Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Exportação

OMC vê desaceleração no comércio, que já atinge os emergentes
Genebra, Suíça, 18 de Maio de 2018 - A Organização Mundial do Comércio (OMC) prevê menor crescimento do comércio internacional de mercadorias, em volume, nos próximos meses. E pesquisas com setores industriais já apontam os primeiros sinais de desaceleração nas exportações de economias emergentes, que passam atualmente por outras turbulências.

O mais recente Indicador de Perspectivas do Comércio Mundial (WTOI) da OMC, que dá informações em tempo real sobre a trajetória das trocas globais, mostrou que o crescimento das exportações e importações seguem fortes, mas o ritmo pode cair no segundo trimestre.

O WTOI caiu para 101,8, de 102,3 em fevereiro - números acima de 100 indicam crescimento acima da tendência no médio prazo. Essa queda ocorre sobretudo pela baixa nos índices de encomendas de exportações (ficou em 98,1) e de frete aéreo internacional de cargas (caiu para 102,5). O movimento de contêineres nos portos permaneceu acima da tendência (com 105,8), mas estagnou.

Por sua vez, a produção e venda global de automóveis (97,8) e de commodities agrícolas (95,9) continuam abaixo da tendência recente. Já o comércio de componentes eletrônicos cresceu (104,2).

Conforme a OMC, esses resultados estão em linha com sua estimativa de expansão moderada do comércio global, de 4,7% em 2017 para 4,4% em 2018 e 4% em 2019. Mas o diretor-geral, Roberto Azevêdo, alertou recentemente que essas previsões correm risco com a escalada de tensões comerciais, no rastro de medidas unilaterais tomadas pelo presidente dos EUA, Donald Trump. Ontem, foi a vez de o Japão ameaçar retaliar os EUA por causa de sobretaxa aplicada nas exportações japonesas de aço.

Para os emergentes, o cenário se complica. O "Monitor de Comércio e Economias Emergentes", da Capital Economics, em Londres, mostra que o avanço das exportações desse grupo de países já começou a atenuar e continuará enfraquecendo nos próximos meses.

A consultoria se baseia em duas grandes pesquisas junto aos setores industriais, o Markit PMI (índice de gerente de compras) e o Ifo World Economic Survey. O componente "novas encomendas de exportações" para emergentes caiu para o nível mais baixo em 16 meses, sobretudo por causa de fraqueza da Ásia. As duas pesquisas juntas apontam menor crescimento das exportações em volume de 6% (em base anual) no primeiro trimestre para 1% no terceiro trimestre - ou seja, queda importante na segunda metade do ano.

A consultoria ressalva que durante a crise da dívida na zona do euro os industriais superestimaram risco de contágio e chegaram a prever uma desaceleração bem maior do que realmente ocorreu nas exportações.

O cenário atual, apesar de retórica agressiva dos EUA e em outras partes, ainda não teve mudanças importantes de política comercial.

Mas a Capital Economics nota que não apenas o volume de exportações dos emergentes poderá ser menor, como em termos de dólar as vendas já perderam força, pelos resultados recentes de países como a China, Brasil, Coreia do Sul, Chile, Vietnã e Taiwan.

A expectativa é de que um menor crescimento na China, parceiro-chave para a maioria dos países, deve pesar nas exportações dos emergentes. O francês Société Générale observa que, apesar da recente forte retomada na produção industrial, vários indicadores de demanda doméstica desaceleraram em abril. As condições de crédito na China continuam apertadas e a dificuldade econômica real começa a aparecer, com a rápido alta no custo de financiamento.

A inquietação com os emergentes aumenta com os sinais de vulnerabilidade financeira na Argentina e na Turquia. Para o Instituto Internacional de Finanças (IIF), o abalo na Argentina pode ser apenas a ponta do icerberg. Nota que desde o início do ano tem mostrado preocupação com a alta global dos juros, que expõem as vulnerabilidades desse grupo de países.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 17/10
Em Goiás, IOB prepara série de ações em parceria com a Associação Goiana de Avicultura (13:52)
Em MG, NECTA realiza 1º Dia do Ovo, com apoio do IOB (08:20)
Movimentação do Porto de Itajaí aumenta 81% em setembro (06:33)
Road Show Aves e Suínos da Boehringer fortalece a cadeia de proteína animal com conhecimento técnico (06:32)
Para ampliar exportação, setor de aves e de suínos vai à feira em Paris (06:31)
Importações chinesas de carne suína devem crescer 8% neste ano (06:10)
Soja: com previsão de melhora do clima nos EUA, mercado em Chicago ainda opera estável nesta 4ª (06:00)
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)
Sexta-Feira, 12/10
Quinta-Feira, 11/10
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (11:56)
Globalmente, pescados batem carnes nas exportações (10:50)
Brasil poderá colher até 238 milhões de toneladas de grãos na safra 2018/19 (10:34)
ASGAV e Programa Ovos RS oficializam parceria com o Instituto do Câncer Infantil para apoio à 25ª Corrida pela Vida (09:29)
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (09:03)
Tradicional omelete do IOB faz parada na DSM (08:41)
Ceva Saúde Animal recebe palestra de nutricionista do IOB na Semana do Ovo (07:43)
Agronegócio: em setembro, vendas externas do setor somam mais de US$ 8 bilhões (07:36)
Participação maior do agro exterior passa por viés mais comercial do governo (07:34)
Milho: mercado fecha em queda na Bolsa de Chicago especulando números mais altos do USDA (07:31)
Soja: preços voltam a cair no Brasil nesta 5ª feira e travam ainda mais negócios da nova safra (07:29)