Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018
Matérias-Primas

Milho assume posição de destaque no MT
Sinop, MT, 20 de Fevereiro de 2018 - O envio de milho de Mato Grosso ao mercado externo representou a metade do valor das exportações do Estado no mês de janeiro. O cereal atingiu US$ 399,400 milhões em negociação, o que representa 46% do total das exportações, que atingiu US$ 860,404 milhões no 1º mês do ano. O cereal teve a alta impulsionada pelo crescimento dos estoques, devido ao excedente da safra passada (2016/2017), e por uma retomada da demanda no mercado externo, que resultou em valorização do produto neste início de ano.

Em janeiro, o envio de milho ao mercado externo somou 2,577 milhões de toneladas. O volume representou aumento de 130% sobre o mesmo período de 2017, quando o montante somou apenas 1,117 milhão (t). Naquele ano, os produtores sofreram com a quebra de safra, que resultou em perda de cerca de 7 milhões (t). Com a super safra produzida no ano passado, que atingiu 30,451 milhões (t) de milho, as exportações do cereal voltaram ao mesmo patamar de anos anteriores.

Em relação aos envios dos últimos 5 anos, o volume de janeiro de 2018 é o maior e ficou próximo ao de 2016, quando as exportações do cereal somaram 2,541 milhões (t), cerca de 1,4% a menos.

O economista Vitor Galesso, especialista em mercado externo, avalia que o crescimento nas exportações foi estimulada por um aumento na demanda a nível mundial e pela recente valorização de preço perante os meses anteriores. “O mercado global está passando por um processo de crescimento por todos os produtos, inclusive do milho. Essa demanda tem sido mais aquecida na Europa, além dos mercados já tradicionalmente de peso, como a Ásia”.

O Irã foi o principal destino do milho de Mato Grosso em janeiro. Foram enviadas 888,415 milhões (t) no período, representando 34% do total das exportações. Logo em seguida aparece a Espanha, destino para onde as empresas exportadoras encaminharam 214,430 milhões (t), conforme o levantamento realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), com base nas informações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic).

Glauber Silveira da Silva, vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho) explica que janeiro geralmente representa um bom período para as exportações do produto com origem de Mato Grosso, devido ao aumento do nível dos rios, o que facilita o transporte para os portos. No ano passado, o produto sofreu com a desvalorização de preço, que chegou a queda de 14,4% sobre o 2016, segundo o último boletim mensal da Conjuntura Econômica do Imea divulgado em fevereiro. A queda foi intensa, mesmo com a alta de 59% da produção. “Quando se produz muito o preço cai. A soja também caiu e essa semana melhorou, mas, fora isso, o preço caiu muito no mercado internacional em relação a todos os produtos, com exceção do algodão”, analisa o vice-presidente da Abramilho.

A produção de milho, que na safra passada (2016/2017) cresceu 59% e atingiu 30,451 milhões (t), terá queda de 16,6% na temporada deste ano (2017/2018). Estimada em 25,404 milhões (t) pelo Imea, a safra deve passar por menos instabilidade em relação aos preços. Segundo a instituição, é prevista valorização de 22,2% no preço em 2018.

Para o economista Vitor Galesso, a demanda mundial mais aquecida tende a valorizar os preços das commodities neste ano. “A expectativa é de crescimento da demanda e, consequentemente, de valorização do preço. Absorvidas as instabilidades, com a baixa na produção deste ano, o setor deve se manter mais aquecido com as vendas principalmente para atender a cadeia de alimentação animal, principal destino do milho”, avalia.

Além do mercado externo, que acaba sendo um dos principais destinos do milho, o setor tem o desafio de diversificar a comercialização dentro do mercado interno. A produção de etanol de milho é uma alternativa totalmente viável e o setor já projeta crescimento nas vendas para esta finalidade nos próximos anos. Ao que parece, as projeções futuras são mais animadoras do que o passado turbulento. Atualmente, o consumo de milho no mercado interno estadual é de cerca de 4,37 milhões (t) segundo dados da 4ª Estimativa de Oferta e Demanda do Milho em 2017, realizada pelo Imea.

Já o consumo interestadual, é de 6,48 milhões (t), o que demonstra que cerca de 1/3 (10,85 milhões de toneladas) da produção estadual já permanece no mercado nacional. Para 2018, que tem safra estimada de 25 milhões (t), este volume deve ser de 9,65 milhões (t), segundo o Imea.

