Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019
Exportação

OMC vê desaceleração no comércio, que já atinge os emergentes
Genebra, Suíça, 18 de Maio de 2018 - A Organização Mundial do Comércio (OMC) prevê menor crescimento do comércio internacional de mercadorias, em volume, nos próximos meses. E pesquisas com setores industriais já apontam os primeiros sinais de desaceleração nas exportações de economias emergentes, que passam atualmente por outras turbulências.

O mais recente Indicador de Perspectivas do Comércio Mundial (WTOI) da OMC, que dá informações em tempo real sobre a trajetória das trocas globais, mostrou que o crescimento das exportações e importações seguem fortes, mas o ritmo pode cair no segundo trimestre.

O WTOI caiu para 101,8, de 102,3 em fevereiro - números acima de 100 indicam crescimento acima da tendência no médio prazo. Essa queda ocorre sobretudo pela baixa nos índices de encomendas de exportações (ficou em 98,1) e de frete aéreo internacional de cargas (caiu para 102,5). O movimento de contêineres nos portos permaneceu acima da tendência (com 105,8), mas estagnou.

Por sua vez, a produção e venda global de automóveis (97,8) e de commodities agrícolas (95,9) continuam abaixo da tendência recente. Já o comércio de componentes eletrônicos cresceu (104,2).

Conforme a OMC, esses resultados estão em linha com sua estimativa de expansão moderada do comércio global, de 4,7% em 2017 para 4,4% em 2018 e 4% em 2019. Mas o diretor-geral, Roberto Azevêdo, alertou recentemente que essas previsões correm risco com a escalada de tensões comerciais, no rastro de medidas unilaterais tomadas pelo presidente dos EUA, Donald Trump. Ontem, foi a vez de o Japão ameaçar retaliar os EUA por causa de sobretaxa aplicada nas exportações japonesas de aço.

Para os emergentes, o cenário se complica. O "Monitor de Comércio e Economias Emergentes", da Capital Economics, em Londres, mostra que o avanço das exportações desse grupo de países já começou a atenuar e continuará enfraquecendo nos próximos meses.

A consultoria se baseia em duas grandes pesquisas junto aos setores industriais, o Markit PMI (índice de gerente de compras) e o Ifo World Economic Survey. O componente "novas encomendas de exportações" para emergentes caiu para o nível mais baixo em 16 meses, sobretudo por causa de fraqueza da Ásia. As duas pesquisas juntas apontam menor crescimento das exportações em volume de 6% (em base anual) no primeiro trimestre para 1% no terceiro trimestre - ou seja, queda importante na segunda metade do ano.

A consultoria ressalva que durante a crise da dívida na zona do euro os industriais superestimaram risco de contágio e chegaram a prever uma desaceleração bem maior do que realmente ocorreu nas exportações.

O cenário atual, apesar de retórica agressiva dos EUA e em outras partes, ainda não teve mudanças importantes de política comercial.

Mas a Capital Economics nota que não apenas o volume de exportações dos emergentes poderá ser menor, como em termos de dólar as vendas já perderam força, pelos resultados recentes de países como a China, Brasil, Coreia do Sul, Chile, Vietnã e Taiwan.

A expectativa é de que um menor crescimento na China, parceiro-chave para a maioria dos países, deve pesar nas exportações dos emergentes. O francês Société Générale observa que, apesar da recente forte retomada na produção industrial, vários indicadores de demanda doméstica desaceleraram em abril. As condições de crédito na China continuam apertadas e a dificuldade econômica real começa a aparecer, com a rápido alta no custo de financiamento.

A inquietação com os emergentes aumenta com os sinais de vulnerabilidade financeira na Argentina e na Turquia. Para o Instituto Internacional de Finanças (IIF), o abalo na Argentina pode ser apenas a ponta do icerberg. Nota que desde o início do ano tem mostrado preocupação com a alta global dos juros, que expõem as vulnerabilidades desse grupo de países.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 22/01
Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil que podem exportar ao país (16:26)
Arábia Saudita barra carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros (13:18)
2019: Sindirações abre o calendário de cursos (08:27)
Movimento Frete sem Tabela critica reajustes divulgados pela ANTT (08:08)
Futuro de fiscais da Carne Fraca segue incerto (08:04)
Auster retoma plano para avançar no país (07:50)
Ovos produzidos em Pernambuco ganharão código na casca para garantir qualidade (07:47)
China aceita oferta de exportador de frango do Brasil para encerrar caso antidumping (07:46)
Mercado do boi apresenta baixa movimentação (07:40)
Milho: mercado interno registra estabilidade (07:35)
Soja: poucas variações nos preços com falta da referência de Chicago (07:30)
Segunda-Feira, 21/01
Dia de Campo da Copagril evidencia a força do cooperativismo (09:42)
China diz ter controlado surto de peste suína africana (08:47)
EUA e China negociam reabertura do mercado de frango (08:26)
China poderá reabrir seu mercado à carne de frango americana (08:26)
Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 bilhões (08:11)
Custos de produção de frangos de corte subiram 14,21% em 2018 (08:07)
Guia Eletrônico de Nutrição Rhodimet®agora também está disponível para uso em smartphones (08:04)
MILHO/CEPEA: colheita da safra de verão se inicia no Brasil (08:02)
SOJA/CEPEA: preços internos, FOB e prêmios recuam com menor demanda internacional (08:01)
Milho: semana se encerrou com preços em alta na Bolsa de Chicago (08:00)
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)