Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2018
Matérias-Primas

Soja: Chicago fecha 5ª feira com altas de dois dígitos
Campinas, SP, 13 de Abril de 2018 - Na sessão desta quinta-feira (12), os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago deixaram para trás a estabilidade registrada no início dos negócios e fechou o pregão com altas de dois dígitos entre as posições mais negociadas. O movimento levou o contrato maio/18 de volta aos US$ 10,60 e os vencimentos julho e agosto ao patamar dos US$ 10,70.

Segundo explicaram analistas e consultores, os dados das vendas semanais norte-americanas trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) chegou como combustível para o avanço das cotações.

Afinal, boas notícias sobre demanda vieram chegando ao mercado nos últimos dias, como as duas vendas dos EUA para a Argentina - após 20 anos sem operações como estas - que somaram mais de 240 mil toneladas.

Na semana encerrada em 5 de abril, os EUA venderam 1.510,5 milhão de toneladas de soja da safra 2017/18 com a maior parte sendo adquirida por destinos não revelados. Em relação à semana anterior, o volume cresceu 33% e 74% se comparado à média das últimas quatro semanas. Os traders apostavam em um intervalo de 900 mil a 2 milhões de toneladas.

No acumulado do ano comercial, as vendas americanas da oleaginosa já chegam a 52.994,7 milhões de toneladas, contra mais de 55,4 milhões do mesmo período na temporada anterior. A estimativa do USDA é de que as exportações dos EUA somem 56,2 milhões.

O departamento reportou ainda as vendas da safra 2018/19 em 954 mil toneladas, também com a maior parte para destinos desconhecidos.

Segundo o analista de mercado sênior da Price Futures Group, Jack Scoville, os números da soja foram bastante consideráveis no reporte semanal do USDA e, de fato, deram bom suporte às cotações não só da soja em grão, mas dos derivados negociados em Chicago.

"E isso realmente direcionou o complexo nesta quinta. Além do mais, todas as vendas reportadas ao longo desta semana, com a Argentina vindo às compras, criaram um interesse entre os investidores", disse em entrevista ao portal Agriculture.com.

Uma safra menor vinda da América do Sul, especialmente em função da severa quebra na Argentina, também ainda dá suporte às cotações no mercado futuro norte-americano. Afinal, esse volume menor deverá ajudar a intensificar a demanda pela oleaginosa dos EUA, como tem feito com o produto do Brasil.

Nesta quinta-feira, a Bolsa de Rosario voltou a cortar sua estimativa para a colheita argentina e o número recuou de 40 para 37 milhões de toneladas.

No Brasil

No Brasil, como relatou o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, poucos negócios foram realizados em função de uma pressão que as altas em Chicago exerceram sobre os prêmios no Brasil. Com os valores voltando aos patamares de algo entre US$ 1,10 e US$ 1,20, as últimas referências nos terminais de exportação ficaram entre R$ 86,50 e R$ 87,50 por saca.

Exportações firmes da soja dos Estados Unidos, levantamento da AGResources

O movimento de alta na sessão desta quinta-feira em Chicago foi impulsionado por demanda firme pela soja americana. Desde que a China anunciou a possibilidade de imposição de tarifas em 25% sobre a importação da oleaginosa de origem norte-americana, os preços do grão disponível para venda no país caíram drasticamente.

Tal movimento atraiu compradores de outras partes do mundo, principalmente da Europa, que preencheram parte da lacuna deixada pelos chineses.

As ofertas de venda de exportação (FOB) da soja estadunidense tem sido uma das mais baratas no mundo, atraindo o comprador com necessidade de cobertura.

As vendas semanais da oleaginosa nos Estados Unidos atingiu um patamar recorde, para o período, em 1,5 MTs.

Nestas últimas 5 semanas consecutivas, os exportadores da soja norte-americana têm desempenhado uma ótima campanha.

Até o momento, 53 MTs do grão foram foram vendidos em contratos de entrega até 31 agosto deste ano. Destes 42 MTs já foram, de fato, embarcados.
(Carla Mendes) (Notícias Agrícolas)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 17/12
Vendas externas do Agro ultrapassam US$ 100 bilhões no acumulado de 12 meses (12:55)
Otimismo no agronegócio impulsiona Agrishow 2019 (11:23)
Peru enfrenta concorrência na mesa de Natal (11:19)
Boi Gordo: indicadores do mercado físico romperam a barreira do R$ 150,00/@ (10:42)
MILHO/CEPEA: restrição vendedora sustenta preço (10:36)
SOJA/CEPEA: queda dos prêmios e baixa demanda pressionam valores (10:35)
APA divulga Programa Tentativo do XVII Congresso de Ovos (10:25)
MSD Saúde Animal anuncia novo presidente (10:11)
Milho pode até ser do México, mas foi domesticado na Amazônia, diz estudo (09:16)
Abertura de mercados e desburocratização foram destaque em balanço de Maggi (09:14)
Pesquisa alerta para a presença de bactérias na carne suína (08:36)
Carcaça bovina alcança o maior preço da história; Exportação de frango e suínos deve crescer até 3% em 2019 (08:15)
Milho: semana termina com Bolsa de Chicago apresentando leves altas (08:05)
Soja: prêmios no Brasil cedem mais de 20% nesta 6ª feira e travam ainda mais negócios no BR (08:00)
Sustentabilidade é uma necessidade de mercado, segundo a Abiove (07:49)
Sexta-Feira, 14/12
Encontro de Qualidade Industrial recebe patrocínio e palestra da Cobb-Vantress (16:04)
Sindirações projeta crescimento de até 3% para 2019 (14:37)
FRANGO/CEPEA: abate avança no terceiro trimestre (10:15)
OVOS/CEPEA: maior produção impacta negativamente o setor em 2018 (09:59)
Inscrições abertas para os Trabalhos Científicos na 5ª FAVESU (09:57)
Venda de frango a árabes cai, mas pode voltar a crescer (08:11)
Volume de aves e suínos será menor neste ano, aponta a ABPA (08:07)
Produção de ração no Brasil cresce 0,6% e tem novo recorde em 2018 (08:06)
2ª Conbrasul Ovos 2019: Gramado será a capital internacional da avicultura de postura de 16 a 19 de junho (08:04)
Programa técnico do Congresso de Ovos já tem principais temas definidos (08:03)
Quinta-Feira, 13/12
_produção de ovos de galinha é a maior da série histórica (11:04)
Abate de frangos em agosto foi o segundo maior do ano (11:03)
Já começa a faltar crédito rural a juros controlados (09:17)
IBGE confirma avanço em abates de bovinos e suínos, e queda no frango (09:08)
Plasson investe R$ 28 milhões em expansão da unidade fabril, em Criciúma (08:20)
ABRA protocola ofício com solicitação que impacta indústrias produtoras de farinhas de pena, peixe e sangue (08:14)
Indústria de ovos dos EUA: desafios e oportunidades (08:11)
Fundamentos teóricos e aplicação no processamento de ovos e derivados (08:08)
Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)