Quinta-feira, 05 de Dezembro de 2019
Matérias-Primas

Resolução sobre Funrural adiciona lentidão a mercados de grãos do Brasil
São Paulo, SP, 20 de Setembro de 2017 - A promulgação de uma resolução pelo Senado sobre o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) está gerando incertezas em importantes mercados de grãos como o do Paraná, paralisando vendas em algumas praças e adicionando lentidão nos negócios do produto brasileiro, segundo integrantes do setor e especialistas.

A resolução suspende, na prática, a cobrança retroativa de débitos bilionários de produtores com o Funrural. Além disso, a cobrança do tributo também fica ineficaz, numa jogada de parlamentares ruralistas para pressionar o governo federal a aceitar mudanças na medida provisória sobre o assunto.

Esta é a segunda vez no ano que questões relativas ao Funrural geram incertezas no setor, num momento em que os produtores estão reticentes em comercializar soja e milho da safra passada devido aos preços pouco interessantes, antes do plantio da nova temporada.

"Neste momento, a gente vem percebendo um perfil do produtor bastante reticente para venda, quer seja por preços mais baixos, quer pela incerteza da tributação. Mas o fato é que o produtor está com comercialização inferior a de exercícios anteriores", disse a analista da corretora paranaense Labhoro, Andrea Cordeiro.

No Brasil, exportador global número 1 de soja, a comercialização da safra 2016/17 envolve 80 por cento da produção projetada do produto, conforme o último levantamento da consultoria Safras & Mercado. Isso significa um atraso de quase dez pontos percentuais ante o ano passado e em relação à média histórica para o período.

"E realmente esta questão do Funrural, assim como a indefinição de preços, acaba por retardar novas vendas...", acrescentou Andrea.

Ao final de março, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou que a cobrança do tributo é constitucional, causando insatisfação de boa parte da classe agrícola.

Uma medida provisória permitindo a renegociação de dívidas do Funrural foi então editada, permitindo parcelamento do débito em até 180 vezes, com descontos de multas e juros. A MP também havia estabelecido alíquota cheia do tributo de pouco mais de 1 por cento.

Mas, enquanto corria o prazo de adesão ao programa, até 29 de setembro, veio a resolução do Senado, de autoria da senadora ruralista Kátia Abreu (PMDB-TO), que na prática suspendeu a eficácia da lei declarada constitucional pelo STF.

Isso despertou novas dúvidas dos agentes que realizam negócios com grãos, se a resolução de alguma forma impacta a validade da MP no que diz respeito à cobrança do Funrural.

"Se tem a proposta da Kátia Abreu, alguns agentes dizem: 'não vou vender para quem está descontando o Funrural'. Enquanto os adquirentes (cooperativas, tradings, indústrias, etc) estão querendo descontar para seguir a MP. Um quer que valha a resolução, o outro a MP...", disse o gerente técnico e econômico da Ocepar, Flávio Turra.

De acordo com o Turra, o impasse no mercado do Paraná, segundo produtor nacional de grãos do Brasil, ocorre no momento em que ainda há 25 por cento da soja da safra passada para ser comercializada e 65 por cento da colheita de milho de inverno.

SUSPENSÃO DE EFEITOS

Segundo a advogada Valdirene Franhani, sócia do escritório Braga & Moreno, Consultores Jurídicos e Advogados, a resolução do Senado suspende a cobrança do Funrural a partir da sua publicação, a partir de 13 de setembro.

"Embora a resolução não suspenda os efeitos da Lei 10.256/01, que também alterou a Lei 8.212/91, julgada constitucional pelo STF em março deste ano no julgamento..., ela acabou, por via indireta, neutralizando a decisão do STF, enquanto não votada a MP 793/17", disse Valdirene.

Segundo a advogada, ao suspender outros dispositivos da lei, acaba deixando a cobrança sem base legal de alíquota, impedindo assim a sua cobrança.

"Vale lembrar, pela redação da MP (que aguarda votação), a alíquota passaria para 1,2 por cento somente no ano que vem. Logo, do jeito que está hoje, a partir de 13 de setembro até o final do ano, não há alíquota eficaz para possibilitar sua cobrança", disse a advogada.

