Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018
Matérias-Primas

Estoque pode compensar produção menor de milho
São Paulo, 19 de Dezembro de 2017 - Acendeu o sinal amarelo para a oferta de milho: a exportação continua aquecida, a área de plantio será menor nas duas safras (verão e inverno) e, a depender do clima, essa situação pode agravar-se ainda mais. É o que mostram os dados mais recentes do setor.

O que pode compensar esse quadro difícil é o grande estoque de passagem desta safra para a outra.

As exportações de dezembro, mantido o ritmo atual obtido até a terceira semana, deverão fechar o mês em 4,3 milhões de toneladas, bem acima do volume de dezembro de 2016 (368 mil).

Com a venda externa deste mês, o volume do ano vai para 30 milhões de toneladas. Em 2016, foram 22 milhões.

Os números do próximo ano serão bem distintos dos deste. A produção nacional de milho de 2018 deverá recuar para 84 milhões de toneladas, um volume 13,5 milhões inferior ao deste ano, conforme dados da AgRural.

Essa queda ocorre devido a uma perda de área destinada ao milho tanto na safra de verão como na de inverno.

Na avaliação da AgRural, a área de plantio de milho poderá sofrer um recuo considerável: dos 12,1 milhões de hectares da safra de 2016/17 para algo em torno de 10,8 milhões na de 2017/18.

Para Mato Grosso, o principal produtor do país, estima-se um grande recuo. Nos cálculos do Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Aplicada), a área da safrinha deve cair para 4,2 milhões de hectares em 2018, 10% a menos do que a deste ano.

A produção do Estado, devido a uma produtividade menor, pode amargar expressivo recuo (19%), caindo para 24,7 milhões de toneladas.

A Conab ainda mantém uma produção de 92 milhões de toneladas de milho, mas esse número deverá ser ajustado após fevereiro, quando o órgão começará a fazer estimativas para a safrinha.

Somando as projeções de produção da AgRural (84,1 milhões de toneladas) e os estoques de passagem da Conab (19,4 milhões), a oferta de milho seria de 103,5 milhões de toneladas.

Descontados o consumo interno (58,5 milhões de toneladas) e a exportação (30 milhões), os estoques de 2017/18 ficariam próximos de 15 milhões de toneladas.

Ainda é um volume que dá boa sustentação ao mercado, mas qualquer problema climático mais sério, principalmente durante a safrinha, traria preocupação aos compradores e esperanças de preços melhores aos produtores.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 17/01
Yamasa estará presente na IPPE, em Atlanta, pela 13ª vez consecutiva (09:43)
Terça-Feira, 16/01
Médicos Veterinários e Zootecnistas paulistas poderão votar on-line pela primeira vez (21:09)
Conab negocia mais remoções de milho para o Nordeste (15:45)
Superavit de US$ 81,86 bilhões do agronegócio foi o 2º maior da história (15:43)
Coopavel: um show de atrações nos 30 anos de um dos maiores eventos do agronegócio mundial (15:41)
Brasil busca ampliar vendas de produtos agrícolas para a Ásia (14:31)
CASP participa de edição histórica do Show Rural Coopavel (08:43)
Segunda-Feira, 15/01
Proibir carne em certos dias da semana só pode ser ideia de fascista (20:59)
C.Vale cancela edição 2018 do Dia de Campo (19:07)
Inscrições no CAR foram prorrogadas até 31 de maio de 2018 (19:02)
Aberta consulta pública sobre procedimentos na produção de alimentação animal (19:00)
Sexta-Feira, 12/01
Evonik e Fufeng Group firmam parceria estratégica para a produção de ThreAMINO® (09:22)
Ganhar músculos: é melhor comer ovo inteiro ou só as claras? (08:00)
Quinta-Feira, 11/01
Em 2018 safra de grãos pode chegar aos 228 milhões/t (11:07)
Japão relata 1º caso suspeito de 2018 de gripe aviária (09:12)
Aviagen apresenta nova estrutura organizacional com foco no atendimento ao cliente em toda a América Latina (09:03)