Terça-feira, 22 de Maio de 2018
Matérias-Primas

Preço desagrada e comercialização da safra patina
São Paulo, SP, 22 de Janeiro de 2018 - As vendas dos grãos da safra atual, a 2017/18, caminham em ritmo mais lento que no ciclo passado, que já foi marcado por negociações travadas. Mais uma vez a razão são preços considerados baixos na bolsa de Chicago. E, de acordo com analistas, até o segundo semestre as negociações devem continuar numa toada semelhante, já que a previsão é de preços estáveis para soja e de queda para o milho.

Enquanto o preço da soja não reage, a tendência é que o produtor continue retraído. Segundo o pesquisador do Cepea, Lucilio Alves, os estoques mundiais ainda estão muito altos. "Os contratos apontam estabilidade nos preços durante todo o primeiro semestre, e só um problema com as safras pode mudar o quadro", disse.

Reflexo desse cenário, a venda antecipada de soja em Mato Grosso, maior Estado produtor do país, mostra atraso de 12,9 pontos percentuais ante a média das últimas cinco safras, com 13 milhões de toneladas do ciclo 2017/18 comercializadas, conforme o Imea.

Segundo Victor Ikeda, analista do Rabobank, há expectativa de algum suporte ao preço no segundo semestre, com uma possível redução da safra americana no ciclo 2018/19. Os números de comercialização da safra brasileira do ciclo 2017/18 do Rabobank apontam vendas em 30% da produção estimada, aquém da média histórica de 43% para o período.

Na avaliação do sócio-diretor da Agroconsult, André Pessôa, a cotação em Chicago pode chegar aos US$ 10 o bushel no segundo semestre. No pregão de sexta-feira, os contratos para março fecharam a US$ 9,7725 o bushel.

Mais otimista, Vitor Minella, da Meneghetti Corretora de Cereais, de Campo Verde (MT) crê que a produção de soja do ciclo 2017/18 no país, estimada em 110,4 milhões de toneladas pela Conab, será insuficiente para atender a demanda externa crescente, o que deve sustentar o preço. O Rabobank, porém, projeta embarques de 67 milhões de toneladas este ano, 1,3 milhão a menos que o recorde de 2017.

Para o milho, não há perspectiva de que os preços subam em Chicago, uma vez que a oferta global é abundante. Além disso, mesmo com as possíveis reduções de área e de produtividade na safrinha do ciclo 2017/18 no Brasil, ainda há estoques da safra passada.

Para a Agroconsult, dificilmente o milho subirá acima dos US$ 4 o bushel neste ano. Na sexta-feira, o contrato com entrega em julho (momento em que a safrinha entra no mercado) encerrou o pregão de Chicago em US$ 3,69 o bushel.

Segundo o Imea, foram fechados até agora contratos para comercialização de 5 milhões de toneladas de milho da safrinha 2017/18, cujo plantio está se iniciando. No mesmo período de 2017, a venda antecipada chegava a 7,8 milhões de toneladas.
(Valor Econômico) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 22/05
ABPA alerta sobre os riscos de continuidade das paralisações e bloqueios nas rodovias federais e estaduais do País (10:31)
Fim do embargo russo a carnes está próximo (08:52)
Preços agropecuários em São Paulo subiram 2,14% em abril (08:24)
Rússia reabrirá seu mercado às carnes do Brasil (08:19)
Milho: mercado brasileiro apresenta leves movimentações (08:05)
MILHO/CEPEA: incertezas quanto à produtividade e alta do dólar elevam preço interno (08:02)
SOJA/CEPEA: dólar se valoriza, mas prêmio e preço externo recuam no Brasil (08:01)
Chicago x Dólar: preços da soja no BR mantêm equilíbrio após dia intenso (08:00)
Segunda-Feira, 21/05
Cobb-Vantress participa de evento Avicola & Porcinos, na Argentina (14:40)
Preços agropecuários: IEA aponta nova alta em abril de 2018 (11:07)
FRANGO/CEPEA: menor disponibilidade de carne e demanda mais firme elevam cotações (09:14)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:13)
Custos de produção de suínos e de frangos de corte acumulam mais um mês de aumento em 2018 (08:59)
Aviagen anuncia Novo Gerente Global de Serviços de Nutrição (08:43)
Consultoria reduz em mais de 15% previsão da 2ª safra de milho do Brasil por seca (08:10)
Soja: mercado sobe mais de 1% em Chicago nesta 2ª com suspensão da disputa entra China e EUA (08:00)
Sexta-Feira, 18/05
OMC vê desaceleração no comércio, que já atinge os emergentes (11:38)
Blairo Maggi anuncia abertura do mercado da Coreia do Sul para carne suína brasileira (11:36)
Vendas do campo ao Irã em risco (09:01)
Blairo pede para que China não aplique sobretaxa ao frango brasileiro (08:52)
Ceva Saúde Animal e a Associação Mundial de Medicina Veterinária premiam pesquisador brasileiro por estudos voltados ao bem-estar animal (08:47)
Nova Supervisora Regional de Serviços Técnicos da Aviagen no Brasil traz grande conhecimento em frangos de corte (08:41)
Apesar das chuvas próximas nos EUA, milho cai 4 pontos na CBOT por ajuste técnico (08:09)
Soja tem boas altas em Chicago nesta 6ª feira com correção técnica e expectativas sobre a China (08:00)
Quinta-Feira, 17/05
Aviagen expande capacidade de incubatório no Brasil (09:09)
JBS na mira da CVM em caso do IPO (06:56)
Bronquite Infecciosa: Um desafio para indústria avícola mundial (06:45)
Blairo Maggi afirma que pauta de exportações entre Brasil e China será diversificada (06:43)
Não faltam recursos para financiamento da safra, afirma Wilson Vaz de Araújo (06:39)
Sobra milho, mas há importação (06:25)
Milho: Chicago devolve parte dos ganhos da véspera e os futuros perderam até 3 pontos nesta 4ª feira (06:20)
Soja fecha com forte baixa em Chicago, mas dólar em alta limita recuo no Brasil (06:15)
Quarta-Feira, 16/05
Exportações do agronegócio garantiram superávit da balança comercial (06:54)
Safeeds apresenta programa para controle de Salmonella (06:51)
Ministro da Agricultura anuncia diálogo com a União Europeia para retomar exportação de carne de frango (06:48)
Eumar Novacki debate saúde animal com produtores do Oeste Catarinense (06:46)
Para JBS, alta dos preços dos grãos deverá perdurar (06:43)
BRF está proibida de exportar para a Europa a partir de hoje (06:39)
Milho do Paraná tem pior condição que em 2015/16, quando safra quebrou, diz Deral (06:38)
Chuvas nos EUA puxam o milho em até 5,75 pts; alta também na BM&F e em Sorriso mais de 6,5 % (06:37)
Soja: preços e negócios no Brasil são favorecidos pela disparada do dólar (06:36)