Terça-feira, 17 de Julho de 2018
Análise

Abate kosher muda e exige mais investimentos no Mercosul
São Paulo, SP, 10 de Agosto de 2017 - A partir de junho do próximo ano, o processo de abate kosher mudará.

Esse tipo de abate é feito conforme a lei judaica. É uma exigência de Israel para a importação de carnes.

A mudança vai exigir investimentos dos frigoríficos habilitados para esse tipo de abate, mas também trará novas perspectivas para a carne kosher, segundo Felipe Kleiman, consultor nessa área.

No sistema de abate atual, os animais são imobilizados à força por várias pessoas antes da degola, provocando muito estresse.

A partir de agora, os frigoríficos deverão instalar um boxe rotativo para o abate kosher, buscando reduzir o sofrimento dos animais.

Trata-se de um boxe no qual o animal entra e, acionado um mecanismo giratório, é posto em posição ideal para a degola.

O abate kosher é feito por um rabino que, com uma faca afiada como um bisturi, faz uma incisão precisa, propiciando ao animal menos dor. "O procedimento é rápido e executado com respeito", diz Kleiman.

O mercado está mudando, e os abates devem seguir as novas tecnologias apropriadas, segundo o consultor.

O Mercosul é o grande fornecedor de carne kosher para Israel, país que importa perto de US$ 400 milhões por ano desse tipo de proteína.

Pelo menos 80% do volume de carne comprada pelos israelenses sai dos frigoríficos do Mercosul.

Kleiman diz que os frigoríficos terão impacto econômico com a instalação desse boxe. Além do custo do equipamento, da exigência de maior espaço nos frigoríficos e de eventuais reformas, os abates serão mais lentos.

Serão abatidos, em média, 60 animais por hora no boxe rotativo, menos que os 80 do sistema convencional.

O mercado está se redesenhando e esse custo vai ser recompensado com uma valorização maior da carne, segundo Kleiman.

Israel abre espaço para carnes mais nobres, e os alimentos kosher têm forte demanda nos Estados Unidos.

Além disso, a Europa, atualmente autossuficiente na produção de carne kosher, não o será no futuro, necessitando de importações.

Com isso, o mercado mundial ficará aberto para os países do Mercosul.

*

Superavit - Os Estados Unidos estão obtendo um saldo comercial melhor no agronegócio neste ano. No primeiro semestre, as exportações superaram em US$ 6,6 bilhões as importações. Em 2016, o saldo era de US$ 2 bilhões nesse mesmo período.

Como foi - O superavit deste ano se deve à melhora das exportações, que subiram para US$ 68 bilhões, 12% mais do que de as de janeiro a junho de 2016. As importações aumentaram apenas 5% no período, para US$ 61 bilhões.

2016 - O saldo acumulado foi de US$ 20 bilhões, segundo o Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). As exportações atingiram US$ 135 bilhões.

Botulismo - Produtores de grãos descartam problemas na qualidade do milho no caso de botulismo em Mato Grosso. Foi apenas um problema operacional no trato da ração, segundo eles.
(Folha de S. Paulo ) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 17/07
Segunda-Feira, 16/07
Lar de Idosos de Guapiaçu recebe ajuda voluntária da Cobb-Vantress em parceria com a Prefeitura (14:24)
Marca Biovet Vaxxinova é lançada com robusto portfólio para saúde animal (09:00)
Saldo da balança do agro em junho é de US$ 8,17 bilhões (08:23)
FRANGO/CEPEA: embarques têm desempenho fraco em 2018 (08:13)
OVOS/CEPEA: impulsionada por vendas de ovo industrializado, exportação cresce em junho (08:10)
SOJA/CEPEA: consumo chinês deve recuar, mas outros países podem aumentar compras (08:08)
Milho: mercado inicia a semana com ligeiras desvalorizações na Bolsa de Chicago (08:07)
Soja inicia semana com novas baixas nesta 2ª em Chicago ainda refletindo clima e guerra comercial (08:00)
Sexta-Feira, 13/07
Festa do Ovo terá solução para codificar a casca do ovo (08:28)
Aviagen investe R$ 100 milhões no aumento da capacidade de granjas e incubatórios no Brasil (07:46)
Quinta-Feira, 12/07
Na OMC, Brasil cobra da China fim de barreiras a açúcar e frango (08:59)
Grupo Vibra, de frango, aposta em inovação e busca novo investidor (08:47)
País contesta veto a frigoríficos pela UE (08:45)
Aviagen e Cobb acirram disputa pelo mercado de genética avícola (08:42)
Vaccinar lança VacciShell no Avicultor-2018 (08:36)
Realizada reunião do Comitê Estadual de Sanidade Avícola - COESA/RS (08:31)
Granja Ono, Granja Ueyama e Granja Higashi são as grandes campeãs em qualidade de ovos em 2018 (08:23)
Boehringer Ingelheim Saúde Animal reforça seu compromisso com o segmento de postura na 59ª Festa do Ovo de Bastos 2018 (08:16)
CARNE DE FRANGO: ABPA apoia estudos de consulta na OMC sobre dumping chinês (08:13)
IOB participa da Festa do Ovo de Bastos para apresentar suas ações de fortalecimento da cadeia (08:13)
Preços dos ovos caíram 11,9% em sete dias nas granjas em São Paulo (08:09)
Milho: mercado recua mais de 2% nesta 4ª em Chicago com foco na China e no clima no Meio-Oeste (08:08)
Soja: China pode usar outras armas contra os EUA e dar novos rumos à guerra comercial (08:06)
Quarta-Feira, 11/07
Avicultores de GO temem interrupção de plantas da BRF e pedem apoio ao governo (10:50)
Senar apresenta Granja Plus a produtores rurais de 6 municípios de MS (10:10)
Trabalhadores da BRF aceitam suspensão de contratos por cinco meses (10:08)
CONAB ‘corta’ embarques de milho (09:11)
Disputa remodela mercado de commodities agrícolas (09:08)
Camex pode autorizar negociação com Cingapura (09:06)
É hoje o Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos 2018 (08:58)
Equipe da Aviagen no Brasil acompanha clientes das Cooperativas em viagem à China (08:54)
Participação da APA na câmara de graxaria resulta em manual de ações estratégicas (08:45)
MSD Saúde Animal debate sobre sanidade na Festa do Ovo de Bastos (08:23)
Embarques de carne suína e de aves têm queda de 30% em SC (08:21)
Milho: mercado recua pelo 2º dia seguido na CBOT (08:09)
Soja perde mais de 1% em Chicago nesta 4ª feira com novas ameaças comerciais dos EUA sobre a China (08:00)