Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
Matérias-Primas

Para JBS, alta dos preços dos grãos deverá perdurar
São Paulo, SP, 16 de Maio de 2018 - "Os custos estruturais aumentaram. Isso já é um fato". Na avaliação do executivo-chefe de operações da JBS, Gilberto Tomazoni, o patamar de preços dos grãos mudou e assim deverá permanecer por um horizonte mais longo. A alta dos preços dos grãos, avaliou Tomazoni, veio para ficar independentemente de oscilações de curto prazo como a quebra da safra de grãos da Argentina e a redução da produção de milho no Brasil na atual safra de inverno.

Em teleconferência com analistas realizada na manhã de ontem, o executivo argumentou que a produção de etanol de milho nos Estados Unidos segue crescendo, o que impulsiona a cotação do cereal. Portanto, é diante desse cenário que a JBS deverá reagir, acrescentou Tomazoni.

No Brasil, o objetivo da JBS é reajustar o preço dos produtos da Seara. "Não tem alternativa. No momento em que você vê uma mudança de patamar dos seus custos, a empresa tem que buscar [aumentar preço]", disse Tomazoni.

Nos mercado dos EUA, a Pilgrim's Pride, - companhia de frango controlada pela JBS - também já incorporou a alta dos grãos em seu planejamento. Na semana passada, a Pilgrim's estimou que deverá ter um custo adicional da ordem de US$ 150 milhões com ração em 2018.

Ainda sobre os preços dos grãos, Tomazoni disse que se as cotações tiverem algum arrefecimento ao longo do ano, ele será modesto - entre 7% a 10% - perante o movimento de valorização deste ano. No acumulado de 2018, a cotação do milho subiu quase 25% em Campinas, no interior paulista, de acordo com o indicador Esalq/BM&FBovespa.

Para aumentar preços, Tomazoni afirmou que a Seara terá uma estratégia composta de dois movimentos. De um lado, buscará reajustar o preço das categorias nas quais a Seara já atua. De outro, tenta enriquecer o "mix" de produção, entrando em categorias de maior valor agregado de maior preço.

Essa estratégia, no entanto, enfrenta desafios. Diante da crise setorial, marcada pela sobreoferta de frango, a Seara não conseguiu fazer o reajuste que pretendia no primeiro trimestre. No período, o preço médios dos produtos processados da Seara aumentou 2%. "Falei que precisava repassar 5%. Está falando um pedaço", afirmou o executivo.

Gilberto Tomazoni também reconheceu que, diante do aumento da oferta de frango no país e da estratégia de aumento de preços implementada pela JBS, a Seara perdeu participação de mercado em categorias de menor valor agregado no primeiro trimestre. Contudo, comemorou o executivo, conseguiu reduzir a diferença de preço da Seara para as marcas da líder - a BRF, dona de Sadia e Perdigão.

Em outra frente para compensar os gastos maiores com grãos, a Seara trabalha na redução de despesas gerais e administrativas (G&A, na sigla em inglês), disse Tomazoni. Nas despesas com vendas, no entanto, o espaço para redução de gastos é mais limitado, admitiu Wesley Batista Filho, que lidera as operações da JBS no Brasil e também participou da teleconferência.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 13/11
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)
Quarta-Feira, 07/11
Tereza Cristina é anunciada como ministra da Agricultura de Bolsonaro (19:28)
JBS vai vender carne na China pela internet (08:32)
Acionistas da BRF aprovam extensão do mandato de Pedro Parente (07:46)
Presidente da ABPA é palestrante do II Congresso Internacional de Direito Agrário e do Agronegócio (07:30)
Carne bovina tem alta e pode colaborar com retomada de preço no mercado do boi (07:18)
Importações chinesas de soja vão cair 10%, diz USDA (07:10)
Soja fecha estável em Chicago e mantém mercado lento também no Brasil nesta 3ª feira (07:00)