Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019
Matérias-Primas

Soja: preços e negócios no Brasil são favorecidos pela disparada do dólar
Campinas, SP, 16 de Maio de 2018 - O mercado internacional da soja, nesta terça-feira (15), testou os dois lados da tabela, mas fechou o dia com estabilidade na Bolsa de Chicago. Os principais contratos encerraram seus negócios subindo entre 1 e 2 pontos, com o julho/18 valendo US$ 10,18 por bushel. As posições mais distantes seguem lutando para se manter acima dos US$ 10,20.

A semana tem sido de ajustes e busca por posicionamento por parte dos traders, que esperam as definições de algumas frentes - especialmente das relações comerciais entre China e Estados Unidos - ao mesmo tempo em que acompanham - ainda com alguma incerteza - o desenvolvimento da nova safra norte-americana.

Por outro lado, no Brasil, as cotações e os negócios foram intensamente motivados, mais uma vez, pela movimentação cambial. O dólar subiu durante todo o dia, chegando a se aproximar muito dos R$ 3,70, favorecendo a formação dos preços tanto no interior, quanto nos portos do país.

"Esse dólar veio dando condições de preços (base porto) na casa de R$ 86,50 a R$ 87,00 nas posições de junho, julho, já que os compradores não querem mais soja para maio. Então, a pressão de compra agora é para os próximos meses", diz o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting.

Somente neste mês de maio, nos primeiros oito dias úteis, o Brasil já exportou 5,3 milhões de toneladas de soja e, caminhando neste ritmo, vai passar de 12 milhões de toneladas no mês e pode encontrar um novo recorde mensal, ainda segundo Brandalizze. No faturamento esperado para o mês, o volume de receita arrecadado por todo o complexo soja se aproxima de US$ 6 bilhões.

Ainda como explica o consultor, os compradores querem muita soja para os meses de junho em diante e isso vai dando oportunidade para os produtores irem, aos poucos, fazendo seus fechamentos.

Nesta terça, o último preço da soja disponível, em Paranaguá, foi de R$ 86,00. Em Rio Grande, de R$ 86,50 por saca, e R$ 86,90 na referência maio.

No interior do Brasil, os ganhos chegaram a se aproximar de 1,5% em algumas praças de comercialização. Os destaques ficaram sobre o Rio Grande do Sul, onde os preços passam dos R$ 70,00 por saca, e praças do Paraná, onde os indicativos superam os R$ 84,00.

Bolsa de Chicago

O mercado se ajustou após as tentativas de alta e os traders seguem acompanhando, principalmente, as negociações comerciais entre China e Estados Unidos - que iniciam uma nova rodada de conversas nesta terça-feira - e o desenvolvimento da nova safra norte-americana.

Segundo o boletim semanal de acompanhamento de safras divulgado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) no fim da tarde de ontem, mostrou que já há 35% da área semeada no país, contra 15% da semana anterior, 29% do ano passado e 26% da média dos últimos cinco anos. Para a oleaginosa, os traders esperavam algo entre 30% e 32%.

Como explica o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, o avanço dos trabalhos de campo acontece dentro da normalidade e isso acaba por ser um limitante para o avanço dos preços em Chicago.

Além disso, as condições de clima previstas para os próximos dias também seguem favorecendo o desenvolvimento da semeadura 2018/19 nas próxima semanas e o mercado também segue atento à essas informações.

Paralelamente, segue o acompanhamento das negociações entre China e Estados Unidos, que serão retomadas nesta terça. Um delegação chinesa liderada pelo vice-premier visita a Casa Branca para uma nova rodada de conversas sobre as relações comerciais entre os dois países.

Os traders especulam que ao menos as tarifas de US$ 50 bilhões sejam postergadas, não entrando em vigor no final deste mês como está previsto.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 22/01
Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil que podem exportar ao país (16:26)
Arábia Saudita barra carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros (13:18)
2019: Sindirações abre o calendário de cursos (08:27)
Movimento Frete sem Tabela critica reajustes divulgados pela ANTT (08:08)
Futuro de fiscais da Carne Fraca segue incerto (08:04)
Auster retoma plano para avançar no país (07:50)
Ovos produzidos em Pernambuco ganharão código na casca para garantir qualidade (07:47)
China aceita oferta de exportador de frango do Brasil para encerrar caso antidumping (07:46)
Mercado do boi apresenta baixa movimentação (07:40)
Milho: mercado interno registra estabilidade (07:35)
Soja: poucas variações nos preços com falta da referência de Chicago (07:30)
Segunda-Feira, 21/01
Dia de Campo da Copagril evidencia a força do cooperativismo (09:42)
China diz ter controlado surto de peste suína africana (08:47)
EUA e China negociam reabertura do mercado de frango (08:26)
China poderá reabrir seu mercado à carne de frango americana (08:26)
Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 bilhões (08:11)
Custos de produção de frangos de corte subiram 14,21% em 2018 (08:07)
Guia Eletrônico de Nutrição Rhodimet®agora também está disponível para uso em smartphones (08:04)
MILHO/CEPEA: colheita da safra de verão se inicia no Brasil (08:02)
SOJA/CEPEA: preços internos, FOB e prêmios recuam com menor demanda internacional (08:01)
Milho: semana se encerrou com preços em alta na Bolsa de Chicago (08:00)
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)