A especialista disse que a resolução vai valer até que uma nova lei seja sancionada. "É uma forma de pressionar a votação da MP para que se tenha um novo Funrural, é a força política do Senado."

Ela lembrou que a última vez em que o Senado suspendeu a eficácia de uma lei em matéria tributária, por meio de uma resolução, foi há 22 anos.

A Advocacia-Geral da União (AGU) já manifestou intenção de recorrer ao STF para contestar a resolução, mas ainda não o fez, enquanto o Ministério da Fazenda busca uma solução negociada com senadores responsáveis por aprovar a medida, segundo uma fonte do governo.

MATO GROSSO

Outros importantes mercados agrícolas como o Mato Grosso, mas com comercialização da safra passada praticamente concluída, estão sofrendo menos com a resolução, pelo menos na negociação do produto disponível.

"Não ouvi nada sobre o assunto... a segunda coisa é que o mercado já estava parado, com a baixa do preço, e no Mato Grosso está bem adiantada (a comercialização)", disse o superintendente do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), Daniel Latorraca.

"Não chegou a afetar a questão do Funrural em Mato Grosso porque tem o problema maior que é o preço, que está travando o processo."
(Reuters) (Roberto Samora)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 05/12
Soja intensifica ganhos em Chicago e sobe nesta 5ª feira (15:46)
Embarques de carne suína aumentam 13,2% em novembro (15:11)
Suínos: competitividade da carne suína frente à de boi é a maior da série (11:39)
Boi: receita obtida com exportação é recorde (11:20)
Ricardo Santin será o novo presidente da ABPA (11:15)
Para CNA, não vai faltar produto e preços da carne vão se normalizar (09:44)
Goiás pode ampliar exportação de frango para o Chile (09:43)
Vendas de ovos disparam em Manaus (09:41)
Preços de alimentos no mundo sobem com impulso de carnes e óleos vegetais, diz FAO (09:33)
Líder, BRF tem capacidade ociosa para expandir produção no Brasil (09:28)
Produtor americano reduz ritmo de comercialização da soja a espera de melhores preços (08:56)
Soja segue trabalhando em alta em Chicago nesta 5ª feira (08:52)
CNA prevê aumento do valor da produção e do PIB do campo em 2020 (08:40)
Aviagen contrata novo Supervisor Regional de Vendas no Brasil (08:17)
Korin fornece frango caipira livres de transgênicos para o Carrefour no Estado de São Paulo e Brasília (08:12)
Frango: setores apresentaram leve queda ou estabilidade nesta 4ª feira (08:09)
Suínos: cotações mornas nesta 4ª feira (08:03)
JBS planeja investir R$ 8 bilhões no Brasil nos próximos 5 anos (08:00)
Boi Gordo: vendas da carne continuam sendo o entrave (07:49)
Boi Gordo: preços da arroba recuaram 2,1% em SP (07:48)
Milho tem leves baixas em Chicago nesta 4ª feira, mas preços se sustentam no Brasil (07:38)
Quarta-Feira, 04/12
Unidades da Aviagen no Brasil recebem certificação de compartimentação (14:07)
Presidente da ABPA fala sobre o mercado de suínos e aves a médio e longo prazo (12:49)
Boi: volume de negócios foi pequeno nos últimos dias no mercado físico em SP (11:23)
A expectativa é boa para as exportações de milho nessa reta final do ano (10:20)
Vetanco realiza treinamento para controle estratégico de Cascudinhos (08:51)
Agropecuária é o setor com maior alta do PIB no terceiro trimestre do ano (08:22)
Frango: após dois dias de cotações estáveis, mercado começa a reagir (08:20)
Suínos: mercado mostra melhora para os principais setores (08:15)
Após máximas, preço do boi recua 5% em dezembro com pressão de consumidores (08:14)
Exportação de carne bovina do Brasil deve manter ritmo de alta em 2020, diz Abrafrigo (08:13)
Vencimentos futuros para o boi gordo encerram 3ª feira abaixo dos R$ 200,00/@ na Bolsa Brasileira (08:08)
Tereza Cristina abre reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina (08:06)
