Domingo, 19 de Agosto de 2018
Matérias-Primas

Preço desagrada e comercialização da safra patina
São Paulo, SP, 22 de Janeiro de 2018 - As vendas dos grãos da safra atual, a 2017/18, caminham em ritmo mais lento que no ciclo passado, que já foi marcado por negociações travadas. Mais uma vez a razão são preços considerados baixos na bolsa de Chicago. E, de acordo com analistas, até o segundo semestre as negociações devem continuar numa toada semelhante, já que a previsão é de preços estáveis para soja e de queda para o milho.

Enquanto o preço da soja não reage, a tendência é que o produtor continue retraído. Segundo o pesquisador do Cepea, Lucilio Alves, os estoques mundiais ainda estão muito altos. "Os contratos apontam estabilidade nos preços durante todo o primeiro semestre, e só um problema com as safras pode mudar o quadro", disse.

Reflexo desse cenário, a venda antecipada de soja em Mato Grosso, maior Estado produtor do país, mostra atraso de 12,9 pontos percentuais ante a média das últimas cinco safras, com 13 milhões de toneladas do ciclo 2017/18 comercializadas, conforme o Imea.

Segundo Victor Ikeda, analista do Rabobank, há expectativa de algum suporte ao preço no segundo semestre, com uma possível redução da safra americana no ciclo 2018/19. Os números de comercialização da safra brasileira do ciclo 2017/18 do Rabobank apontam vendas em 30% da produção estimada, aquém da média histórica de 43% para o período.

Na avaliação do sócio-diretor da Agroconsult, André Pessôa, a cotação em Chicago pode chegar aos US$ 10 o bushel no segundo semestre. No pregão de sexta-feira, os contratos para março fecharam a US$ 9,7725 o bushel.

Mais otimista, Vitor Minella, da Meneghetti Corretora de Cereais, de Campo Verde (MT) crê que a produção de soja do ciclo 2017/18 no país, estimada em 110,4 milhões de toneladas pela Conab, será insuficiente para atender a demanda externa crescente, o que deve sustentar o preço. O Rabobank, porém, projeta embarques de 67 milhões de toneladas este ano, 1,3 milhão a menos que o recorde de 2017.

Para o milho, não há perspectiva de que os preços subam em Chicago, uma vez que a oferta global é abundante. Além disso, mesmo com as possíveis reduções de área e de produtividade na safrinha do ciclo 2017/18 no Brasil, ainda há estoques da safra passada.

Para a Agroconsult, dificilmente o milho subirá acima dos US$ 4 o bushel neste ano. Na sexta-feira, o contrato com entrega em julho (momento em que a safrinha entra no mercado) encerrou o pregão de Chicago em US$ 3,69 o bushel.

Segundo o Imea, foram fechados até agora contratos para comercialização de 5 milhões de toneladas de milho da safrinha 2017/18, cujo plantio está se iniciando. No mesmo período de 2017, a venda antecipada chegava a 7,8 milhões de toneladas.
(Valor Econômico) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 19/08
Sexta-Feira, 17/08
China estende por 6 meses investigação antidumping sobre importação de frango do Brasil (09:10)
Maggi cobra transparência e responsabilidade de empresas para o crescimento do agro (09:09)
Uso de modelos matemáticos na nutrição animal (07:30)
Suíno Vivo: cotações permanecem estáveis, com tendência para novas altas (07:28)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro das expectativas (07:27)
Milho: com alta da soja e do trigo, mercado amplia ganhos no pregão desta 5ª feira em Chicago (07:27)
Desinfecção de ovos férteis será tema de palestra no 12º Simpósio da ACAV (07:25)
Soja sobe quase 3% em Chicago impulsionada por retomada de negociações entre China e EUA (07:25)
Grupo Mantiqueira lança a sua primeira linha de ovos produzidas no sistema "cage free" (07:24)
Desinfecção de ovos férteis será tema de palestra no 12º Simpósio da ACAV (07:00)
Quinta-Feira, 16/08
SUÍNOS/CEPEA: preços da carne e do animal vivo se elevam pela 2ª semana seguida (11:58)
BOI/CEPEA: preços fecham 1ª quinzena em alta (11:50)
Ricardo Santin recebe distinção: Personalidade da Avicultura Nacional (11:41)
Exportação aos árabes cai em receita, mas cresce em volume (09:03)
Jantar do Galo Especial e Prêmio Talentos da Avicultura RS será realizado nesta sexta-feira (17) em Gramado/RS (08:49)
Aumento da oferta de frango pressiona Seara (07:45)
Agronegócio brasileiro ganha mais espaço no mercado turco (07:44)
Alta de custo com frete para exportador pode chegar a R$ 25 bilhões (07:43)
Governo prorrogará pela quinta vez prazo de adesão a Refis do Funrural (07:38)
VIII CLANA: última semana de envio de trabalhos científicos e inscrições com desconto (07:37)
Milho: produtores seguram vendas e preços têm mais um dia de alta no mercado interno (07:35)
Soja cede mais de 10 pts em Chicago com pressão do dólar e intensa aversão ao risco (07:30)
Quarta-Feira, 15/08
Soja limita retração do valor da produção agropecuária do país (11:38)
Impacto da alta do dólar levou JBS a prejuízo de quase R$ 1 bi no 2º tri (08:25)
Miniboom de commodities está acabando, diz estudo (08:23)
Valor da Produção Agropecuária é de R$ 563,5 bilhões (08:17)
Milho: safra dos EUA dá suporte e mercado fecha a terça-feira com valorização de mais de 1% em Chicago (08:10)
Dificuldades financeiras da Argentina auxiliam soja em Chicago (08:01)
Soja devolve parte dos últimos ganhos em Chicago e opera com leve baixa nesta 4ª feira (08:00)
Terça-Feira, 14/08
Crédito rural: necessário manter e inovar (09:38)
Frango deve ficar mais caro para consumidores de MT nesta semana (09:26)
MILHO/CEPEA: estimativas de menor oferta mantêm vendedor recuado e preço segue em alta (07:57)
SOJA/CEPEA: dólar, exportação à China e menor estoque impulsionam cotações no Brasil (07:56)
Decisão sobre o glifosato alerta sojicultor no Brasil (07:51)
Milho: com clima favorável nos EUA, mercado recua nesta 2ª na CBOT e consolida 3ª desvalorização consecutiva (07:48)
Soja trabalha com estabilidade nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago ainda se ajustando (07:47)