Segunda-feira, 19 de Novembro de 2018
Produção

Bastos (SP): a fantástica fábrica de ovos

O Brasil produziu 39,2 bilhões de ovos comerciais em 2016 e um terço saiu de uma pequena cidade colonizada por japoneses no interior de São Paulo
Bastos, SP, 09 de Agosto de 2017 - Bandeira do Japão, campo de beisebol, academia de judô, portais orientais. Na região Oeste do estado de São Paulo, Bastos, uma cidade de apenas 20 mil habitantes, chama atenção pelos traços culturais do outro lado do mundo, herança dos japoneses que se instalaram na região no fim dos anos de 1920.

Os imigrantes e seus descendentes deram ao município de Bastos o título de ‘Capital Nacional do Ovo’. De acordo com o presidente do Sindicato Rural, o avicultor Katsuhide Maki, as granjas da cidade produzem 18,7 milhões de ovos por dia. São 216 unidades por segundo e mais de 10 bilhões por ano. O Brasil produz 39,2 bilhões.

De 200 mil para 500 mil aves e mais de 400 mil ovos por dia

Para dar conta do recado, 22 milhões de aves poedeiras estão alojadas na região. Outras 6 milhões são pintainhas ou frangas, que não estão em fase de produção. Das 65 granjas locais, 62 estão nas mãos de descendentes de japoneses.

A relação de Bastos com a postura comercial começou no fim de Segunda Guerra. Segundo o presidente do Sindicato Rural, até então, a principal atividade era a criação do bicho-da-seda.

“Com o fim da guerra, a demanda caiu e atividade ficou inviável. Alguns apostaram na fruticultura, no café e na cana, mas o solo da região é muito arenoso. Até surgir a ideia de aproveitar os galpões para alojar poedeiras. Isso ainda no fim dos anos de 1940. A produção começou rudimentar. As galinhas criadas soltas. Com o tempo, o processo foi evoluindo”, diz Katsuhide Maki.

Filho de Katsuhide, Christian Maki é da quarta geração da família que trabalha com postura de ovos comerciais. Proprietário da Granja Maki, ele conta que atividade é desafiadora: “Ao contrário do frango de corte, em que é preciso fazer a engorda por apenas 42 dias, na postura são dois anos. São 45 dias no galpão de pintainhas, 120 dias na recria e 1 ano na postura. Talvez 1 ano e meio, dependendo do manejo”.


O avicultor Katsuhide Maki com o filho Christian Maki. Família está na quarta geração de trabalho com postura de ovos comerciais.

A granja dele produz 72 mil ovos diariamente. Ao todo, são 18 funcionários que trabalham na coleta, lavagem, secagem, classificação e embalagem dos ovos. “Nós vendemos 80% no atacado e 20% no varejo. É uma atividade complexa. Não é para aventureiros. Ainda mais para nós, que trabalhamos com ovos vermelhos”, complementa.

Christian Maki é integrante da Comissão Julgadora do Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos, que é realizado no mês de julho, durante a Festa do Ovo, criada há 58 anos para celebrar a principal matéria-prima da cidade. “No começo, a avaliação era apenas visual. Hoje, temos equipamentos que avaliam frescor, consistência e cor da gema, além de medir a espessura e a resistência da casca, entre outros aspectos. Evoluímos bastante”, afirma.

Mercado

Proprietário da granja Mizohata, Wagner Mizohata acredita no potencial do mercado de postura comercial no país. Assim como outros granjeiros da região, ele também é descendente de japoneses e herdou o negócio do pai. “Nós começamos com 200 aves. Hoje temos 500 mil. Nossa produção diária é de 432 mil ovos”, revela.

Desde que assumiu a granja, estabeleceu uma meta ambiciosa: crescer 10% ao ano. “E nós temos conseguido. Mesmo no ano passado, quando o preço do insumo disparou, fizemos ajustes e atingimos o nosso objetivo”.

No Brasil, no atacado, o produto é vendido em caixas de 30 dúzias (360 ovos). Atualmente, a cotação está em R$ 124. “É a melhor atividade do agronegócio. Meu pai costuma dizer que as pessoas nunca vão deixar de consumir comida. E nós temos uma proteína de qualidade e acessível”.


Proprietário da granja Mizohata, Wagner Mizohata

Para Mizohata, o potencial de crescimento da atividade é enorme. Atualmente, a média nacional de consumo é de 190 ovos/habitante por ano. No México é o dobro. “Podemos crescer demais no mercado interno. Isso sem falar na exportação. Atualmente, o Brasil não está nem no ranking, temos uma participação muito pequena. E nós temos condições de exportar e ganhar mais mercado”, acredita.

