Quinta-feira, 21 de Junho de 2018
Exportação

Mercosul e Canadá lançam, no dia 9, negociações para ter livre comércio
Brasília, DF, 21 de Fevereiro de 2018 - Os sócios do Mercosul e o Canadá vão anunciar no dia 9 de março, em Assunção, a abertura de negociações para um acordo de livre comércio. E não querem perder tempo: menos de duas semanas depois, a partir do dia 19, autoridades dos dois lados já se reúnem em Ottawa para dar início às tratativas. A percepção é de que pode haver um entendimento amplo, rápido e equilibrado.

Há poucos dias, o governo canadense avisou aos sul-americanos que todas as instâncias para a obtenção de um mandato negociador haviam sido finalmente percorridas. Do lado de cá, não existem mais pendências a resolver. Com isso, os dois lados se disseram prontos para sentar-se à mesa e começar o processo de barganha típico das negociações.

O lançamento ocorrerá em Assunção não apenas devido ao exercício da presidência rotativa do Mercosul pelo Paraguai, mas porque o ministro canadense de Comércio, François Philippe Champagne, estará em Santiago na véspera para a assinatura do "TPP-11" - a nova versão da Parceria Transpacífica sem um dos 12 membros originais, os Estados Unidos, que abandonaram o tratado na primeira semana de Donald Trump na Casa Branca.

Os ministros Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Marcos Jorge de Lima (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), bem como seus colegas do Mercosul, devem ir também para o anúncio.

O governo brasileiro confia em uma evolução relativamente célere das negociações porque, ao contrário das tratativas com a União Europeia, não há grande incompatibilidade entre interesses "ofensivos" e "defensivos".

No jargão comercial, são chamados de interesses ofensivos aqueles produtos, ou setores, em que há pedidos de eliminação acelerada de tarifas para exportar mais. Interesses defensivos são o oposto: quando se luta para preservar alíquotas que protejam bens ou segmentos considerados sensíveis na concorrência com os importados.

Um dos grandes atrativos para o Mercosul, nas negociações com o Canadá, foi o aceno feito por Ottawa de que estaria disposto a liberalizar o mercado de compras públicas tanto em âmbito federal como nas províncias canadenses. Trata-se de um mercado de quase US$ 250 bilhões e no qual se aposta em possibilidade de maior participação das empresas brasileiras. Normalmente, os acordos internacionais só preveem abertura de licitações no nível federal. No caso canadense, 90% de todas as compras são de governos locais.

Em 2017, o comércio Brasil-Canadá atingiu US$ 4,48 bilhões, com crescimento de 6% sobre o ano anterior, mas ainda cerca de 50% abaixo do pico registrado em 2011. Os superávits têm se alternado bastante de lado a lado.

Em um extenso trabalho de pesquisa, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) mapeou oportunidades de avanço dos produtores brasileiros no mercado canadense. Há potencial de ganhos para bens manufaturados como máquinas, produtos químicos, alimentos, metalúrgicos, automóveis e pneus. Carnes, milho, café, melão e fumo são áreas agrícolas que oferecem chances de aumento das vendas.

Como tem uma ampla variedade de acordos de livre comércio, à qual se soma um tratado anunciado no ano passado com a UE, o Canadá importa mais de 90% de suas mercadorias com tarifa zero. Pagando alíquotas, os produtos brasileiros tornam-se menos competitivos na comparação com outros fornecedores.

A mídia canadense tem apontado automóveis, serviços financeiros, produtos minerais e da indústria florestal (papel e celulose) como pontos de forte interesse na negociação com o Mercosul. Mas lembra que o país vem enfatizando a necessidade de incluir regras trabalhistas e ambientais em seus acordos, o que pode provocar alguma dificuldade nas conversas.

Um trunfo político que pode ser usado na negociação é o bom entendimento entre o primeiro-ministro Justin Trudeau e o presidente argentino Mauricio Macri. Além de jovens lideranças globais, que têm se dado bem, ambos terão certo protagonismo em 2018 - o Canadá comanda o G-7 e a Argentina lidera o G-20.
(Valor ) (Daniel Rittner)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 21/06
Quarta-Feira, 20/06
Frigoríficos precisam buscar soluções técnicas para problemas, afirma Vargas (09:49)
Prima-irmã dos frangos de corte, produção de ovos vive longe da crise (08:23)
Motivo para embargo da UE ao frango brasileiro é disputa comercial, diz Blairo (08:21)
Valor da Produção Agropecuária de 2018 é de R$ 552 bilhões (08:10)
Milho: com foco na China e na safra americana, mercado recua pelo 5º pregão consecutivo em Chicago (08:09)
Soja: prêmios sobem mais de 20% no Brasil, mas queda forte em Chicago limita preços nos portos (08:00)
Terça-Feira, 19/06
BRF anuncia encerramento de produção de aves em Campo Verde (MT) (15:19)
AB Vista atualiza estudos sobre os efeitos de Cálcio X Fitase na alimentação dos monogástricos (14:24)
VIII CLANA tem inscrições com desconto até 10 de agosto (14:21)
Embrapa: ICPFrango foi de 225,89 pontos em maio, alta de 2,72% (08:50)
Em cinco anos, produção de carnes de Mato Grosso vai subir 40%, diz banco (07:49)
MILHO/CEPEA: preços recuam quase 8% em sete dias (07:46)
SOJA/CEPEA: preços caem devido à baixa externa, dólar e produção elevada (07:44)
Após greve dos caminhoneiros, BRF suspenderá abates em Concórdia (SC) (07:41)
Ministro Blairo Maggi vai à Comissão de Agricultura da Câmara (07:35)
Mercado interno do milho apresenta poucas movimentações na abertura da semana (07:32)
Soja sobe nos portos do Brasil nesta 2ª feira estimulada pela alta do dólar e dos prêmios (07:30)
Segunda-Feira, 18/06
Justiça livra adquirente de produto agrícola de recolher o Funrural (08:33)
Nova taxa da China para importação de frango preocupa avicultores e indústria (08:30)
EUA e China travam guerra comercial e, com ela, Brasil só tem a perder (08:29)
Ovo ganha papel de destaque em páginas sobre dietas no Instagram (08:10)
Rally em Chicago retira pressão de queda maior do milho (08:08)
Soja: mercado interno com poucos negócios (08:00)
Sexta-Feira, 15/06
Em sua 59ª edição, Festa do Ovo de Bastos tem espaço ampliado e dia específico para o entretenimento (14:35)
II Encontro ASGAV/SIPARGS sobre energia alternativa e complementar (10:02)
Pedro Parente assume como CEO Global da BRF na próxima semana (08:49)
Pressão derruba diretor de inspeção do Ministério da Agricultura (08:46)
Korin decide ampliar foco dos negócios (08:41)
Creche de Água Clara (MS) conta com o apoio da Cobb-Vantress (08:33)
Wisium lança aplicativo que ajuda empresas do setor avícola melhorarem rentabilidade (08:30)
Agroceres Multimix participa de mais uma edição do Avicultor e mostra que o setor conta com as melhores soluções em nutrição animal (08:25)
IBGE: produção de ovos cresceu 7,1% (08:12)
Abate de frangos caiu 1,2% frente no 1° trimestre de 2018 (08:11)
Preços agrícolas sobem 2,17% em maio, afirma IEA (08:09)
Milho: mesmo com o nervosismo da disputa EUA X China, queda de até 13 pts em Chicago surpreende (08:03)
Soja: mercado brasileiro com poucas referências (07:59)
Soja: com foco na China e na safra dos EUA, mercado recua pelo 2º dia consecutivo em Chicago (07:50)