Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
Exportação

Fim do embargo russo a carnes está próximo
São Paulo, SP, 22 de Maio de 2018 - Após praticamente um semestre, o embargo da Rússia às carnes bovina e suína brasileiras pode ser levantado neste mês. A sinalização positiva de Moscou foi repassada pelo Ministério da Agricultura do Brasil aos exportadores.

Segundo o vice-presidente de mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, as dúvidas técnicas que restavam foram dirimidas na última reunião entre representantes do serviço sanitário russo (Rosselkhoznadzor) e do Ministério da Agricultura. Realizado em Bruxelas no dia 24 de abril, o encontro teve a participação do diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do ministério, José Luis Vargas. "Entregamos tudo e estamos esperando a reabertura. Não estamos devendo nada", confirmou Vargas ao Valor.

Sem problemas técnicos, a última pendência seria de ordem política. Entre os exportadores, aguardava-se com ansiedade a posse de Vladimir Putin para seu novo mandato (o que ocorreu em 7 de maio) e a definição do novo ministro da Agricultura da Rússia. Na sexta-feira, Dmitry Patrushev assumiu o ministério. Com isso, os exportadores de carnes do Brasil se animaram com as chances de que reabertura russa seja anunciada em breve.

Em Paris, onde o ministro Blairo Maggi participa da assembleia da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), houve até quem se animasse com a possibilidade de Blairo aproveitar a brecha que terá na agenda no dia 23 para se reunir com o ministro russo a fim de sacramentar a reabertura. Até a noite de ontem, porém, o encontro não estava confirmado.

A retomada das vendas à Rússia é particularmente importante para a indústria de carne suína. Até novembro, quando Moscou anunciou o embargo alegando ter detectado resíduos do promotor de crescimento ractopamina em lotes de carnes do Brasil, a Rússia era o principal destino dos embarques de carne suína do país. Os russos respondiam por 40% do volume exportado e 50% das receitas.

Com o embargo, os principais frigoríficos de carne suína (BRF, Seara/ JBS e Aurora) amargaram sobras de produtos. De janeiro a abril, as exportações totais de carne suína do Brasil caíram 14%, para 194,7 mil toneladas. Em faturamento, a redução foi de 22%, a US$ 411,7 milhões, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura.

No caso da carne bovina brasileira, a Rússia também é relevante, mas a dependência é menor. O mercado russo representava cerca de 10% das exportações dos frigoríficos brasileiros até o embargo. Além disso, como a demanda da Ásia - sobretudo da China - vem se mostrando aquecida, as exportações registraram forte alta mesmo sem a Rússia. No primeiro quadrimestre, o Brasil exportou 504,4 mil toneladas de carne bovina, incremento de 21% na comparação anual. Em receita, o aumento chegou a 20%, para US$ 1,943 bilhão.

Uma das três maiores exportadoras de carne bovina do Brasil, a Minerva Foods também trabalha com a expectativa de que Moscou anuncie a reabertura do mercado russo "muito em breve. No entanto, a empresa admitiu que a decisão russa não será totalmente positiva.

Em teleconferência com analistas na semana passada, o presidente da Minerva, Fernando Galletti de Queiroz, afirmou que a Rússia deve promover uma reabertura "limitada". Na prática, o número de frigoríficos autorizados a vender aos russos será menor do que o observado até novembro. Nesse cenário, as restrições à carne suína podem ser maiores do que para a carne bovina do Brasil, segundo uma fonte. A questão é que a Rússia busca há anos se tornar autossuficiente na produção de carne suína.