Milho: preços recuam na B3, mas sobem no interior do Brasil (08:05)
Soja recua até 2% no interior do Brasil com baixa do dólar e estabilidade em Chicago (08:00)
Grãos: cenário para preços se torna positivo para 2020 (07:56)
Terça-Feira, 03/12
Produção avícola sem uso de antibiótico ganha força no Nordeste (16:52)
Agroindústria contribui para estabilidade na população ocupada no agro (16:35)
Encontro de final de ano Programa Ovos RS apresenta novidades (14:51)
Milho abre a terça-feira com leves ganhos em Chicago mesmo após relatórios do USDA (14:31)
Soja: após 8 baixas consecutivas, mercado em Chicago sobe nesta 3ª feira (14:30)
Secex: exportação de carnes bovina, suína e de frango desacelera em novembro (09:38)
Venda de carne ao exterior cresce 28%, ajudada por epidemia na China (09:37)
Nas exportações em novembro, carne suína tem faturamento 46% maior em comparação a outubro (08:06)
Suínos: cotações estáveis marcam o começo de dezembro (08:03)
Frango: segunda-feira tem altas para frango vivo em algumas praças (08:03)
Milho registra pequenos ganhos em Chicago (08:01)
O mercado do boi gordo 'sossegou' (07:59)
Exportações brasileiras de milho fecham novembro com alta de 17,6% com relação ao ano passado (07:57)
Soja fecha em baixa na Bolsa de Chicago (07:55)
Segunda-Feira, 02/12
Entidades dos Setores de Aves, Suínos e Laticínios definem o 6º AVISULAT 2020 - NC (16:23)
Yes reposiciona marca com alinhamento do seu portfólio de produtos e novas embalagens (15:30)
Milho: em novembro, cotações sobem mais de 14% em algumas praças (14:54)
Soja: com procura maior que oferta, preço do óleo atinge recorde (14:52)
Preços da carne suína na China se recuperam com o aumento do consumo no frio (14:50)
De olho na colheita, milho tem leves altas em Chicago (14:48)
Ovos: preços têm alta atípica para o período (10:09)
Boi Gordo: dificuldade de compra é vigente (09:50)
Por que a carne continuará mais cara em 2020 (e pode piorar) (09:36)
Soja inicia dezembro com leves altas em Chicago (09:26)
Após fortes altas, calmaria nos preços da carne bovina no varejo (08:02)
Bolsonaro diz que governo não atuará para baixar o preço da carne (08:00)
Frango: mercado sem variações expressivas na sexta-feira (07:50)
Suínos: fim de mês com mercado aquecido para venda do animal vivo (07:48)
Milho sobe mais de 2% em Chicago na volta da Ação de Graças (07:34)
Soja fecha semana em queda em Chicago e pressiona Brasil (07:30)
Sexta-Feira, 29/11
Aumento do preço da carne bovina é fator de pressão no IPP do IBGE (17:03)
USDA: Vendas semanais de soja dos EUA superam expectativas do mercado (17:02)
Milho: Chicago retorna do feriado com altas para as cotações (16:01)
Ministra da Agricultura se reúne com embaixadores do Golfo (11:26)
Disparada da carne bovina testa limites da demanda (10:58)
Preço da carne não voltará ao patamar anterior, diz Tereza Cristina (10:15)
Frango: com desvalorização do vivo e alta dos insumos, poder de compra do avicultor recua (10:03)
Frango: alta apenas para ave resfriada marca o mercado nesta 5ª feira (08:10)
China impulsiona exportação e produção de carnes do Brasil em 2020, diz Rabobank (08:10)
Governador do Paraná reinaugura abatedouro de frangos em Rondon (08:09)
Disparada do preço da carne bovina encarece também frango e suíno (08:08)
Com maior área, Brasil deve produzir recorde de 126 mi t de soja em 19/20, diz Datagro (08:07)
Suínos: mercado firme com altas para o animal vivo (08:07)
Mercado do boi tomou 'calmante' (08:05)
Boi: contratos futuros registram mais um dia de queda na Bolsa Brasileira (08:05)
Governo quer aumentar lavouras com seguro rural com mudança na securitização (08:03)
Milho: com Chicago sem operar, mercado interno registra altas nesta quinta-feira (08:01)
Demanda brasileira de milho saltará em 2020 por produção de carnes e etanol, diz Rabobank (08:00)