Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
Produção

Fiesp atrela avanço do campo a reformas
São Paulo, 18 de Dezembro de 2017 -

Poucas vezes nas últimas décadas os produtores rurais do país dependeram tanto de soluções concretas para antigos gargalos estruturais domésticos como agora. Mas, tendo em vista o cenário de menor volatilidade em mercados globais nos quais o Brasil desempenha papel de liderança, melhoras na infraestrutura e no ambiente macroeconômico de urgentes tornaram-se inadiáveis, caminho de mão única para garantir que na próxima década avanços observados nos últimos 20 anos não sejam desperdiçados.

Em linhas gerais, é o que aponta o "Outlook Fiesp - Projeções para o Agronegócio Brasileiro 2027", trabalho recém-concluído pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. E que, partindo da premissa de que as melhorias necessárias de uma forma ou de outra vão acontecer, confirma que o setor continuará a crescer em ritmo anual mais de dois pontos percentuais superior ao da média mundial em alguns segmentos, embora menor que o dos últimos dez anos. "Responsável, em grande parte, pelo início da recuperação econômica em 2017, o agronegócio continuará como um dos protagonistas do Brasil que queremos ser", afirma Paulo Skaf, presidente da Fiesp.

A desaceleração confirmada agora - a mesma tendência foi apontada nos "Outlooks" anteriores da Fiesp, dado o peso da forte escalada registrada entre 2001 e 2010 - não significa que os incrementos estimados serão pouco expressivos. Para a soja, por exemplo, o estudo projeta até a temporada 2026/27 aumentos de 17% da área plantada (para 39,7 milhões de hectares), de 8% da produtividade (para 3,6 toneladas por hectare) e de 27% da produção (para 144,4 milhões de toneladas), sempre tomando-se como base resultados do ciclo 2016/17. Nesse horizonte, as exportações líquidas do grão, carro-chefe do campo nacional, chegariam a 89,8 milhões de toneladas, 43% mais na mesma comparação.

São igualmente positivas as projeções para produção e exportação de farelo de soja, enquanto o óleo de soja também registrará avanços, mas impulsionado pelos prometidos aumentos do percentual de mistura obrigatória do biodiesel no diesel vendido no país, que em março já subirá de 8% para 10%. Tudo isso, é claro, a depender do comportamento do clima. Qualquer vento fora da curva, para o bem ou para o mal, resultará em números diferentes, mesmo que não gere mudanças radicais de rota. Por causa dessa grande influência climática, a Fiesp atualizará seu "Outlook" permanentemente.

Para o milho, o cenário desenhado indica que até 2026/27 haverá incrementos de 10% da área plantada (para 19,3 milhões de hectares), de 10% da produtividade (para 6,1 toneladas por hectare) e de 20% da produção (para 117,7 milhões de toneladas). As exportações poderão aumentar 75% e superar 53 milhões de toneladas, mas, como no caso do farelo de soja, o crescimento da demanda doméstica para a fabricação de rações para aves e suínos também será vital para impulsionar uma firme expansão da oferta do cereal.

Para a carne de frango, o trabalho da Fiesp aponta para aumentos, até 2027, de 23% da produção (para 15,8 milhões de toneladas) e de 31% das exportações (para 5,7 milhões de toneladas). Mas também sinaliza altas de 11% do consumo per capita em relação ao patamar de 2016 (para 48,2 quilos) e, assim, de 19% da demanda interna (para 10,7 milhões de toneladas). Na carne suína, os saltos projetados são ainda maiores - o da demanda doméstica chega a 27%, para 3,6 milhões de toneladas.

No segmento de proteínas animais, são igualmente positivas as previsões de avanço da carne bovina, nos fronts externo e interno. Até 2027, o "Outlook" vê incrementos de 21% da produção (para 11,2 milhões de toneladas), de 53% das exportações (para 2 milhões de toneladas) e de 14% do consumo no país (para 8,7 milhões de toneladas). Mas poucas cadeias dependem tanto de boas condições macroeconômicas irradiadas das políticas definidas em Brasília como essa, como destacam os autores do estudo.

"Soja, milho e carnes são exemplos de que não há grandes mudanças no cenário geral previsto para a próxima década em relação ao que sinalizaram os ' Outlooks' anteriores. São tempos de menor volatilidade de preços no mercado internacional, o que, pelo menos para 2018, significa que a 'inflação dos alimentos' deverá continuar baixa no país. Mas isso a depender do futuro das reformas em curso - e se as eleições presidenciais do ano que vem terão reflexos sobre elas", diz Antonio Carlos Costa, gerente do Departamento do Agronegócio (Deagro) da Fiesp.