Glauber Silveira, da Abramilho, informa que a produção de etanol à base de milho em Mato Grosso deve impulsionar o consumo dentro do mercado estadual, fazendo-o superar os 10 milhões de toneladas. “O etanol vai ser uma coisa muito boa. O etanol de milho vai crescer bastante e vai fazer com que esse volume aumente muito. A nossa projeção é para que daqui a 5 anos estejamos consumindo 10 milhões de toneladas por ano somente para a produção de etanol”, expõe.

De acordo com Silveira, pelo menos mais duas usinas dedicadas à produção exclusiva de etanol de milho devem ser instaladas em Mato Grosso até o próximo ano. Atualmente, já há uma em operação instalada no município de Lucas do Rio Verde, inaugurada em agosto do ano passado. “Os projetos de instalação de usinas são vários. Mas pelos menos duas ou três deverão entrar em operação até 2019. Fora isso, ainda temos as usinas flex (que produzem etanol de cana de açúcar e de milho), o que deve dobrar esse número para a produção do biodiesel”.
(AgroNotícias) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 24/09
Natal sedia dois eventos internacionais de inovação (11:32)
Ceva Saúde Animal estará no 12º Simpósio Técnico ACAV (10:09)
Inaugurado novo Centro de Distribuição De Heus no Nordeste (09:58)
Crise afeta as vendas de equipamentos de frigoríficos (08:38)
Suíça rejeita iniciativas que endureciam exigência para alimentos (08:35)
Membros do comitê técnico do Congresso de Ovos reúnem-se para discutir temário (08:22)
Simpósio de avicultura terá palestra de abertura com jornalista João Borges (08:17)
A avicultura catarinense, por José Antônio Ribas Júnior (08:14)
DSM é nova patrocinadora da Semana do Ovo 2018 (08:09)
No LPN Congress 2018, o Dr. Steve Leeson analizará as mudanças nutricionais em um ambiente livre de AGP (08:04)
Milho: mercado sobe mais de 1% na semana na CBOT com dados da demanda e chuvas nos EUA (08:00)
Soja fecha com balanço semanal positivo apesar das realizações de lucros desta 6ª em Chicago (07:58)
McDonald’s é alertado a cuidar melhor de seus frangos (06:09)
Sexta-Feira, 21/09
Siemens cria centro de competências de carnes no Brasil (08:58)
Rabobank: volatilidade associada ao Brasil é desafio para o mercado global (08:46)
Açúcar leva Brasil a acionar China na OMC (08:46)
Quinta-Feira, 20/09
Gestão de estoques se torna prioridade de Pedro Parente na BRF (11:48)
Só falta o aval da Casa Civil para pesquisador assumir a presidência da Embrapa (11:43)
Multinacional De Heus finca base de logística de carne em Caruaru (11:08)
Alterion ganha prêmio Innovspace (10:58)
BRF enfrenta crescente competição por milho com indústria de etanol (08:48)
Quarta-Feira, 19/09
Indústria vê queda na produção de ração no Brasil no 1º semestre e perspectiva negativa (10:26)
Idoso de 111 anos ‘ensina’ como viver muito e com saúde (09:52)
Arroz e feijão estão entre os alimentos mais desperdiçados no Brasil (09:49)
BRF está pronta para voltar aos “velhos tempos” (09:22)
Embrapa seguirá sob comando de pesquisador (08:56)
Soja: recuo em Chicago pesa sobre preços nos portos do BR, mas dólar e prêmios limitam baixa (07:59)
Simpósio de avicultura discutirá qualidade na produção de matrizes (07:58)
Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana (07:56)
Plantio da soja no Paraná atinge 9% da área e colheita do milho bate em 99% (07:13)
Sem oferta, mercado do boi gordo registra alta em São Paulo (07:12)
China está redirecionando investimentos dos EUA para a Europa (07:11)
Milho: focado na colheita nos EUA, mercado recua pelo segundo dia consecutivo na Bolsa de Chicago (07:00)
Terça-Feira, 18/09
Semana do Ovo 2018 conta com patrocínio da Label Rouge (13:43)
Wisium reforça presença no Nordeste (13:36)
Com Brexit, Europa se prepara para nova logística de importação (09:11)
VIII CLANA anuncia tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos" (09:06)
Florence faz Sanderson Farms perder 1,7 milhão de frangos (08:41)
Porto de Roterdã mantém o rigor na fiscalização de carnes do Brasil (08:37)
Governo reduz novamente orçamento para o seguro rural (08:25)
Tabela de frete provoca aumento nas importações brasileiras de cereais (08:23)
Surto de febre suína na China favorece criadores de frango (08:20)
Milho: em Chicago, mercado fecha pregão desta 2ª em campo negativo de olho na colheita nos EUA (08:18)
Soja tem novo dia de baixas em Chicago nesta 3ª ainda sentindo pressão da disputa EUA x China (08:07)