Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2018
Matérias-Primas

Milho assume posição de destaque no MT
Sinop, MT, 20 de Fevereiro de 2018 - O envio de milho de Mato Grosso ao mercado externo representou a metade do valor das exportações do Estado no mês de janeiro. O cereal atingiu US$ 399,400 milhões em negociação, o que representa 46% do total das exportações, que atingiu US$ 860,404 milhões no 1º mês do ano. O cereal teve a alta impulsionada pelo crescimento dos estoques, devido ao excedente da safra passada (2016/2017), e por uma retomada da demanda no mercado externo, que resultou em valorização do produto neste início de ano.

Em janeiro, o envio de milho ao mercado externo somou 2,577 milhões de toneladas. O volume representou aumento de 130% sobre o mesmo período de 2017, quando o montante somou apenas 1,117 milhão (t). Naquele ano, os produtores sofreram com a quebra de safra, que resultou em perda de cerca de 7 milhões (t). Com a super safra produzida no ano passado, que atingiu 30,451 milhões (t) de milho, as exportações do cereal voltaram ao mesmo patamar de anos anteriores.

Em relação aos envios dos últimos 5 anos, o volume de janeiro de 2018 é o maior e ficou próximo ao de 2016, quando as exportações do cereal somaram 2,541 milhões (t), cerca de 1,4% a menos.

O economista Vitor Galesso, especialista em mercado externo, avalia que o crescimento nas exportações foi estimulada por um aumento na demanda a nível mundial e pela recente valorização de preço perante os meses anteriores. “O mercado global está passando por um processo de crescimento por todos os produtos, inclusive do milho. Essa demanda tem sido mais aquecida na Europa, além dos mercados já tradicionalmente de peso, como a Ásia”.

O Irã foi o principal destino do milho de Mato Grosso em janeiro. Foram enviadas 888,415 milhões (t) no período, representando 34% do total das exportações. Logo em seguida aparece a Espanha, destino para onde as empresas exportadoras encaminharam 214,430 milhões (t), conforme o levantamento realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), com base nas informações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic).

Glauber Silveira da Silva, vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho) explica que janeiro geralmente representa um bom período para as exportações do produto com origem de Mato Grosso, devido ao aumento do nível dos rios, o que facilita o transporte para os portos. No ano passado, o produto sofreu com a desvalorização de preço, que chegou a queda de 14,4% sobre o 2016, segundo o último boletim mensal da Conjuntura Econômica do Imea divulgado em fevereiro. A queda foi intensa, mesmo com a alta de 59% da produção. “Quando se produz muito o preço cai. A soja também caiu e essa semana melhorou, mas, fora isso, o preço caiu muito no mercado internacional em relação a todos os produtos, com exceção do algodão”, analisa o vice-presidente da Abramilho.

A produção de milho, que na safra passada (2016/2017) cresceu 59% e atingiu 30,451 milhões (t), terá queda de 16,6% na temporada deste ano (2017/2018). Estimada em 25,404 milhões (t) pelo Imea, a safra deve passar por menos instabilidade em relação aos preços. Segundo a instituição, é prevista valorização de 22,2% no preço em 2018.

Para o economista Vitor Galesso, a demanda mundial mais aquecida tende a valorizar os preços das commodities neste ano. “A expectativa é de crescimento da demanda e, consequentemente, de valorização do preço. Absorvidas as instabilidades, com a baixa na produção deste ano, o setor deve se manter mais aquecido com as vendas principalmente para atender a cadeia de alimentação animal, principal destino do milho”, avalia.

Além do mercado externo, que acaba sendo um dos principais destinos do milho, o setor tem o desafio de diversificar a comercialização dentro do mercado interno. A produção de etanol de milho é uma alternativa totalmente viável e o setor já projeta crescimento nas vendas para esta finalidade nos próximos anos. Ao que parece, as projeções futuras são mais animadoras do que o passado turbulento. Atualmente, o consumo de milho no mercado interno estadual é de cerca de 4,37 milhões (t) segundo dados da 4ª Estimativa de Oferta e Demanda do Milho em 2017, realizada pelo Imea.

Já o consumo interestadual, é de 6,48 milhões (t), o que demonstra que cerca de 1/3 (10,85 milhões de toneladas) da produção estadual já permanece no mercado nacional. Para 2018, que tem safra estimada de 25 milhões (t), este volume deve ser de 9,65 milhões (t), segundo o Imea.