Alexandre Mendonça de Barros, diretor da consultoria MB Agro, parceira da Fiesp no trabalho, reforça que o que estará em jogo nas próximas eleições é justamente a continuidade da agenda reformista. Sob uma ótica mais abrangente, essa "disputa" certamente terá desdobramentos importantes sobre o modelo de política agrícola adotado no país. Mas é preciso observar, como realça o especialista, que as oscilações do câmbio também estão em jogo, e que essa é uma variável de grande relevância para a rentabilidade dos produtores brasileiros, sobretudo os que fazem parte das cadeias exportadoras.

O novo "Outlook" da Fiesp não deixa de contemplar, finalmente, a importância das novas ferramentas de crédito à disposição dos produtores rurais em tempos de queda da Selic, a proliferação de tecnologias a preços acessíveis voltadas aos diferentes segmentos e o caráter indispensável da defesa sanitária para o país manter e abrir novos mercados para os produtos do setor.

Mais em www.fiesp.com.br/outlook

(Valor Econômico) (Fernando Lopes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 26/04
Quinta-Feira, 25/04
China: prejuízos com suíno, lucro com frango (14:38)
Seara, da JBS, recebe autorização para exportar frango para a Índia (12:24)
Empresa catarinense investe R$ 20 milhões em Apucarana (12:23)
CNA pede redução dos juros (08:25)
Soja atinge menor valor desde outubro (08:23)
Condomínio Avícola Encantado II e Sicredi formalizam contrato para viabilizar empreendimento (07:55)
Avimig participa de Audiência com governador de MG, Romeu Zema (07:44)
Em academia, nutricionista do Instituto Ovos Brasil dá dicas sobre o consumo de ovos e a prática de exercícios físicos (07:43)
Inflação que vem do campo agora tem foco nas carnes (07:36)
Copacol apresentou resultados positivos no primeiro trimestre (07:36)
Pernambuco: Lei que prevê a rastreabilidade de ovos é adiada (07:35)
Associação Paulista de Avicultura declara seu apoio à decisão do governo de SP sobre realização de feira de orgânicos (07:34)
Embrapa apresenta vídeos sobre práticas de debicagem em galinhas de postura (07:33)
Agricultura do Paraná propõe fusão de empresas a elas vinculadas (07:30)
Boi Gordo: entre a estabilidade e a queda (07:16)
Grandes estoques e ritmo de plantio deixam Bolsa de Chicago com queda de preços do milho (07:04)
Soja volta a recuar em Chicago ainda com pressão do clima e da demanda (07:00)
Quarta-Feira, 24/04
Os danos da vitória dos caminhoneiros (14:32)
Greve dos caminhoneiros: ANTT altera piso mínimo da tabela do frete (14:31)
Crise reformulará mercado global de proteínas animais (07:53)
Peste suína na China faz ações de frigoríficos dispararem (07:50)
Boi gordo: demanda em baixa, mas oferta restrita limita quedas (07:36)
Avanço do plantio americano deixa cotações do milho em baixa na Bolsa de Chicago (07:33)
Soja fecha com mais de 15 pts de baixa em Chicago e preços caem mais no Brasil (07:30)
China deve aumentar compras de frangos e suínos (07:12)
Workshop visa esclarecer adequações de instalações aduaneiras a exigências do Vigiagro (07:11)
BRF: Parece que o jogo virou, não é mesmo? (07:10)
Terça-Feira, 23/04
Negociações do Plano Safra na reta final (08:50)
Plantio de milho avança nos EUA, o que é bom para o sojicultor brasileiro (07:03)
Elanco começa trajetória independente da Eli Lilly (06:34)
AVES e CRMV-ES realizam curso para o setor de ovos do ES (06:30)
Carne brasileira pode ampliar espaço no mercado chinês, diz ministra (06:20)
Consumo calmo pressiona preços da arroba do boi (06:15)
Segunda-feira termina com milho desvalorizado em Chicago (06:09)
Soja: portos fecham em queda nesta 2ª feira com recuo em Chicago (06:07)
Preocupação na demanda por soja, peste suína africana se alastra por toda China (06:04)
Segunda-Feira, 22/04
StarYeast®, da ICC Brazil, é alternativa para crise de vitamina B2 na União Europeia (10:07)
Programa de autocontrole: cooperativas entregam carta de reivindicações ao MAPA (09:17)
Semana será decisiva para impasse entre governo e caminhoneiros (08:34)
PIB do agronegócio mineiro fecha 2018 com crescimento de 3,55% (08:32)
Serviço de Inspeção de Pernambuco passa a ter equivalência ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (08:20)
Ovos: última semana da Quaresma é marcada por preços estáveis (08:18)
Surto de peste suína africana na China altera dinâmica do mercado de carnes no Brasil (08:18)
Soja: preços sobem, mas médias mensais são as menores desde janeiro (08:15)
China terá redução de 10 mi de toneladas na oferta de carnes com peste suína (08:10)
Incerteza econômica faz agroindústria patinar (08:09)
Suínos: estabilidade nos preços na última semana (08:05)
Soja volta do feriado trabalhando com leves baixas em Chicago nesta 2ª feira (08:00)