Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018
Empresas

BRF tem terceiro prejuízo trimestral seguido no segundo trimestre
São Paulo, SP, 11 de Agosto de 2017 - Pelo terceiro trimestre consecutivo, a BRF ficou no vermelho. Dona das marcas Sadia e Perdigão, a empresa reportou nesta quinta-feira um prejuízo líquido de R$ 167,3 milhões no segundo trimestre. No mesmo período de 2016, a companhia havia lucrado R$ 31 milhões. A receita líquida da BRF somou R$ 8 bilhões, redução de 5,7% na comparação anual.

A BRF foi fortemente impactada no período pela Operação Carne Fraca. Deflagrada em 17 de março pela Polícia Federal, a investigação provocou uma série de embargos às carnes brasileiras. A empresa calcula que a Carne Fraca trouxe perdas de R$ 117 milhões.

Diante disso, a companhia também amargou uma diminuição de quase 40% no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês). Entre abril e junho, a BRF registrou um Ebitda de R$ 575 milhões, ante R$ 944 milhões no mesmo período de 2016. Com isso, a margem Ebitda da empresa caiu 3,9 pontos na mesma comparação, ficando em 7,2%. A queda do Ebitda, decorrente sobretudo da Carne Fraca, teve reflexos negativos nos índices de endividamento da BRF. No fim de junho, a relação entre a dívida líquida e o Ebitda em doze meses ficou em 4,90 vezes, ante 4,24 vezes em 31 de março.

Além da redução do Ebitda, a alavancagem também foi afetada pelo pagamento de R$ 556 milhões pelas aquisições internacionais da Invicta e da turca Banvit. A dívida líquida de R$ 310 milhões da Banvit também aumentou o endividamento da BRF.

No relatório que acompanha o balanço, a companhia reconheceu que o atual índice de alavancagem está “bem acima” do nível considerado ideal — de 2 vezes a 2,5 vezes.

Nesse contexto, o conselho de administração da BRF autorizou a empresa a vender até 13,4 milhões das ações que possui em tesouraria para fazer caixa. Aos valores atuais — as ações da BRF fecharam hoje a R$ 39,00 —, poderá obter até R$ 525 milhões com a venda desses papéis.

Paralelamente, o conselho da BRF também autorizou a empresa a firmar contratos de swap com um banco em valores equivalentes aos das ações em tesouraria. A partir desses swaps, a BRF receberá a variação do preço de suas ações e pagará ao banco um percentual do CDI mais um spread.

Na prática, a BRF quer evitar que a venda das próprias ações seja vista como um mau negócio, uma vez que a companhia adquiriu as próprias ações no mercado a preços mais elevados, o que chegou a gerar descontentamento em alguns conselheiros. Além disso, os swaps sinalizam que companhia aposta na alta das próprias ações, que caíram 44,5% desde o auge, em 2015.

No balanço do segundo trimestre, a BRF destacou a reversão da trajetória de perda de participação de mercado no Brasil. No período, houve ganho de 0,8 ponto percentual, com destaque para os embutidos, cuja fatia aumentou 3,5 pontos percentuais, o que pode ser visto como um avanço sobre a Seara, da JBS. No entanto, nem todas as categorias tiveram bom desempenho. Em pratos prontos, a BRF perdeu 2,7 pontos percentuais.
(Valor Econômico) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 22/02
Eleições passam a pautar mudanças no ministério (09:28)
OMC volta a expor o protagonismo agrícola do Brasil (09:26)
Frigoríficos brasileiros ainda estão sendo avaliados pela UE, diz embaixador a Maggi (09:21)
Região Norte tem ritmo de crescimento do agronegócio maior do que Sul (08:45)
Tyson busca aquisições para ampliar atuação em alimentos com marca (08:36)
Nem ganho de mercado da BRF anima investidor (08:32)
Frigoríficos comparecem em peso à Gulfood (08:24)
Santa Catarina discute alternativas para abastecimento de milho (08:15)
Paraguai inaugura porto que vai facilitar embarque de milho a SC (08:10)
Soja: Rio Grande fecha com R$ 78 para maio nesta 4ª e negócios têm ritmo melhor no Brasil (08:00)
Quarta-Feira, 21/02
Prazo para registro veterinário de granja de aves termina no dia 3 de março (15:59)
Gumboro: um desafio para a indústria avícola (09:52)
'Refis rural' ganha prazo e bancada quer derrubar vetos (08:25)
Mercosul e Canadá lançam, no dia 9, negociações para ter livre comércio (08:21)
Brasil deve receber status de livre de aftosa em maio (08:17)
Milho: mercado interno registra ligeiras movimentações (08:04)
Soja: preços sobem até 6,5% no Brasil com rally na CBOT e dólar (08:00)
Santa Catarina espera safra recorde de soja (07:59)
Terça-Feira, 20/02
Cobb-Vantress reforça posicionamento global em bem-estar animal e lança site (13:47)
Justiça retira quatro tributos do cálculo de contribuição (08:59)
Cientista japonês utiliza clara de ovos na produção de energia limpa (08:56)
Valor da produção agropecuária de 2018 é de R$ 516,6 bilhões (08:54)
Hospital de Barretos quer obter R$ 50 milhões em doação do agronegócio (08:51)
Governo negocia adiar prazo do 'Refis rural' (08:15)
Falha na DHL faz KFC fechar mais de 500 lojas no Reino Unido (08:11)
Alta no frete e preferência na comercialização da soja dão suporte aos preços do milho no mercado doméstico (08:06)
Milho assume posição de destaque no MT (08:02)
Seca na Argentina motiva alta de grãos e 'destrava' o mercado de soja no Brasil (08:01)
Soja: mercado sobe em algumas praças do interior do BR com alta do dólar (08:00)
Segunda-Feira, 19/02
Omelete será estratégia para conquistar novos clientes em Dubai (11:18)
Brasil avançará mais no mercado de commodities estimam EUA (08:53)
Preços agropecuários no atacado caem e IGP-M desacelera alta a 0,03% na 2ª prévia de fevereiro, diz FGV (08:12)
Mercado interno do milho fecha a semana com leves movimentações (08:10)
Soja: maio tem alta de mais de 2% na semana em Chicago e traz bons preços para portos do Brasil (08:00)
Sexta-Feira, 16/02
JBS investe R$ 40 milhões na criação de empresa de ingredientes para nutrição animal (13:21)
OVOS/CEPEA: preço do ovo vermelho tem forte alta em fevereiro (09:01)
Lucro líquido da Zoetis registra alta de 13% no quarto trimestre de 2017 (08:35)
Moy Park impulsiona Pilgrim's Pride (08:23)
Desembolsos de crédito rural têm forte alta (08:15)
Milho: mercado interno com ligeiras movimentações (08:06)
Soja: mercado interno registra cotações em queda (08:00)