interior paulista. Somadas, as duas empresas teriam um faturamento superior a R$ 40 bilhões.

A despeito dos planos, a Minerva ainda não finalizou a estruturação do negócio, segundo fontes envolvidas na operação. Até o momento, nenhuma proposta foi formalizada à BRF. De acordo com essas fontes, já houve conversas preliminares para sondagem da receptividade à transação com os dois maiores acionistas da dona das marcas Sadia e Perdigão, as fundações Previ e Petros. Juntos, os fundos de pensão têm pouco mais de 22% do capital.

Se prosperar, a capitalização da Minerva seria feita com aporte de capital, em partes aproximadas, da holding VDQ, da família Vilela de Queiroz, da Salic, e com a entrada da empresa de participações em agronegócios Continental Grain, por meio da gestora Arlon. O controle da Minerva continuaria nas mãos de VDQ e Salic, fundo que pertence ao Reino da Arábia Saudita.

O objetivo é que a Minerva se torne a acionista de referência da BRF, com uma participação estimada de 30%, muito superior à qualquer atual sócio da empresa de alimentos processados. Para sauditas, o investimento na BRF é estratégico. A companhia é a maior exportadora de carne de frango para a Arábia Saudita e é dona da OneFoods, uma das maiores empresas de alimentos halal (que segue os preceitos islâmicos) do mundo.

A combinação de companhias é uma operação que não dispara a pílula de veneno da BRF, cujo gatilho é uma participação de 33%.

(Valor) (Graziella Valenti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 22/01
Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil que podem exportar ao país (16:26)
Arábia Saudita barra carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros (13:18)
2019: Sindirações abre o calendário de cursos (08:27)
Movimento Frete sem Tabela critica reajustes divulgados pela ANTT (08:08)
Futuro de fiscais da Carne Fraca segue incerto (08:04)
Auster retoma plano para avançar no país (07:50)
Ovos produzidos em Pernambuco ganharão código na casca para garantir qualidade (07:47)
China aceita oferta de exportador de frango do Brasil para encerrar caso antidumping (07:46)
Mercado do boi apresenta baixa movimentação (07:40)
Milho: mercado interno registra estabilidade (07:35)
Soja: poucas variações nos preços com falta da referência de Chicago (07:30)
Segunda-Feira, 21/01
Dia de Campo da Copagril evidencia a força do cooperativismo (09:42)
China diz ter controlado surto de peste suína africana (08:47)
EUA e China negociam reabertura do mercado de frango (08:26)
China poderá reabrir seu mercado à carne de frango americana (08:26)
Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 bilhões (08:11)
Custos de produção de frangos de corte subiram 14,21% em 2018 (08:07)
Guia Eletrônico de Nutrição Rhodimet®agora também está disponível para uso em smartphones (08:04)
MILHO/CEPEA: colheita da safra de verão se inicia no Brasil (08:02)
SOJA/CEPEA: preços internos, FOB e prêmios recuam com menor demanda internacional (08:01)
Milho: semana se encerrou com preços em alta na Bolsa de Chicago (08:00)
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)