Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Matérias-Primas

Milho: mercado consolida 3ª alta consecutiva na Bolsa de Chicago
Campinas, SP, 26 de Abril de 2018 - As cotações futuras do milho acompanharam a forte valorização registrada nos preços do trigo e encerraram o pregão desta quarta-feira (25) em campo positivo na Bolsa de Chicago (CBOT). Pelo terceiro dia seguido, os vencimentos da commodity subiram, e terminaram a sessão com ganhos de mais de 5 pontos.

O contrato setembro/18 retomou o patamar de US$ 4,00 por bushel e encerrou o dia a US$ 4,03 por bushel. Já o maio/18 era cotado a US$ 3,86 por bushel, enquanto o julho/18 operava a US$ 3,95 por bushel. As principais posições subiram mais de 1% nesta quarta-feira.

Por sua vez, os preços do trigo subiram mais de 13 pontos nesta quarta-feira, uma valorização de mais de 2%. O maio/18 era negociado a US$ 4,86 por bushel, já o julho/18 trabalhava a US$ 4,99 por bushel. O setembro/18 operava a US$ 5,15 por bushel.

"Os fundos foram curtos", disse Karl Setzer, analista de mercado da MaxYield Cooperative em entrevista à agência Reuters internacional. "Estamos começando a ver um pequeno prêmio de risco adicionado a esse mercado".

"As condições de colheita são as piores que já vimos em mais de 20 anos", disse Greg Grow, diretor de agronegócios da Archer Financial Services.

Outro fator positivo aos preços do cereal foi a informação de que a China irá reduzir a área cultivada com o cereal no país nesta temporada. A perspectiva é que sejam semeados 333 mil hectares com o grão nesta safra, conforme reportaram as agências internacionais.

Por outro lado, as atenções dos investidores permanecem voltadas ao comportamento do clima no Brasil e os impactos para a safrinha brasileira. “A secura continuará a aumentar o estresse na safrinha de milho nas regiões sul, central e leste do cinturão”, afirmou Radiant Solutions ao Agrimoney.com.

"Alguns relatórios dizem que até um terço da colheita está sob condições estressantes", disse Karl Setzer, da Cooperativa MaxYield.

Do mesmo modo, o andamento do plantio nos EUA e do comportamento do clima continuam no radar dos participantes do mercado. A semeadura do milho está completa em 5% da área esperada para essa temporada e segue abaixo do registrado no mesmo período do ano passado, de 15%, conforme dados do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Contudo, a perspectiva é que o clima melhore a partir de agora no Meio-Oeste americano. Com isso, a expectativa é que os produtores avancem com os trabalhos nos campos.

Mercado brasileiro

As principais posições do milho na bolsa brasileira encerraram a sessão desta quarta-feira com valorização de mais de 2%. O maio/18 voltou a se aproximar do patamar de R$ 40,00 a saca e fechou o dia a R$ 39,85 a saca. O julho/18 era negociado a R$ 38,80 a saca.

A alta é a combinação da valorização registrada em Chicago e também no câmbio. A moeda norte-americana fechou a sessão a R$ 3,4860 na venda, com ganho de 0,48%, maior nível de fechamento desde o dia 13 de junho de 2016, quando o dólar tocou o nível de R$ 3,4867.

"O câmbio foi influenciado pelo cenário externo em meio a leituras de que o aperto monetário nos Estados Unidos pode ser mais firme do que o inicialmente previsto e afetar o fluxo de capital global", reforçou a Reuters.

Apesar da forte valorização do dólar, os preços registraram ligeiras movimentações no mercado doméstico. Conforme levantamento do economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, o preço da saca futura no Porto de Paranaguá subiu 2,67% e alcançou o patamar de R$ 38,50.

Em Brasília, a alta foi de 3,13%, com a saca a R$ 33,00. Na região de Assis (SP), o ganho foi de 1,61%, com a saca a R$ 31,50.
(Notícias Agrícolas) (Fernanda Custódio)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 17/10
Terça-Feira, 16/10
Da ABPA aos candidatos (09:18)
PF indicia Abilio Diniz e Pedro Faria no âmbito da Operação Trapaça (07:49)
Após relatório da PF, BRF defende tolerância zero e afasta 14 pessoas (07:48)
Milho fecha em alta na Bolsa de Chicago nesta 2a feira com clima adverso para colheita nos EUA (07:44)
Com demanda forte e clima adverso no Corn Belt, soja fecha com mais de 2%de alta em Chicago (07:40)
Plantio de soja evolui em ritmo acelerado em quase todo o país (07:39)
Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa (07:31)
MILHO/CEPEA: indicador recua quase 6% no acumulado do mês (07:30)
SOJA/CEPEA: dólar cai e pressiona valores internos da soja (07:29)
Segunda-Feira, 15/10
CBNA debate nutrição animal e produção sustentável de alimentos a partir de amanhã, no VIII CLANA, em Campinas, SP (13:29)
Programa Ovos RS: Atividades e Eventos (10:57)
Vetanco realiza Oficina de Trabalho em Carpina-PE (10:35)
Conheça a campanha Ovo Capixaba (10:32)
Da ABPA aos candidatos (09:19)
Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro (08:15)
FRANGO/CEPEA: preços registram alta no atacado paulista (08:11)
SUÍNO/CEPEA: menor oferta para abate mantém preços estáveis na maior parte das regiões (08:07)
BOI/CEPEA: indicador oscila com força, mas acumula queda na parcial deste mês (08:05)
Projeções confirmam o peso do Brasil nas exportações de grãos (08:05)
Milho: mercado em Chicago ainda sente efeitos positivos do USDA e fecha em alta nesta 6ª feira (08:02)
Soja começa semana com estabilidade em Chicago nesta 2ª feira e foca colheita nos EUA (08:00)
Sexta-Feira, 12/10
Quinta-Feira, 11/10
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (11:56)
Globalmente, pescados batem carnes nas exportações (10:50)
Brasil poderá colher até 238 milhões de toneladas de grãos na safra 2018/19 (10:34)
ASGAV e Programa Ovos RS oficializam parceria com o Instituto do Câncer Infantil para apoio à 25ª Corrida pela Vida (09:29)
Programa Ovos RS: eventos em Comemoração ao Dia Mundial do Ovo 2018 (09:03)
Tradicional omelete do IOB faz parada na DSM (08:41)
Ceva Saúde Animal recebe palestra de nutricionista do IOB na Semana do Ovo (07:43)
Agronegócio: em setembro, vendas externas do setor somam mais de US$ 8 bilhões (07:36)
Participação maior do agro exterior passa por viés mais comercial do governo (07:34)
Milho: mercado fecha em queda na Bolsa de Chicago especulando números mais altos do USDA (07:31)
Soja: preços voltam a cair no Brasil nesta 5ª feira e travam ainda mais negócios da nova safra (07:29)