Terça-feira, 22 de Maio de 2018
Matérias-Primas

Milho: mercado consolida 3ª alta consecutiva na Bolsa de Chicago
Campinas, SP, 26 de Abril de 2018 - As cotações futuras do milho acompanharam a forte valorização registrada nos preços do trigo e encerraram o pregão desta quarta-feira (25) em campo positivo na Bolsa de Chicago (CBOT). Pelo terceiro dia seguido, os vencimentos da commodity subiram, e terminaram a sessão com ganhos de mais de 5 pontos.

O contrato setembro/18 retomou o patamar de US$ 4,00 por bushel e encerrou o dia a US$ 4,03 por bushel. Já o maio/18 era cotado a US$ 3,86 por bushel, enquanto o julho/18 operava a US$ 3,95 por bushel. As principais posições subiram mais de 1% nesta quarta-feira.

Por sua vez, os preços do trigo subiram mais de 13 pontos nesta quarta-feira, uma valorização de mais de 2%. O maio/18 era negociado a US$ 4,86 por bushel, já o julho/18 trabalhava a US$ 4,99 por bushel. O setembro/18 operava a US$ 5,15 por bushel.

"Os fundos foram curtos", disse Karl Setzer, analista de mercado da MaxYield Cooperative em entrevista à agência Reuters internacional. "Estamos começando a ver um pequeno prêmio de risco adicionado a esse mercado".

"As condições de colheita são as piores que já vimos em mais de 20 anos", disse Greg Grow, diretor de agronegócios da Archer Financial Services.

Outro fator positivo aos preços do cereal foi a informação de que a China irá reduzir a área cultivada com o cereal no país nesta temporada. A perspectiva é que sejam semeados 333 mil hectares com o grão nesta safra, conforme reportaram as agências internacionais.

Por outro lado, as atenções dos investidores permanecem voltadas ao comportamento do clima no Brasil e os impactos para a safrinha brasileira. “A secura continuará a aumentar o estresse na safrinha de milho nas regiões sul, central e leste do cinturão”, afirmou Radiant Solutions ao Agrimoney.com.

"Alguns relatórios dizem que até um terço da colheita está sob condições estressantes", disse Karl Setzer, da Cooperativa MaxYield.

Do mesmo modo, o andamento do plantio nos EUA e do comportamento do clima continuam no radar dos participantes do mercado. A semeadura do milho está completa em 5% da área esperada para essa temporada e segue abaixo do registrado no mesmo período do ano passado, de 15%, conforme dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Contudo, a perspectiva é que o clima melhore a partir de agora no Meio-Oeste americano. Com isso, a expectativa é que os produtores avancem com os trabalhos nos campos.

Mercado brasileiro

As principais posições do milho na bolsa brasileira encerraram a sessão desta quarta-feira com valorização de mais de 2%. O maio/18 voltou a se aproximar do patamar de R$ 40,00 a saca e fechou o dia a R$ 39,85 a saca. O julho/18 era negociado a R$ 38,80 a saca.

A alta é a combinação da valorização registrada em Chicago e também no câmbio. A moeda norte-americana fechou a sessão a R$ 3,4860 na venda, com ganho de 0,48%, maior nível de fechamento desde o dia 13 de junho de 2016, quando o dólar tocou o nível de R$ 3,4867.

"O câmbio foi influenciado pelo cenário externo em meio a leituras de que o aperto monetário nos Estados Unidos pode ser mais firme do que o inicialmente previsto e afetar o fluxo de capital global", reforçou a Reuters.

Apesar da forte valorização do dólar, os preços registraram ligeiras movimentações no mercado doméstico. Conforme levantamento do economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, o preço da saca futura no Porto de Paranaguá subiu 2,67% e alcançou o patamar de R$ 38,50.

