Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018
Saúde Animal

Avança discussão para mudanças na rotulagem
São Paulo, 30 de Novembro de 2017 -

Representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Saúde, e associações de indústrias e consumidores vão se reunir em dezembro para discutir modelos de rotulagem de alimentos. A expectativa é que a Anvisa abra uma consulta pública sobre o tema no início de 2018 e defina um novo modelo ainda no primeiro semestre do ano que vem, de acordo com pessoas a par das discussões.

As regras de rotulagem de alimentos embalados foram adotadas no país há dez anos ou mais. Desde então houve mudanças no padrão de alimentação e na oferta de alimentos industrializados.

Ao mesmo tempo, houve piora na saúde dos brasileiros. De acordo o Ministério da Saúde, entre 2006 e 2016, o percentual de obesos no país passou de 11,8% para 18,9%. O ministério considera a obesidade um dos causadores do aumento de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão. O diagnóstico de diabetes passou de 5,5% em 2006 para 8,9% em 2016, e o de hipertensão passou de 22,5% para 25,7% no mesmo intervalo. Para o Ministério da Saúde, mudanças na alimentação e atividades físicas vão contribuir para melhorar esse quadro.

A Anvisa discute desde 2014 propostas para mudar as normas de rotulagem de alimentos. O objetivo é que os consumidores se informem melhor e façam escolhas mais saudáveis de nutrição.

Existem quatro modelos de rotulagem em avaliação: um encabeçado pela a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia); um elaborado pela Fundação Ezequiel Dias (Funed); um criado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec); e um modelo desenvolvido pela Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (Caisan) com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

O modelo defendido pela Abia destaca na frente da embalagem dados de valor energético, açúcares totais, gorduras saturadas e sódio por porção de alimento. A rotulagem usa cores de semáforo (verde, amarela e vermelha) para indicar se o nível de cada componente é alto, baixo, ou moderado.

Esse modelo também é apoiado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (Abir) e mais 15 entidades. Daniella Cunha, diretora de relações institucionais da Abia, disse que o modelo já foi adotado com êxito no Reino Unido.

"Queremos uma legislação que estabeleça uma rotulagem fácil e inteligível e que não assuste o consumidor", disse Edmundo Klotz, presidente da Abia. Para Alexandre Jobim, presidente da Abir, o modelo de semáforo ajuda o consumidor a fazer escolhas rapidamente.

A pedido da indústria, o Ibope apresentou a 2.002 brasileiros os modelos em discussão. De acordo com a pesquisa, 67% dos entrevistados consideraram o modelo defendido pela Abia mais didático.

O modelo defendido pela Funed também usa as cores do semáforo para indicar se o teor dos ingredientes está acima ou abaixo do recomendado para consumo diário. Como diferencial, esse modelo destaca em um círculo vermelho os ingredientes em quantidade excessiva. "Esse modelo é baseado em advertência, o que não acontece no modelo proposto pela Abia", disse Valéria Regina Vieira, chefe de serviço de análise de rotulagem da Funed,

A proposta da Funed também estabelece uma tabela com quantidades por porção de calorias, carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans, fibra e sódio. A Funed defende a inclusão dessas informações na frente da embalagem.

O modelo desenvolvido pelo Idec, em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e outras 19 entidades, é mais simples. Consiste de triângulos pretos, informando se o produto tem quantidades excessivas de ingredientes como açúcares, sódio ou gorduras.

Ana Paula Bortoletto, nutricionista do Idec, disse considerar que as embalagens de alimentos industrializados já são muito coloridas para atrair o consumidor, e o semáforo não teria destaque. "Adotamos um formato que a população já entende como um símbolo de advertência", disse.

Segundo Ana, o modelo também estabelece a inclusão na embalagem da tabela nutricional por 100 gramas, para que o consumidor possa escolher entre produtos diferentes. "Se um produto tem na embalagem dois itens em verde e dois em amarelo e outro produto tem três itens em verde e um em vermelho, qual deles é o melhor? Não dá para fazer uma escolha automática", disse.

Outro modelo em avaliação, já adotado no Chile, é defendido pela Opas e a Caisan. O modelo prevê advertências na frente das embalagens, de diversos ingredientes, incluindo aditivos e edulcorantes. O formato para destacar a informação é um octógono preto.

(Valor) (Cibelle Bouças)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 17/01
Yamasa estará presente na IPPE, em Atlanta, pela 13ª vez consecutiva (09:43)
Terça-Feira, 16/01
Médicos Veterinários e Zootecnistas paulistas poderão votar on-line pela primeira vez (21:09)
Conab negocia mais remoções de milho para o Nordeste (15:45)
Superavit de US$ 81,86 bilhões do agronegócio foi o 2º maior da história (15:43)
Coopavel: um show de atrações nos 30 anos de um dos maiores eventos do agronegócio mundial (15:41)
Brasil busca ampliar vendas de produtos agrícolas para a Ásia (14:31)
CASP participa de edição histórica do Show Rural Coopavel (08:43)
Segunda-Feira, 15/01
Proibir carne em certos dias da semana só pode ser ideia de fascista (20:59)
C.Vale cancela edição 2018 do Dia de Campo (19:07)
Inscrições no CAR foram prorrogadas até 31 de maio de 2018 (19:02)
Aberta consulta pública sobre procedimentos na produção de alimentação animal (19:00)
Sexta-Feira, 12/01
Evonik e Fufeng Group firmam parceria estratégica para a produção de ThreAMINO® (09:22)
Ganhar músculos: é melhor comer ovo inteiro ou só as claras? (08:00)
Quinta-Feira, 11/01
Em 2018 safra de grãos pode chegar aos 228 milhões/t (11:07)
Japão relata 1º caso suspeito de 2018 de gripe aviária (09:12)
Aviagen apresenta nova estrutura organizacional com foco no atendimento ao cliente em toda a América Latina (09:03)