Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018
Matérias-Primas

Seca na Argentina motiva alta de grãos e 'destrava' o mercado de soja no Brasil
São Paulo, SP, 20 de Fevereiro de 2018 - A escassez de chuvas em importantes regiões produtoras da Argentina abriu uma janela de oportunidade para os produtores brasileiros de soja. Com a alta de preços internacionais e domésticos motivada pela seca no vizinho, a comercialização do grão foi acelerada no Brasil nas últimas semanas depois de um longo período de lentidão. Com isso, estoques acumulados com a colheita recorde da temporada passada (2016/17) têm sido desovados e negócios com a safra que está sendo colhida agora - e que novamente será robusta - ganharam força.

Embora as intempéries argentinas tenham começado em novembro, ainda durante o plantio da safra 2017/18, seus reflexos sobre as lavouras de soja e milho começaram a ficar mais nítidos nas últimas semanas. E, aparentemente, os problemas são maiores do que se imaginava. Para a produção de soja, estimativas que inicialmente chegaram a sinalizar 57 milhões de toneladas já foram reduzidas para 47 milhões. No caso do milho, são esperadas atualmente entre 35 milhões e 37 milhões de toneladas, ante as até 42 milhões projetadas durante a semeadura.

Como já informou o Valor, o governo argentino calcula que, por causa dessas quebras, as perdas dos agricultores do país poderão alcançar cerca de US$ 5 bilhões. Afora os problemas provocados às exportações, justamente o fator que vem oferecendo sustentação às cotações de soja e milho no mercado internacional. Muitos analistas ponderam que tais perdas não são suficientes para gerar desequilíbrios entre oferta e demanda globais, já que os estoques de milho e soja são confortáveis. Mas, como as cotações de ambos recuaram de forma expressiva nos últimos anos, o "fator Argentina" também tem servido para alimentar apostas especulativas.

Na bolsa de Chicago, onde ontem não houve pregão por causa de um feriado nos EUA (Dia do Presidente), os contratos de segunda posição de entrega da soja em grão acumularam até sexta-feira altas de 2,53% em fevereiro e de 7,36% neste ano. As valorizações do farelo de soja são ainda mais expressivas: 10,1% e 18,69%, respectivamente, segundo o Valor Data. No caso do milho, as altas nas mesmas comparações chegaram a 1,49% em fevereiro e 4,46% em 2017.

A Argentina é o terceiro maior país produtor e exportador de soja em grão do mundo - a produção é liderada por EUA e Brasil, nesta ordem, e as exportações por Brasil e EUA. No segmento de farelo de soja, os argentinos são os segundos maiores produtores, atrás dos EUA, e encabeçam as exportações. No mercado de milho, ocupam a terceira posição no ranking dos exportadores. Em razão desse protagonismo, os fundos especulativos que atuam em Chicago aproveitaram as incertezas sobre as safras da Argentina e ampliaram suas apostas na alta de soja nos próximos dias.

Segundo dados divulgados pela Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC), na semana encerrada no dia 13 os gestores de recursos ("managed money") inverteram a mão, deixaram as apostas na queda de preços da soja de lado e fecharam o período com saldo líquido comprado de 42.869 papéis. No mercado de milho o saldo continuou vendido, mas 87,2% menor que o registrado na semana imediatamente anterior (10.614 papéis).

Essa mudança de humor no mercado internacional já se reflete no Brasil. O indicador Esalq/BM&FBovespa para a saca de 60 quilos da soja negociada no porto de Paranaguá (PR), acumula alta superior a 4% em fevereiro, um pouco maior que a do indicador para a saca de milho. No mercado do cereal, a valorização, que também embute previsões de safra menor que a esperada no Brasil ainda gerou poucos efeitos práticos na dinâmica de compra e venda que vinha sendo observada. Mas no mercado de soja a alta serviu para destravar um pouco as negociações.

"Como o preço da soja melhorou, notamos uma aceleração das vendas por parte dos nossos produtores cooperados. Tanto dos grãos da safra passada ]2016/17] que ficaram nos armazéns quanto da produção que está sendo colhida agora", disse na sexta-feira ao Valor José Aroldo Gallassini, presidente da paranaense Coamo, maior cooperativa agropecuária da América Latina. E isso apesar de a colheita continuar atrasada na área de atuação da Coamo e no país.

Conforme a consultoria AgRural, no Paraná a colheita alcançou 5% da área cultivada, 18 pontos percentuais abaixo da média dos últimos cinco anos para o período. Em todo o país, chegou a 17% da área, dois pontos abaixo da média. A produção nacional de soja deverá somar quase 112 milhões de toneladas neste ciclo, de acordo com a Conab.
(Valor ) (Fernando Lopes, Cleyton Vilarino e Fernanda Pressi)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 24/09
Natal sedia dois eventos internacionais de inovação (11:32)
Ceva Saúde Animal estará no 12º Simpósio Técnico ACAV (10:09)
Inaugurado novo Centro de Distribuição De Heus no Nordeste (09:58)
Crise afeta as vendas de equipamentos de frigoríficos (08:38)
Suíça rejeita iniciativas que endureciam exigência para alimentos (08:35)
Membros do comitê técnico do Congresso de Ovos reúnem-se para discutir temário (08:22)
Simpósio de avicultura terá palestra de abertura com jornalista João Borges (08:17)
A avicultura catarinense, por José Antônio Ribas Júnior (08:14)
DSM é nova patrocinadora da Semana do Ovo 2018 (08:09)
No LPN Congress 2018, o Dr. Steve Leeson analizará as mudanças nutricionais em um ambiente livre de AGP (08:04)
Milho: mercado sobe mais de 1% na semana na CBOT com dados da demanda e chuvas nos EUA (08:00)
Soja fecha com balanço semanal positivo apesar das realizações de lucros desta 6ª em Chicago (07:58)
McDonald’s é alertado a cuidar melhor de seus frangos (06:09)
Sexta-Feira, 21/09
Siemens cria centro de competências de carnes no Brasil (08:58)
Rabobank: volatilidade associada ao Brasil é desafio para o mercado global (08:46)
Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC (08:46)
Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)