Sexta-feira, 25 de Maio de 2018
Matérias-Primas

Soja fecha com forte baixa em Chicago, mas dólar em alta limita recuo no Brasil
Campinas, SP, 17 de Maio de 2018 - Os preços da soja formados no Brasil, apesar de uma nova alta do dólar nesta sessão, sentiram de forma mais intensa as quedas em Chicago e terminaram os negócios desta quarta-feira (16). No porto de Paranaguá, a soja disponível encerrou o dia com queda de 1,16% e R$ 85,00 por saca. Em Rio Grande, baixa de 0,81% no disponível de de 0,46% para o futuro, com os últimos preços em R$ 85,80 e R$ 86,50.

No interior, as cotações também recuaram e as perdas chegaram a bater em 1,45%, como foi o caso de Campo Novo do Parecis, em Mato Grosso, onde o último preço foi de R$ 68,00. Mesmo com as baixas, as praças do Paraná e do Rio Grande do Sul conseguem manter-se acima dos R$ 70,00 por saca, e em alguns casos, chegam a superar os R$ 80,00.

Em Castro, no Paraná, por exemplo, o preço cedeu 1,16% nesta quarta-feira para terminar o dia com R$ 85,00 por saca.

Como explicou o economista da Farsul, Antônio da Luz, em entrevista ao Notícias Agrícolas, o momento segue muito oportuno para os produtores brasileiros, já que o principal pilar de suporte para as cotações no mercado brasileiro tem sido o dólar.

"É hora de fazer médias e aproveitar esse preço que está aí", diz. O especialista afirma ainda que essa pode ser uma prática favorável, principalmente, para aqueles produtores que não têm o hábito de utilizarem mecanismos de produção.

No link abaixo, veja uma análise completa o analista sobre a taxa de câmbio e os impactos sobre o agronegócio:

Nesta quarta, o dólar fechou o dia com alta de 0,48% e valendo R$ 3,6784, registrando seu mais alto patamar desde 7 de abril de 2016. Nas últimas quatro sessões, a moeda americana acumula um ganho de 3,71%.

"O dólar seguiu avançando nesta quarta-feira e galgou mais um patamar, de 3,67 reais, influenciado pela possibilidade de mais altas de juros nos Estados Unidos neste ano e também pelo provável corte da taxa Selic logo mais pelo Banco Central, o que reduzirá ainda mais o diferencial de juros do Brasil com o exterior", informou a Reuters.

Bolsa de Chicago

Na Bolsa de Chicago, os futuros da soja terminaram o dia com baixas de 15,75 a 19 pontos e o contrato julho/18 fechando abaixo dos US$ 10,00 por bushel. O agosto/18 encerrou o pregão sendo cotado a US$ 10,03 por bushel.

Segundo explicou Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, a combinação desta força do dólar não só no Brasil, mas também no exterior - e de boas condições de clima para a nova safra dos Estados Unidos tem promovido uma intensificação das baixas dos futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago. A pressão é ainda maior com a falta de acordo entre chineses e americanos sobre suas relações comerciais que ameaçam, entre outros, o comércio da soja entre as duas nações.

Nesse cenário, ainda segundo Brandalizze, o novo intervalo de preços passa a ser de US$ 10,00 a US$ 10,50, e não mais de US$ 10,20 a US$ 10,70 como se observava há algumas semanas. "O plantio nos EUA está bem adiantado e as condições de clima são favoráveis. Temos que esperar para saber como serão as coisas mais para frente, a partir de julho", diz.

Até o último domingo (13), o plantio da oleaginosa já estava concluído em 35%, de acordo com os números do último reporte semanal de acompanhamento de safras divulgado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) na segunda-feira (14).