(Valor) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 15/08
Soja limita retração do valor da produção agropecuária do país (11:38)
Impacto da alta do dólar levou JBS a prejuízo de quase R$ 1 bi no 2º tri (08:25)
Miniboom de commodities está acabando, diz estudo (08:23)
Valor da Produção Agropecuária é de R$ 563,5 bilhões (08:17)
Milho: safra dos EUA dá suporte e mercado fecha a terça-feira com valorização de mais de 1% em Chicago (08:10)
Dificuldades financeiras da Argentina auxiliam soja em Chicago (08:01)
Soja devolve parte dos últimos ganhos em Chicago e opera com leve baixa nesta 4ª feira (08:00)
Terça-Feira, 14/08
Crédito rural: necessário manter e inovar (09:38)
Frango deve ficar mais caro para consumidores de MT nesta semana (09:26)
MILHO/CEPEA: estimativas de menor oferta mantêm vendedor recuado e preço segue em alta (07:57)
SOJA/CEPEA: dólar, exportação à China e menor estoque impulsionam cotações no Brasil (07:56)
Decisão sobre o glifosato alerta sojicultor no Brasil (07:51)
Milho: com clima favorável nos EUA, mercado recua nesta 2ª na CBOT e consolida 3ª desvalorização consecutiva (07:48)
Soja trabalha com estabilidade nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago ainda se ajustando (07:47)
Segunda-Feira, 13/08
Luciano Roppa assume Presidência do Conselho da Yes (14:48)
Horácio Rostagno enfoca tabelas brasileiras no LPN Congress 2018 (09:10)
Horácio Rostagno enfoca tabelas brasileiras no LPN Congress 2018 (09:05)
Dívida cresce, mas acordo com bancos anima BRF (08:26)
Soja avança no campo paulista (08:23)
Milho: em Chicago, mercado ainda reflete números do USDA e inicia semana com desvalorização de mais 1% (08:14)
Soja dá continuidade às baixas em Chicago nesta 2ª ainda refletindo USDA e clima nos EUA (08:13)
Sexta-Feira, 10/08
Aplicativo Cobb Connection traz informações sobre produtos, manejo e melhor resultado em campo (14:29)
Quinto encontro do Qualificaves será durante a 7ª STA (14:11)
BRF tem prejuízo de R$ 1,57 bilhão no segundo trimestre (11:48)
FACTA comemora 29 anos e já planeja próxima Conferência (11:20)
FRANGO/CEPEA: preços recuam e competitividade da carne de frango aumenta (10:27)
OVOS/CEPEA: após cinco meses em queda, exportações reagem em julho (10:26)
Setor avícola terá oportunidade para discutir impacto das salmonelas em Campinas (SP) (09:30)
SUÍNOS/CEPEA: maior demanda aumenta liquidez e preços sobem (08:08)
BOI/CEPEA: menor oferta sustenta valor da arroba do boi gordo (08:07)
Frete pode tirar US$ 1,75 bi das exportações de milho (08:05)
Agro registra recorde de US$ 59,2 bi em vendas externas desde janeiro (08:04)
Apesar da quebra de safra, estoque de milho será de 10 milhões de toneladas (08:03)
Milho: com alta do dólar, preço sobe 2,47% e bate R$ 41,50/sc nesta 5ª feira no Porto de Paranaguá (08:01)
Soja fecha em queda nesta 5ª à espera de números maiores do USDA para safra dos EUA (08:00)
Quinta-Feira, 09/08
Produtores de alimentos e consumidores perdem com tabela de frete, afirma a ABPA (14:35)
Agroindústrias terão plano de contingência para emergência (14:26)
CNA reitera no STF pedido de suspensão do tabelamento do frete (13:43)
Temer sanciona lei que institui tabela de fretes no país (11:44)
Ovos chegam a 857,6 milhões, recorde para um 2º trimestre (09:46)
IBGE: no 2º trimestre abate de frangos cai em todas as comparações (09:45)
Rússia expõe fragilidade da suinocultura (08:07)
EUA exportam 220% mais soja para Europa em junho (07:48)
Produtores contratam quase R$ 12 bi no primeiro mês do plano agrícola (07:45)
Milho: mercado foca clima no Meio-Oeste e encerra pregão desta 4ª feira com ligeiras valorizações em Chicago (07:43)
Soja tem leve realização de lucros nesta 5ª feira em Chicago após duas altas consecutivas (07:42)
Importação chinesa de soja tem forte retração (07:40)