Segundo o produtor, que atua no atacado, principalmente em São Paulo, Minas Gerais e Goiás, outra transformação virá da indústria. “É incrível o número de produtos derivados do ovo e que ainda não são produzidos no país. Na Tailândia, eles utilizam o ovo inteiro, da pela é extraído colágeno, da casca é feito suco de cálcio. Essa transformação, em dez anos, vai chegar ao Brasil. É o futuro. E para isso, nós e o setor temos investido em tecnologia e modernização”.
(Expedição Avicultura 2017) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 19/11
México habilita novas plantas para exportação de carne de aves Negociação externa (12:35)
Novas habilitações para o México devem incrementar exportações de frango do Brasil em 2019 (12:24)
Vetanco participa da 2nd Latin American Scientific Conference (08:15)
Milho: mercado aguarda novidades e fecha pregão desta 6ª com leves quedas na Bolsa de Chicago (08:08)
Soja: mantendo foco na disputa entre chineses e americanos, Chicago recua nesta 2ª feira (08:00)
Necta, com apoio do IOB, reúne alunos de graduação e pós gradução para falar sobre ovos (07:57)
Sexta-Feira, 16/11
FRANGO/CEPEA: carne se valoriza com aumento da procura (08:17)
OVOS/CEPEA: maior demanda eleva cotações; alta do vermelho supera 20% (08:16)
Retomada econômica poderá afetar o campo em 2019, diz analista (08:14)
SUÍNOS/CEPEA: bom ritmo de exportações e demanda interna elevam preço da carne (08:14)
BOI/CEPEA: aumento no abate mostra retomada de produtividade (08:13)
ABPA fomenta novos negócios para importações chinesas de aves e de suínos na CIIE (08:03)
Câmbio e clima nos EUA deixaram o milho na CBOT em total estabilidade (08:02)
Dólar mais alto e neve nos próximos dias nos EUA firmaram a soja em alta moderada em Chicago (08:00)
Quinta-Feira, 15/11
Quarta-Feira, 14/11
Putin ressuscita super-frango russo (20:08)
Brasil pede que Europa revise cotas após Brexit (20:01)
Paraná produzirá até 47% mais milho em 2019 (19:25)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:22)
FAEP solicita continuidade do programa Tarifa Rural Noturna (19:21)
CNA debate normas técnicas da avicultura (19:19)
Pilgrim’s, da JBS, concorre por ativos da BRF na Tailândia e Europa (19:10)
Distribuidor da Vetanco promove Simpósio no NE (14:53)
Nova ministra terá que lidar com reflexos da Carne Fraca (11:28)
Programa técnico do Congresso de Ovos 2019 já tem principais temas definidos (09:33)
CNA protocola no STF pedido de suspensão de multas relativas a fretes (08:47)
JBS tem resultado operacional recorde, mas fica no vermelho (08:42)
Abate de bois cresceu no 3º tri, mas o de aves diminuiu (08:41)
Excesso de frango nos EUA desafia Tyson Foods (08:10)
Exportação ajuda, e produção de carnes se recupera no 3º trimestre (08:05)
Milho: perdas do trigo pesam e mercado recua mais de 1% nesta 3ª feira na Bolsa de Chicago (08:03)
Alta do dólar tem efeito limitado e preços da soja no mercado brasileiro tem 3ª feira de estabilidade (08:00)
Terça-Feira, 13/11
ABPA participa de websérie para promover a carne de frango brasileira (11:53)
Ovos registram recorde de produção em um terceiro trimestre (10:52)
Abate de frangos cai 4% no terceiro trimestre de 2018 (10:48)
Sinais de queda na oferta de boi em 2019 (08:59)
Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem (08:58)
Aumenta participação de mulheres com nível superior no agronegócio (08:15)
Milho: mercado tem sessão volátil, mas alta do trigo garante leves altas nesta 2ª feira em Chicago (08:09)
Soja fecha com leve baixa em Chicago, enquanto preços têm 2ª feira volátil no Brasil (08:00)
Boi: parada técnica no mercado de reposição (07:50)
Setor de alimentos e bebidas terá rodada de negócios com importadores chineses dia 23 em SP (07:35)
Prêmio para o empreendedorismo (07:33)
Comissão de avicultura da FAEP encerra 2018 de olho no futuro (07:31)
Grão, minérios, combustíveis e Tecon 2 nos planos de Suape (07:28)
Temas ligados à produção animal serão discutidos em Toledo (07:27)