Em Brasília, a alta foi de 3,13%, com a saca a R$ 33,00. Na região de Assis (SP), o ganho foi de 1,61%, com a saca a R$ 31,50.
(Notícias Agrícolas) (Fernanda Custódio)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 22/05
Greve dos caminhoneiros causa paralisação total na Aurora Alimentos (18:35)
ABPA alerta sobre os riscos de continuidade das paralisações e bloqueios nas rodovias federais e estaduais do País (10:31)
Fim do embargo russo a carnes está próximo (08:52)
Preços agropecuários em São Paulo subiram 2,14% em abril (08:24)
Rússia reabrirá seu mercado às carnes do Brasil (08:19)
Milho: mercado brasileiro apresenta leves movimentações (08:05)
MILHO/CEPEA: incertezas quanto à produtividade e alta do dólar elevam preço interno (08:02)
SOJA/CEPEA: dólar se valoriza, mas prêmio e preço externo recuam no Brasil (08:01)
Chicago x Dólar: preços da soja no BR mantêm equilíbrio após dia intenso (08:00)
Segunda-Feira, 21/05
Cobb-Vantress participa de evento Avicola & Porcinos, na Argentina (14:40)
Preços agropecuários: IEA aponta nova alta em abril de 2018 (11:07)
FRANGO/CEPEA: menor disponibilidade de carne e demanda mais firme elevam cotações (09:14)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:13)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte acumulam mais um mês de aumento em 2018 (08:59)
Aviagen anuncia Novo Gerente Global de Serviços de Nutrição (08:43)
Consultoria reduz em mais de 15% previsão da 2ª safra de milho do Brasil por seca (08:10)
Soja: mercado sobe mais de 1% em Chicago nesta 2ª com suspensão da disputa entra China e EUA (08:00)
Sexta-Feira, 18/05
OMC vê desaceleração no comércio, que já atinge os emergentes (11:38)
Blairo Maggi anuncia abertura do mercado da Coreia do Sul para carne suína brasileira (11:36)
Vendas do campo ao Irã em risco (09:01)
Blairo pede para que China não aplique sobretaxa ao frango brasileiro (08:52)
Ceva Saúde Animal e a Associação Mundial de Medicina Veterinária premiam pesquisador brasileiro por estudos voltados ao bem-estar animal (08:47)
Nova Supervisora Regional de Serviços Técnicos da Aviagen no Brasil traz grande conhecimento em frangos de corte (08:41)
Apesar das chuvas próximas nos EUA, milho cai 4 pontos na CBOT por ajuste técnico (08:09)
Soja tem boas altas em Chicago nesta 6ª feira com correção técnica e expectativas sobre a China (08:00)
Quinta-Feira, 17/05
Aviagen expande capacidade de incubatório no Brasil (09:09)
JBS na mira da CVM em caso do IPO (06:56)
Bronquite Infecciosa: Um desafio para indústria avícola mundial (06:45)
Blairo Maggi afirma que pauta de exportações entre Brasil e China será diversificada (06:43)
Não faltam recursos para financiamento da safra, afirma Wilson Vaz de Araújo (06:39)
Sobra milho, mas há importação (06:25)
Milho: Chicago devolve parte dos ganhos da véspera e os futuros perderam até 3 pontos nesta 4ª feira (06:20)
Soja fecha com forte baixa em Chicago, mas dólar em alta limita recuo no Brasil (06:15)
Quarta-Feira, 16/05
Exportações do agronegócio garantiram superávit da balança comercial (06:54)
Safeeds apresenta programa para controle de Salmonella (06:51)
Ministro da Agricultura anuncia diálogo com a União Europeia para retomar exportação de carne de frango (06:48)
Eumar Novacki debate saúde animal com produtores do Oeste Catarinense (06:46)
Para JBS, alta dos preços dos grãos deverá perdurar (06:43)
BRF está proibida de exportar para a Europa a partir de hoje (06:39)
Milho do Paraná tem pior condição que em 2015/16, quando safra quebrou, diz Deral (06:38)
Chuvas nos EUA puxam o milho em até 5,75 pts; alta também na BM&F e em Sorriso mais de 6,5 % (06:37)
Soja: preços e negócios no Brasil são favorecidos pela disparada do dólar (06:36)