Além do clima, a pressão do dólar vem com a disparada da moeda americana frente a brasileira, uma vez que motiva mais negócios no Brasil, pressionando as cotações na CBOT, mas atrai também os investidores para esse, que é um ativo mais seguro em meio a incertezas que seguem rondando o mercado financeiro.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 25/05
Quinta-Feira, 24/05
Wisium reforça atuação na região Sul e apresenta Gerente de Negócios (11:53)
ABPA alerta para liberação das cargas vivas (11:41)
Greve dos caminhoneiros impacta o agronegócio de SC (10:21)
Conferência FACTA 2018 reúne setor avícola e coloca a salmonela em discussão (09:59)
Entrevista com Dr. Sérgio Puppin, autor do livro "Ovo - O Mito do Colesterol" (09:36)
Alimentos com maior peso no consumo das famílias ajudam a derrubar inflação (09:29)
Brasil recebe certificação oficial de País Livre da Aftosa (09:20)
Boehringer Ingelheim Saúde Animal promove Road Show Aves 2018 para discutir temas ligados à sanidade avícola (09:08)
STF reafirma constitucionalidade do Funrural e nega modulação (08:57)
Greve dos caminhoneiros paralisa frigoríficos e laticínios (08:22)
Brasil já deixou de exportar US$ 60 milhões em carnes por causa de greve (08:20)
Deus salve o frango! (08:10)
Preço do milho segue firme no mercado interno (08:08)
Soja tem boas altas em Chicago nesta 5ª de olho no clima do Corn Belt (08:00)
Quarta-Feira, 23/05
Justiça determina liberação imediata de 6 rodovias federais (21:32)
Associação de caminhoneiros ameaça interromper trânsito de carga viva (18:39)
Greve de caminhoneiros paralisa mais da metade da produção de carne suína e de aves (18:36)
Comer um ovo por dia pode proteger o coração, sugere estudo (08:52)
Ovos cage free: granjas da Argentina e Chile recebem selo Certified Humane (08:44)
Marfrig avança no processo de venda da Keystone (08:41)
Sem transporte, 40 processadoras de carnes serão paralisadas no Brasil (08:34)
Greve dos caminhoneiros atinge estradas de 22 estados, diz PRF (08:28)
Paralisação de caminhoneiros afetou chegada de grãos a Paranaguá (08:10)
Milho: em Chicago, mercado sobe pelo 2º dia consecutivo com suporte do trigo e de olho na demanda (08:05)
Soja: altas em Chicago amenizam pressão do dólar e portos do BR se mantêm acima dos R$ 85/saca (08:00)
Terça-Feira, 22/05
Greve dos caminhoneiros causa paralisação total na Aurora Alimentos (18:35)
ABPA alerta sobre os riscos de continuidade das paralisações e bloqueios nas rodovias federais e estaduais do País (10:31)
Fim do embargo russo a carnes está próximo (08:52)
Preços agropecuários em São Paulo subiram 2,14% em abril (08:24)
Rússia reabrirá seu mercado às carnes do Brasil (08:19)
Milho: mercado brasileiro apresenta leves movimentações (08:05)
MILHO/CEPEA: incertezas quanto à produtividade e alta do dólar elevam preço interno (08:02)
SOJA/CEPEA: dólar se valoriza, mas prêmio e preço externo recuam no Brasil (08:01)
Chicago x Dólar: preços da soja no BR mantêm equilíbrio após dia intenso (08:00)
Segunda-Feira, 21/05
Cobb-Vantress participa de evento Avicola & Porcinos, na Argentina (14:40)
Preços agropecuários: IEA aponta nova alta em abril de 2018 (11:07)
FRANGO/CEPEA: menor disponibilidade de carne e demanda mais firme elevam cotações (09:14)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:13)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte acumulam mais um mês de aumento em 2018 (08:59)
Aviagen anuncia Novo Gerente Global de Serviços de Nutrição (08:43)
Consultoria reduz em mais de 15% previsão da 2ª safra de milho do Brasil por seca (08:10)
Soja: mercado sobe mais de 1% em Chicago nesta 2ª com suspensão da disputa entra China e EUA (08:00)