Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018
Agronegócios

Safra 2017/18 marca início da 'era do aperto' no crédito rural
Brasília, DF, 17 de Julho de 2017 - Quando lançou o Plano Safra 2017/18, no início deste mês, o governo deu tanta ênfase ao aumento do montante de recursos e aos juros mais baixos das linhas de financiamento que uma série de regras que buscam preservar o crédito rural a juros controlados passou despercebida. Para especialistas é a confirmação do início de uma "nova era de apertos", como já sinalizava a equipe econômica do governo de Michel Temer.

O Ministério da Fazenda e o Banco Central vieram a público na semana passada para sustentar que as regras convergem com a nova lei do teto de gastos e também estão relacionadas a ações de controle para evitar concentração de crédito na mão de poucos tomadores, como as cooperativas agrícolas.

Entre as medidas implementadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no dia 7 de junho, quando foi lançado o Plano Safra 2017/18, a que mais causou celeuma foi a que definiu um limite de R$ 600 milhões para financiamento com recursos controlados por cooperativa. Até a safra passada (2016/17), não havia limite por cooperativa, mas por produtor associado a ela. No ciclo 2019/20, o teto vai recuar para R$ 400 milhões.

No entendimento do governo, as cooperativas agropecuárias vinham concentrando muito crédito a juros controlados. Segundo o chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações de Crédito Rural e do Proagro do Banco Central, Cláudio Filgueiras, as novas normas estão em linha com a Emenda Constitucional 95/2016, que limitou o aumento dos gastos públicos pela inflação do ano anterior.

"A nossa equipe entendeu que recursos não controlados, como a LCA, podem ser usados para suprir demandas complementares do Plano Safra. E as novas operações de LCA já estão saindo a juros entre 10,25% a 10,5% ao ano", disse ele em audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara na semana passada.

O secretário-adjunto substituto de Política Agrícola do Ministério da Fazenda, Francisco Erismá, afirmou, ainda, que as novas regras do Plano Safra também atendem a exigências de órgãos como Tribunal de Contas (TCU) para que o Tesouro amplie o controle e a transparência sobre os tomadores do crédito.

Descontente, a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) levou a Brasília uma caravana com 40 presidentes das 20 maiores cooperativas agrícolas do país para cobrar do governo o cancelamento da mudança na forma de cálculo de seus limites de contratação.

Márcio Lopes de Freitas, presidente da OCB, reconhece que as maiores cooperativas chegam a tomar até R$ 2 bilhões de crédito por safra. Mas argumenta que esse volume é pulverizado para grandes bases de associados e não fica retido na cooperativa. "O que o governo quer é empurrar as cooperativas para o mercado, mas o cooperado não têm acesso ao sistema financeiro", afirma. De acordo com Freitas, a nova fórmula por CNPJ trará um custo financeiro adicional de R$ 1,5 bilhão para as cooperativas agropecuárias do país.

O CMN também aprovou a redução de 74% para 65% do percentual da exigibilidade de poupança rural destinada ao crédito rural, definiu que depósito à vista só poderá servir de fonte de recursos para custeio e estabeleceu que linhas de comercialização e industrialização não poderão mais ser financiadas com recursos controlados.

"O governo deu um sinal de que já começou a diminuir a importância do Plano Safra. Mas foram muitas mudanças, que mereciam maior debate junto ao setor", avalia o consultor Ademiro Vian.
(Valor Econômico) (Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 23/02
Contribuinte vence no STJ disputa sobre créditos de Cofins (09:21)
Excremento de galinha vira biocarvão e ajuda a recuperar águas (08:38)
Setor de carnes cobra o ministro (08:19)
CNA e entidades discutem as grandes questões do agro (08:17)
Prejuízo da BRF triplica em 2017 e atinge R$ 1,1 bilhão (08:16)
Soja e milho 'empatam' nos EUA (08:10)
Mercado brasileiro do milho encerra o dia em baixa (08:05)
Soja tem novas altas nesta 6ª feira (08:00)
Quinta-Feira, 22/02
Congresso de Ovos APA anuncia programação (16:28)
Eleições passam a pautar mudanças no ministério (09:28)
OMC volta a expor o protagonismo agrícola do Brasil (09:26)
Frigoríficos brasileiros ainda estão sendo avaliados pela UE, diz embaixador a Maggi (09:21)
Região Norte tem ritmo de crescimento do agronegócio maior do que Sul (08:45)
Tyson busca aquisições para ampliar atuação em alimentos com marca (08:36)
Nem ganho de mercado da BRF anima investidor (08:32)
Frigoríficos comparecem em peso à Gulfood (08:24)
Santa Catarina discute alternativas para abastecimento de milho (08:15)
Paraguai inaugura porto que vai facilitar embarque de milho a SC (08:10)
Soja: Rio Grande fecha com R$ 78 para maio nesta 4ª e negócios têm ritmo melhor no Brasil (08:00)
Quarta-Feira, 21/02
Prazo para registro veterinário de granja de aves termina no dia 3 de março (15:59)
Gumboro: um desafio para a indústria avícola (09:52)
'Refis rural' ganha prazo e bancada quer derrubar vetos (08:25)
Mercosul e Canadá lançam, no dia 9, negociações para ter livre comércio (08:21)
Brasil deve receber status de livre de aftosa em maio (08:17)
Milho: mercado interno registra ligeiras movimentações (08:04)
Soja: preços sobem até 6,5% no Brasil com rally na CBOT e dólar (08:00)
Santa Catarina espera safra recorde de soja (07:59)
Terça-Feira, 20/02
Cobb-Vantress reforça posicionamento global em bem-estar animal e lança site (13:47)
Justiça retira quatro tributos do cálculo de contribuição (08:59)
Cientista japonês utiliza clara de ovos na produção de energia limpa (08:56)
Valor da produção agropecuária de 2018 é de R$ 516,6 bilhões (08:54)
Hospital de Barretos quer obter R$ 50 milhões em doação do agronegócio (08:51)
Governo negocia adiar prazo do 'Refis rural' (08:15)
Falha na DHL faz KFC fechar mais de 500 lojas no Reino Unido (08:11)
Alta no frete e preferência na comercialização da soja dão suporte aos preços do milho no mercado doméstico (08:06)
Milho assume posição de destaque no MT (08:02)
Seca na Argentina motiva alta de grãos e 'destrava' o mercado de soja no Brasil (08:01)
Soja: mercado sobe em algumas praças do interior do BR com alta do dólar (08:00)
Segunda-Feira, 19/02
Omelete será estratégia para conquistar novos clientes em Dubai (11:18)
Brasil avançará mais no mercado de commodities estimam EUA (08:53)
Preços agropecuários no atacado caem e IGP-M desacelera alta a 0,03% na 2ª prévia de fevereiro, diz FGV (08:12)
Mercado interno do milho fecha a semana com leves movimentações (08:10)
Soja: maio tem alta de mais de 2% na semana em Chicago e traz bons preços para portos do Brasil (08:00)