Glauber Silveira, da Abramilho, informa que a produção de etanol à base de milho em Mato Grosso deve impulsionar o consumo dentro do mercado estadual, fazendo-o superar os 10 milhões de toneladas. “O etanol vai ser uma coisa muito boa. O etanol de milho vai crescer bastante e vai fazer com que esse volume aumente muito. A nossa projeção é para que daqui a 5 anos estejamos consumindo 10 milhões de toneladas por ano somente para a produção de etanol”, expõe.

De acordo com Silveira, pelo menos mais duas usinas dedicadas à produção exclusiva de etanol de milho devem ser instaladas em Mato Grosso até o próximo ano. Atualmente, já há uma em operação instalada no município de Lucas do Rio Verde, inaugurada em agosto do ano passado. “Os projetos de instalação de usinas são vários. Mas pelos menos duas ou três deverão entrar em operação até 2019. Fora isso, ainda temos as usinas flex (que produzem etanol de cana de açúcar e de milho), o que deve dobrar esse número para a produção do biodiesel”.
(AgroNotícias) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 17/12
Sexta-Feira, 14/12
Encontro de Qualidade Industrial recebe patrocínio e palestra da Cobb-Vantress (16:04)
Sindirações projeta crescimento de até 3% para 2019 (14:37)
FRANGO/CEPEA: abate avança no terceiro trimestre (10:15)
OVOS/CEPEA: maior produção impacta negativamente o setor em 2018 (09:59)
Inscrições abertas para os Trabalhos Científicos na 5ª FAVESU (09:57)
Venda de frango a árabes cai, mas pode voltar a crescer (08:11)
Volume de aves e suínos será menor neste ano, aponta a ABPA (08:07)
Produção de ração no Brasil cresce 0,6% e tem novo recorde em 2018 (08:06)
2ª Conbrasul Ovos 2019: Gramado será a capital internacional da avicultura de postura de 16 a 19 de junho (08:04)
Programa técnico do Congresso de Ovos já tem principais temas definidos (08:03)
Quinta-Feira, 13/12
_produção de ovos de galinha é a maior da série histórica (11:04)
Abate de frangos em agosto foi o segundo maior do ano (11:03)
Já começa a faltar crédito rural a juros controlados (09:17)
IBGE confirma avanço em abates de bovinos e suínos, e queda no frango (09:08)
Plasson investe R$ 28 milhões em expansão da unidade fabril, em Criciúma (08:20)
ABRA protocola ofício com solicitação que impacta indústrias produtoras de farinhas de pena, peixe e sangue (08:14)
Indústria de ovos dos EUA: desafios e oportunidades (08:11)
Fundamentos teóricos e aplicação no processamento de ovos e derivados (08:08)
Quarta-Feira, 12/12
Pioneirismo e inovação marcam 10 anos da Yes (10:12)
Exportações de carne bovina deverão bater novos recordes no ano que vem (08:41)
Embrapa fecha acordo com Sindan para pré-análise de novos produtos veterinários (08:40)
Granja do Cedro é destaque de pecuária no prêmio “As melhores da Dinheiro Rural” (08:40)
Safra pode repetir recorde com 238,4 milhões de toneladas (07:57)
Encontro de Avicultores premia os melhores da Integração Aurora/Cocari (07:56)
Assembleia Legislativa de Goiás homenageia dirigentes da Pif Paf Alimentos (07:54)
BRDE assina contratos de R$ 100 milhões com cooperativas paranaenses durante encontro da Ocepar (07:53)
A crescente preocupação com ectoparasitas e os prejuízos econômicos causados por estes (07:50)
Milho: Bolsa de Chicago segue tendência do dia e fecha terça-feira com pouca movimentação (07:50)
Além do enriquecimento de ovos, selênio apresenta benefícios produtivos (07:48)
Aviagen Estreia “I Escola de Incubação” da América Latina (07:25)
Terça-Feira, 11/12
Cresce dependência do agronegócio brasileiro das importações chinesas (08:06)
Milho: cotação da Bolsa de Chicago encerra segunda-feira próxima da estabilidade (08:03)
Soja: Brasil fecha o dia com estabilidade com recuo de Chicago e dos prêmios (08:00)
Mercado do boi gordo apresenta cenários distintos (07:58)
Inaugurado laboratório de referência em Campinas (07:55)