Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
Saúde Animal

Antibiótico na natureza gera superbactéria, alerta ONU
Nairóbi, Quênia, 06 de Dezembro de 2017 -

Um problema ambiental está agravando uma séria questão de saúde pública. O desafio é a rápida e crescente resistência bacteriana a antibióticos. O cenário é alimentado pelo lançamento de efluentes com bactérias e antibióticos no ambiente, o que desencadeia um ciclo acelerado de evolução e produz cepas mais resistentes.

Este é um dos principais pontos do relatório "Fronteiras 2017", lançado pela ONU Ambiente e que analisa temas de impacto na sociedade, economia e no ambiente. O capítulo mais impressionante é que estuda a dimensão da resistência de bactérias a antibióticos.

"O material genético das bactérias muda muito rápido. E quando lançamos antibióticos no ambiente, aceleramos este processo", disse ao Valor a cientista Jacqueline McGlade, uma das autoras do estudo. "Elas se tornam rapidamente resistentes, em velocidade muito maior do que a capacidade de desenvolver novos produtos."

Um dos exemplos citados está na cidade de Patancheru, perto de Hyderabad, na Índia, onde uma empresa trata as águas residuais de 90 fabricantes de medicamentos e depois as lança em um afluente de vários rios. Nessa água foi encontrada uma elevada concentração de um antibiótico de alto espectro, o que desencadeia um processo de bactérias resistentes. Este não é um caso isolado.

"O alerta é assustador: podemos estar estimulando o desenvolvimento de 'superbugs' agressivos por ignorância e falta de cuidado", diz Erik Solheim, diretor-executivo da ONU Ambiente. "Temos de dar prioridade ao tema e agir agora, sob o risco de consequências potencialmente terríveis".

"Fronteiras 2017" estima em 700 mil as mortes ao ano causadas por resistência bacteriana. Sally Davies, assessora médica do governo do Reino Unido, disse em outubro que, "se não agirmos agora enfrentaremos um terrível apocalipse pós-antibiótico". As infecções resistentes a medicamentos conhecidos por "antimicrobianos" podem se tornar a principal causa de morte no mundo até 2050.

"Somos obcecados em buscar máxima higiene nos hospitais, para não contaminar o paciente. Mas a água que lavou nossas mãos é depois lançada no ambiente, regará colheitas, bebemos esta água", diz William Gaze, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Exeter, autor do capítulo sobre antibióticos no "Fronteira 2017".

O relatório diz ainda que o uso de antibióticos irá aumentar 36% neste século e que o crescimento no uso de antibióticos específicos para os rebanhos será 67% maior em 2030. Mais de 75% dos antibióticos usados na aquicultura podem se espalhar no ambiente.

O estudo foi lançado em Nairóbi, no Quênia, na terceira Assembleia Ambiental da ONU (Unea).

O desenvolvimento de novos antibióticos é caro, e o hábito dos doentes não ajuda. "As pessoas não querem gastar muito com antibióticos", diz Gaze. "É algo incompreensível. As pessoas concordam em pagar milhares de dólares por um tratamento de câncer que irá prolongar a vida por seis meses, mas não querem gastar US$ 100 por algo que irá salvar a sua vida."

Jacqueline MacGlade, que até o ano passado era cientista-chefe da ONU Ambiente, diz que um dos caminhos para resolver a crise é voltar para a natureza e pesquisar intensamente recursos naturais.

Gaze diz que o problema é global, mas que investir em saneamento público ajuda a reduzir os riscos. "Esta é uma questão ambiental e isso não é compreendido. Não sabemos como jogar compostos do gênero nas águas e no solo afeta o ambiente, os ecossistemas", continua o professor.

A jornalista viajou à Unea a convite da ONU Meio Ambiente

(Valor Econômico) (Daniela Chiaretti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)
Segunda-Feira, 12/11
MILHO/CEPEA: depois de cair por quase três meses, preço sobe em algumas regiões (10:27)
SOJA/CEPEA: demanda internacional incerta reduz prêmio no Brasil e valores recuam (10:25)
Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária da IMED homenageia Francisco Sérgio Turra (10:20)
Languiru e Dália Alimentos assinam acordo de intenções (09:03)
'Futuro governo não pode fechar portas para o agronegócio' (08:15)
Soja opera em queda na Bolsa de Chicago nesta 2ª feira e corrige altas da última semana (08:00)
Exportadores de carne temem mudança de embaixada para Jerusalém (07:36)
Sexta-Feira, 09/11
FRANGO/CEPEA: preço da carne inicia novembro em alta (09:41)
OVOS/CEPEA: oferta diminui e preços voltam a subir (09:30)
MSD Saúde Animal é reconhecida como a melhor empresa para se trabalhar no segmento de saúde animal (09:22)
"Nunca prometi prazo para virar o jogo na BRF", diz Pedro Parente (09:20)
Agora, Tyson foca expansão no exterior (09:17)
Cobb-Vantress compartilha experiência em manejo de machos no Latin American Poultry & Nutrition Congress 2018 (08:07)
Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes (07:54)
Contratação de crédito rural até outubro soma R$ 64 bilhões (07:52)
Boi: melhora da oferta colabora para queda dos preços da arroba (07:49)
Milho: USDA reduz projeção para a safra dos EUA e mercado fecha 5ª com leves altas em Chicago (07:48)
USDA tem efeito limitado e soja fecha estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (07:46)
Quinta-Feira, 08/11
Wisium intensifica atuação na Região Sul (13:29)
SUÍNOS/CEPEA: início de mês e retomada das compras russas impulsionam preços (11:42)
BOI/CEPEA: apesar da pressão da indústria, indicador se sustenta (11:40)
China se torna o maior mercado para carne suína catarinense (09:45)
Grãos: Conab estima uma produção entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas (08:40)
Agronegócio elogia experiência de futura ministra, mas destaca desafios (08:17)
Boi Gordo: baixa volatilidade no mercado (08:10)
Exportações de carne de frango mantém alta em outubro (08:09)
Soja brasileira com boas perspectivas para 2019, mesmo se confirmado acordo entre China e EUA (08:00)
Quarta-Feira, 07/11
Tereza Cristina é anunciada como ministra da Agricultura de Bolsonaro (19:28)
JBS vai vender carne na China pela internet (08:32)
Acionistas da BRF aprovam extensão do mandato de Pedro Parente (07:46)
Presidente da ABPA é palestrante do II Congresso Internacional de Direito Agrário e do Agronegócio (07:30)
Carne bovina tem alta e pode colaborar com retomada de preço no mercado do boi (07:18)
Importações chinesas de soja vão cair 10%, diz USDA (07:10)
Soja fecha estável em Chicago e mantém mercado lento também no Brasil nesta 3ª feira (07:00)