Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019
Exportação

Apesar de percalços, exportações de carnes devem se recuperar no ano
São Paulo, SP, 08 de Agosto de 2017 - Após um semestre difícil de esquecer em razão do acúmulo de notícias negativas no setor, os exportadores brasileiros de carnes começaram a segunda metade do ano mais otimistas. Tudo indica que os efeitos deletérios da Operação Carne Fraca - deflagrada em março pela Polícia Federal - se dissiparam, o que já impulsionou os embarques de carnes de frango e bovina no mês passado.

Embora o espectro das investigações policiais ainda gere apreensão, sobretudo após as revelações da delação dos executivos da JBS, analistas e executivos do setor acreditam que as exportações deste semestre podem compensar a queda no primeiro.

"O mês de julho foi excepcional", disse o analista César Castro Alves, da consultoria MB Agro. Em julho, os embarques de carne bovina in natura somaram 106,3 mil toneladas, crescimento de 29%. No caso da carne de frango, o aumento foi de 6,2%, para 385 mil toneladas, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic).



Em termos de rentabilidade, os exportadores de carne bovina estão no melhor momento desde janeiro de 2006, segundo a MB Agro. Impulsionado pela queda do preço do boi para abate, o "spread" na exportação - indicador de margem bruta que apura a diferença entre o preço da carne exportada e o do boi - está em 25%, ante uma média história de 5%, disse Alves.

Além disso, a demanda externa, que vinha patinando nos primeiros meses do ano. Importadores relevantes como o Egito, que reduziu drasticamente as compras desde o último ano devido à escassez de dólares, retomaram as compras da carne brasileira. Em julho, os egípcios importaram 17,3 mil toneladas de carne in natura, ficando só atrás de Hong Kong entre os importadores.

Conforme uma fonte do setor, as compras do Egito aumentaram porque os importadores do país africano passaram a pagar antecipadamente pelos novos pedidos de carne bovina. Com isso, o Egito já mais do que compensou o efeito negativo do embargo dos Estados Unidos à carne bovina in natura do Brasil, acrescentou o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadores de Carnes (Abiec), Antônio Camardelli. Ao longo dos próximos meses, prosseguiu Camardelli, as vendas ao Egito devem continuar aquecidas. Além disso, a Abiec também trabalha com a perspectiva de retomar as vendas aos americanos ainda neste ano.

"A despeito de todos os acontecimentos, a expectativa é fechar 2017 igual ao ano passado", afirmou Camardelli, sinalizando que os embarques dos próximos meses seguirão em alta, anulando o efeito da queda de 5% nas exportações de carne bovina do acumulado entre janeiro e julho. Segundo dados da Secex compilados pela Abiec, o Brasil exportou 781,3 mil toneladas de carne bovina entre janeiro e julho, ante 818,2 mil toneladas vendidas um ano antes.

Em carne de frango, o momento também é de recuperação. De acordo com Alves, da MB Agro, os embarques do produto brasileiro estavam "engasgados", mas o cenário melhorou em julho. Aparentemente, afirmou o analista, a queda dos preços do milho fez os frigoríficos de carne de frango ganharem tanta margem que eles decidiram dar descontos nas exportações para aumentar o volume embarcado em julho.

De fato, julho foi o melhor mês para os exportadores de carne de frango desde a deflagração da Operação Carne Fraca, ressaltou o presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o ex-ministro da Agricultura Francisco Turra.

Para a ABPA, o segundo semestre deve ser positivo para o setor. Conforme Turra, os países que seguraram as compras do produto brasileiro após a Operação Carne Fraca compraram pouco volume dos principais concorrentes do Brasil no mercado internacional - Estados Unidos e Tailândia. A maior parte deles, como o Japão, aproveitou o momento para consumir o estoque que estava elevado. Agora, com os estoques menores, os importadores retomaram as compras.

Em julho, o Japão já se destacou, ressaltou Turra. No mês passado, o país asiático comprou 36,2 mil toneladas de carne de frango do Brasil, incremento de 55% na comparação com julho de 2016.
(Valor Econômico) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 23/01
Terça-Feira, 22/01
Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil que podem exportar ao país (16:26)
Arábia Saudita barra carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros (13:18)
2019: Sindirações abre o calendário de cursos (08:27)
Movimento Frete sem Tabela critica reajustes divulgados pela ANTT (08:08)
Futuro de fiscais da Carne Fraca segue incerto (08:04)
Auster retoma plano para avançar no país (07:50)
Ovos produzidos em Pernambuco ganharão código na casca para garantir qualidade (07:47)
China aceita oferta de exportador de frango do Brasil para encerrar caso antidumping (07:46)
Mercado do boi apresenta baixa movimentação (07:40)
Milho: mercado interno registra estabilidade (07:35)
Soja: poucas variações nos preços com falta da referência de Chicago (07:30)
Segunda-Feira, 21/01
Dia de Campo da Copagril evidencia a força do cooperativismo (09:42)
China diz ter controlado surto de peste suína africana (08:47)
EUA e China negociam reabertura do mercado de frango (08:26)
China poderá reabrir seu mercado à carne de frango americana (08:26)
Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 bilhões (08:11)
Custos de produção de frangos de corte subiram 14,21% em 2018 (08:07)
Guia Eletrônico de Nutrição Rhodimet®agora também está disponível para uso em smartphones (08:04)
MILHO/CEPEA: colheita da safra de verão se inicia no Brasil (08:02)
SOJA/CEPEA: preços internos, FOB e prêmios recuam com menor demanda internacional (08:01)
Milho: semana se encerrou com preços em alta na Bolsa de Chicago (08:00)
Sexta-Feira, 18/01
FRANGO/CEPEA: desaquecimento de negócios pressiona valores da carne (09:51)
OVOS/CEPEA: poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda (09:50)
Milho: produtor de MT revê planos para safrinha (09:45)
Porto de Itajaí fecha o ano com melhor resultado desde 2011 (09:23)
Estudo sugere 'dieta universal' para salvar o planeta (09:22)
Ministério remove 'blindagem' de superintendências estaduais (08:22)
Boi Gordo: oferta regulada à demanda (08:09)
Milho: quinta-feira chega ao fim com preços em alta de até 6 pontos na Bolsa de Chicago (08:05)
Soja fecha a 5ª feira com altas de mais de 13 pts em Chicago com correção técnica e olhos no Brasil (08:00)
Quinta-Feira, 17/01
SUÍNOS/CEPEA: média do vivo é a menor para janeiro desde 2007 (11:06)
BOI/CEPEA: bom planejamento pode garantir margens positivas no fim de 2019 (11:03)
Balança Comercial Paulista registra superávit de US$ 11,49 bilhões, aponta IEA (11:02)
2ª Conbrasul Ovos 2019 vai reunir lideranças da avicultura de postura nacional e internacional de 16 a 19 de junho (09:28)
Presidente da ABPA se reúne governador Eduardo Leite (09:05)
Ministério tenta reabrir UE a carnes e pescados (08:28)
Milho: Bolsa de Chicago mantem tendência ao longo do dia e encerra quarta-feira em alta (08:23)
Carrefour vai monitorar fornecedores de carne por câmeras na França (08:20)
Fiscais Agropecuários gaúchos passarão por capacitação em inspeção (08:05)
STF abre investigação contra políticos na Operação Carne Fraca (08:02)
Três laboratórios têm selo Inmetro cancelado após descobertas da Operação Trapaça (08:00)
Cotação do boi gordo estável em São Paulo e frouxa em Mato Grosso do Sul (07:30)
Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira (07:18)