Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019
Produção

Bastos (SP): a fantástica fábrica de ovos

O Brasil produziu 39,2 bilhões de ovos comerciais em 2016 e um terço saiu de uma pequena cidade colonizada por japoneses no interior de São Paulo
Bastos, SP, 09 de Agosto de 2017 - Bandeira do Japão, campo de beisebol, academia de judô, portais orientais. Na região Oeste do estado de São Paulo, Bastos, uma cidade de apenas 20 mil habitantes, chama atenção pelos traços culturais do outro lado do mundo, herança dos japoneses que se instalaram na região no fim dos anos de 1920.

Os imigrantes e seus descendentes deram ao município de Bastos o título de ‘Capital Nacional do Ovo’. De acordo com o presidente do Sindicato Rural, o avicultor Katsuhide Maki, as granjas da cidade produzem 18,7 milhões de ovos por dia. São 216 unidades por segundo e mais de 10 bilhões por ano. O Brasil produz 39,2 bilhões.

De 200 mil para 500 mil aves e mais de 400 mil ovos por dia

Para dar conta do recado, 22 milhões de aves poedeiras estão alojadas na região. Outras 6 milhões são pintainhas ou frangas, que não estão em fase de produção. Das 65 granjas locais, 62 estão nas mãos de descendentes de japoneses.

A relação de Bastos com a postura comercial começou no fim de Segunda Guerra. Segundo o presidente do Sindicato Rural, até então, a principal atividade era a criação do bicho-da-seda.

“Com o fim da guerra, a demanda caiu e atividade ficou inviável. Alguns apostaram na fruticultura, no café e na cana, mas o solo da região é muito arenoso. Até surgir a ideia de aproveitar os galpões para alojar poedeiras. Isso ainda no fim dos anos de 1940. A produção começou rudimentar. As galinhas criadas soltas. Com o tempo, o processo foi evoluindo”, diz Katsuhide Maki.

Filho de Katsuhide, Christian Maki é da quarta geração da família que trabalha com postura de ovos comerciais. Proprietário da Granja Maki, ele conta que atividade é desafiadora: “Ao contrário do frango de corte, em que é preciso fazer a engorda por apenas 42 dias, na postura são dois anos. São 45 dias no galpão de pintainhas, 120 dias na recria e 1 ano na postura. Talvez 1 ano e meio, dependendo do manejo”.


O avicultor Katsuhide Maki com o filho Christian Maki. Família está na quarta geração de trabalho com postura de ovos comerciais.

A granja dele produz 72 mil ovos diariamente. Ao todo, são 18 funcionários que trabalham na coleta, lavagem, secagem, classificação e embalagem dos ovos. “Nós vendemos 80% no atacado e 20% no varejo. É uma atividade complexa. Não é para aventureiros. Ainda mais para nós, que trabalhamos com ovos vermelhos”, complementa.

Christian Maki é integrante da Comissão Julgadora do Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos, que é realizado no mês de julho, durante a Festa do Ovo, criada há 58 anos para celebrar a principal matéria-prima da cidade. “No começo, a avaliação era apenas visual. Hoje, temos equipamentos que avaliam frescor, consistência e cor da gema, além de medir a espessura e a resistência da casca, entre outros aspectos. Evoluímos bastante”, afirma.

Mercado

Proprietário da granja Mizohata, Wagner Mizohata acredita no potencial do mercado de postura comercial no país. Assim como outros granjeiros da região, ele também é descendente de japoneses e herdou o negócio do pai. “Nós começamos com 200 aves. Hoje temos 500 mil. Nossa produção diária é de 432 mil ovos”, revela.

Desde que assumiu a granja, estabeleceu uma meta ambiciosa: crescer 10% ao ano. “E nós temos conseguido. Mesmo no ano passado, quando o preço do insumo disparou, fizemos ajustes e atingimos o nosso objetivo”.

No Brasil, no atacado, o produto é vendido em caixas de 30 dúzias (360 ovos). Atualmente, a cotação está em R$ 124. “É a melhor atividade do agronegócio. Meu pai costuma dizer que as pessoas nunca vão deixar de consumir comida. E nós temos uma proteína de qualidade e acessível”.


Proprietário da granja Mizohata, Wagner Mizohata

Para Mizohata, o potencial de crescimento da atividade é enorme. Atualmente, a média nacional de consumo é de 190 ovos/habitante por ano. No México é o dobro. “Podemos crescer demais no mercado interno. Isso sem falar na exportação. Atualmente, o Brasil não está nem no ranking, temos uma participação muito pequena. E nós temos condições de exportar e ganhar mais mercado”, acredita.

Segundo o produtor, que atua no atacado, principalmente em São Paulo, Minas Gerais e Goiás, outra transformação virá da indústria. “É incrível o número de produtos derivados do ovo e que ainda não são produzidos no país. Na Tailândia, eles utilizam o ovo inteiro, da pela é extraído colágeno, da casca é feito suco de cálcio. Essa transformação, em dez anos, vai chegar ao Brasil. É o futuro. E para isso, nós e o setor temos investido em tecnologia e modernização”.
(Expedição Avicultura 2017) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 23/01
Terça-Feira, 22/01
Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil que podem exportar ao país (16:26)
Arábia Saudita barra carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros (13:18)
2019: Sindirações abre o calendário de cursos (08:27)
Movimento Frete sem Tabela critica reajustes divulgados pela ANTT (08:08)
Futuro de fiscais da Carne Fraca segue incerto (08:04)
Auster retoma plano para avançar no país (07:50)
Ovos produzidos em Pernambuco ganharão código na casca para garantir qualidade (07:47)
China aceita oferta de exportador de frango do Brasil para encerrar caso antidumping (07:46)
Mercado do boi apresenta baixa movimentação (07:40)
Milho: mercado interno registra estabilidade (07:35)
Soja: poucas variações nos preços com falta da referência de Chicago (07:30)
Segunda-Feira, 21/01
Dia de Campo da Copagril evidencia a força do cooperativismo (09:42)
China diz ter controlado surto de peste suína africana (08:47)
EUA e China negociam reabertura do mercado de frango (08:26)
China poderá reabrir seu mercado à carne de frango americana (08:26)
Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 bilhões (08:11)
Custos de produção de frangos de corte subiram 14,21% em 2018 (08:07)
Guia Eletrônico de Nutrição Rhodimet®agora também está disponível para uso em smartphones (08:04)
MILHO/CEPEA: colheita da safra de verão se inicia no Brasil (08:02)
SOJA/CEPEA: preços internos, FOB e prêmios recuam com menor demanda internacional (08:01)
Milho: semana se encerrou com preços em alta na Bolsa de Chicago (08:00)
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)