Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019
Matérias-Primas

Milho: mercado consolida 3ª alta consecutiva na Bolsa de Chicago
Campinas, SP, 26 de Abril de 2018 - As cotações futuras do milho acompanharam a forte valorização registrada nos preços do trigo e encerraram o pregão desta quarta-feira (25) em campo positivo na Bolsa de Chicago (CBOT). Pelo terceiro dia seguido, os vencimentos da commodity subiram, e terminaram a sessão com ganhos de mais de 5 pontos.

O contrato setembro/18 retomou o patamar de US$ 4,00 por bushel e encerrou o dia a US$ 4,03 por bushel. Já o maio/18 era cotado a US$ 3,86 por bushel, enquanto o julho/18 operava a US$ 3,95 por bushel. As principais posições subiram mais de 1% nesta quarta-feira.

Por sua vez, os preços do trigo subiram mais de 13 pontos nesta quarta-feira, uma valorização de mais de 2%. O maio/18 era negociado a US$ 4,86 por bushel, já o julho/18 trabalhava a US$ 4,99 por bushel. O setembro/18 operava a US$ 5,15 por bushel.

"Os fundos foram curtos", disse Karl Setzer, analista de mercado da MaxYield Cooperative em entrevista à agência Reuters internacional. "Estamos começando a ver um pequeno prêmio de risco adicionado a esse mercado".

"As condições de colheita são as piores que já vimos em mais de 20 anos", disse Greg Grow, diretor de agronegócios da Archer Financial Services.

Outro fator positivo aos preços do cereal foi a informação de que a China irá reduzir a área cultivada com o cereal no país nesta temporada. A perspectiva é que sejam semeados 333 mil hectares com o grão nesta safra, conforme reportaram as agências internacionais.

Por outro lado, as atenções dos investidores permanecem voltadas ao comportamento do clima no Brasil e os impactos para a safrinha brasileira. “A secura continuará a aumentar o estresse na safrinha de milho nas regiões sul, central e leste do cinturão”, afirmou Radiant Solutions ao Agrimoney.com.

"Alguns relatórios dizem que até um terço da colheita está sob condições estressantes", disse Karl Setzer, da Cooperativa MaxYield.

Do mesmo modo, o andamento do plantio nos EUA e do comportamento do clima continuam no radar dos participantes do mercado. A semeadura do milho está completa em 5% da área esperada para essa temporada e segue abaixo do registrado no mesmo período do ano passado, de 15%, conforme dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Contudo, a perspectiva é que o clima melhore a partir de agora no Meio-Oeste americano. Com isso, a expectativa é que os produtores avancem com os trabalhos nos campos.

Mercado brasileiro

As principais posições do milho na bolsa brasileira encerraram a sessão desta quarta-feira com valorização de mais de 2%. O maio/18 voltou a se aproximar do patamar de R$ 40,00 a saca e fechou o dia a R$ 39,85 a saca. O julho/18 era negociado a R$ 38,80 a saca.

A alta é a combinação da valorização registrada em Chicago e também no câmbio. A moeda norte-americana fechou a sessão a R$ 3,4860 na venda, com ganho de 0,48%, maior nível de fechamento desde o dia 13 de junho de 2016, quando o dólar tocou o nível de R$ 3,4867.

"O câmbio foi influenciado pelo cenário externo em meio a leituras de que o aperto monetário nos Estados Unidos pode ser mais firme do que o inicialmente previsto e afetar o fluxo de capital global", reforçou a Reuters.

Apesar da forte valorização do dólar, os preços registraram ligeiras movimentações no mercado doméstico. Conforme levantamento do economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, o preço da saca futura no Porto de Paranaguá subiu 2,67% e alcançou o patamar de R$ 38,50.

Em Brasília, a alta foi de 3,13%, com a saca a R$ 33,00. Na região de Assis (SP), o ganho foi de 1,61%, com a saca a R$ 31,50.
(Notícias Agrícolas) (Fernanda Custódio)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 22/01
Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil que podem exportar ao país (16:26)
Arábia Saudita barra carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros (13:18)
2019: Sindirações abre o calendário de cursos (08:27)
Movimento Frete sem Tabela critica reajustes divulgados pela ANTT (08:08)
Futuro de fiscais da Carne Fraca segue incerto (08:04)
Auster retoma plano para avançar no país (07:50)
Ovos produzidos em Pernambuco ganharão código na casca para garantir qualidade (07:47)
China aceita oferta de exportador de frango do Brasil para encerrar caso antidumping (07:46)
Mercado do boi apresenta baixa movimentação (07:40)
Milho: mercado interno registra estabilidade (07:35)
Soja: poucas variações nos preços com falta da referência de Chicago (07:30)
Segunda-Feira, 21/01
Dia de Campo da Copagril evidencia a força do cooperativismo (09:42)
China diz ter controlado surto de peste suína africana (08:47)
EUA e China negociam reabertura do mercado de frango (08:26)
China poderá reabrir seu mercado à carne de frango americana (08:26)
Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 bilhões (08:11)
Custos de produção de frangos de corte subiram 14,21% em 2018 (08:07)
Guia Eletrônico de Nutrição Rhodimet®agora também está disponível para uso em smartphones (08:04)
MILHO/CEPEA: colheita da safra de verão se inicia no Brasil (08:02)
SOJA/CEPEA: preços internos, FOB e prêmios recuam com menor demanda internacional (08:01)
Milho: semana se encerrou com preços em alta na Bolsa de Chicago (08:00)
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)
Quarta-Feira, 16/01
Brasil fomenta o maior projeto agropecuário da África (09:01)
ICC Brazil participa do IPPE 2019 (09:01)
Presença diária de fiscais em frigoríficos deverá ser mantida (08:56)
Quantos likes um ovo merece? (08:30)
Boi Gordo: atenção com as vacas e novilhas (08:04)
Milho: Bolsa de Chicago encerra terça-feira com quedas nos preços (08:02)
Soja trabalha em campo positivo nesta 4ª feira em Chicago em ajuste técnico depois das baixas (08:00)
Valor da Produção fecha 2018 em R$ 569,8 bilhões (07:49)