Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018
Matérias-Primas

Soja: preços sobem até 6,5% no Brasil com rally na CBOT e dólar
Campinas, SP, 21 de Fevereiro de 2018 - O mercado da soja trabalhou durante todo o dia de ontem em campo positivo na Bolsa de Chicago e registrou bons avanços no início do dia, que passaram de 1% na sessão desta terça-feira (20). As cotações, porém, perderam parte da força no final da tarde e fecharam o pregão com altas entre os principais vencimentos de 4,75 a 5 pontos, ou de 0,46% a 0,49%. Assim, o contrato março/18 fechou com US$ 10,26 e o maio, US$ 10,37 por bushel. Nas máximas do dia, as posições alcançaram US$ 10,39 e US$ 10,50.

As altas observadas nesta volta de feriado para o mercado futuro norte-americano puxaram de forma significativa os preços no mercado brasileiro e ajudaram a dar mais ritmo aos negócios internamente, principalmente entre as exportações.

Somente nesta terça-feira, as referências no interior do Brasil subiram entre 0,75% e 6,45% e voltaram a ocupar o patamar dos R$ 60,00 por saca em quase todas as principais regiões produtoras do país. Em Ponta Grossa e Castro, ambas praças do Paraná, os indicativos chegaram a bater em R$ 73,00 e R$ 74,50, respectivamente.

Nos portos, os preços também subiram. Em Paranaguá, a soja disponível terminou o dia com R$ 77,00 por saca, marcando uma alta de 1,32%. Já em Rio Grande, R$ 76,60 e ganho de 1,86%, enquanto a referência para maio/18 foi a R$ 77,70, subindo 1,17%. Em Santos, o ganho foi ainda mais expressivo e o mercado bateu nos R$ 76,00 por saca.

O consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, porém, ressalta que neste momento em que a colheita caminha com mais ritmo no Brasil, parte dos produtores tem esperado para fechar novas vendas mais adiante, dando preferência à entrega dos contratos já firmados.

Dólar

A terça-feira foi também mais um dia de alta para o dólar e a conjunção de fatores trouxe ainda mais força para o avanço dos preços da soja no Brasil. A moeda americana subiu 0,63% para R$ 3,2555 e chegou aos R$ 3,2577 na máxima do dia. O engavetamento da proposta da reforma da Previdência no Congresso foi, mais uma vez, combustível para o movimento.

"O mercado já esperava o enterro da reforma", afirmou o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva à agência de notícias Reuters, ao citar as cotações "comportadas" e a sintonia com o cenário externo neste pregão.

Bolsa de Chicago

O tempo seco na Argentina se mantém como o principal fator de alta para os preços da soja na Bolsa de Chicago. As altas, porém, não se limitam só ao grão - nos mais altos preços em sete meses, mas se estendem por todo o complexo neste momento. No pregão desta terça-feira, os preços do farelo ficaram em suas máximas desde julho de 2016.

As precipitações dos últimos dias foram bastante limitadas em volume e abrangência e, para os próximos dias, a situação não é diferente. A incidência pluviométrica baixa é esperada até o início de março.

"O cenário para os preços é dependente das variações climáticas na Argentina, que não estão nada satisfatórias para o produtor do país", diz o boletim diário da AgResource Mercosul. "A umidade do solo continua em níveis críticos para o desenvolvimento saudável da planta. Ao contrário de 2017, quando chuvas expressivas tomaram conta do país, nesta época do ano. As regiões Central e do Leste argentino são as de maior preocupação", informa o reporte.

A consultoria argentina Agripac fez, nesta terça-feira, mais um corte em suas projeções, estimando a colheita 2018/19 agora em 47 milhões de toneladas. O novo número mostra uma redução de 18% em relação às expectativas iniciais.

Com essas baixas, para um corretor e analista de mercado da U.S. Commodities, "quem mais sofre agora é a produção de farelo". Complementando a informação, o analista da INTL FCStone diz que uma safra menor na Argentina, e uma produção menor de farelo, poderiam transferir a demanda para os Estados Unidos. O debate agora é de quanto menor será essa colheita argentina".

Há, porém, os executivos que acreditam em uma demanda maior também pelos produtos brasileiros.

"Parte dessa brecha que a Argentina vai deixar vai abrir espaço para o Brasil, não só para o farelo, mas também no grão. Então, há duas maneiras de aumentar nossas exportações", explica o consultor de mercado Vlamir Brandailzze, da Brandalizze Consulting. "E além disso, o esmagamento deve aumentar para atender a demanda maior do biodiesel - em cerca de 4 milhões de toneladas - e, com isso, teríamos algo perto de 2 milhões a mais de farelo para exportar a mais", diz.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 24/09
Natal sedia dois eventos internacionais de inovação (11:32)
Ceva Saúde Animal estará no 12º Simpósio Técnico ACAV (10:09)
Inaugurado novo Centro de Distribuição De Heus no Nordeste (09:58)
Crise afeta as vendas de equipamentos de frigoríficos (08:38)
Suíça rejeita iniciativas que endureciam exigência para alimentos (08:35)
Membros do comitê técnico do Congresso de Ovos reúnem-se para discutir temário (08:22)
Simpósio de avicultura terá palestra de abertura com jornalista João Borges (08:17)
A avicultura catarinense, por José Antônio Ribas Júnior (08:14)
DSM é nova patrocinadora da Semana do Ovo 2018 (08:09)
No LPN Congress 2018, o Dr. Steve Leeson analizará as mudanças nutricionais em um ambiente livre de AGP (08:04)
Milho: mercado sobe mais de 1% na semana na CBOT com dados da demanda e chuvas nos EUA (08:00)
Soja fecha com balanço semanal positivo apesar das realizações de lucros desta 6ª em Chicago (07:58)
McDonald’s é alertado a cuidar melhor de seus frangos (06:09)
Sexta-Feira, 21/09
Siemens cria centro de competências de carnes no Brasil (08:58)
Rabobank: volatilidade associada ao Brasil é desafio para o mercado global (08:46)
Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC (08:46)
Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)