Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018
Agronegócios

Com 22 aviários parados, produtores de Nova Marilândia se mobilizam para debater Lei de Integração
Cuiabá, MT, 01 de Fevereiro de 2017 - Recebendo em média R$ 0,44 por cabeça de frango, os avicultores de Nova Marilândia afirmam não ter condições de cumprir os compromissos financeiros. “O que recebemos da indústria não é suficiente para honrar financiamentos e ainda ter que investir na infraestrutura dos aviários. Por isso, atualmente temos muitos aviários com contrato parado”, afirmou o presidente da Associação de Avicultores de Nova Marilândia (Avimar), Paulo César Barbosa, durante o workshop sobre a Lei de Integração que reuniu cerca de 60 produtores de aves no município.

O evento foi realizado pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) em parceria com a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Sindicato Rural de Nova Marilândia. A reunião aconteceu no plenarinho da Câmara Municipal. Este foi o segundo dia de workshop pelo interior para discutir sobre a legislação. As próximas visitas serão em Nova Mutum (01/02), Lucas do Rio Verde (02/02) e Campo Verde (03/02).

Segundo os avicultores, a indústria suspendeu o contrato de integração com vários criadores de aves da região. Cerca de 22 integrados foram desligados da parceria e reclamam sobre o prejuízo com os investimentos que fizeram na granja. A agroindústria alega a falta de infraestrutura, localização e problemas ambientais.

No município, atualmente, são 40 aviários em funcionamento e oito aguardando para serem alojados. A maioria das granjas de Nova Marilândia fechou as portas após a decisão da indústria da região. Para o prefeito municipal, Juvenal Alexandre da Silva, o cálculo das perdas de receita e problemas sociais das famílias são imensuráveis. “Muitos desses avicultores já haviam preparado os aviários para receber mais um lote, quando foram surpreendidos com o aviso de suspensão de contrato”, disse o prefeito.

A nova Lei de Integração 13.288/2016, que estabelece regras para sistema de integração entre produtores rurais e indústria, é vista pelos avicultores como a uma luz no final do túnel. “A situação dos avicultores de Marilândia não é nada boa, principalmente para esses 22 produtores que estão com seus aviários parados sem poder trabalhar. Por isso nos sensibilizamos em estar aqui hoje para discutir essa nova lei. Acreditamos que conhecer a lei mais a fundo vai nos dar uma direção para resolvermos os problemas do setor. Parabenizamos a iniciativa da Famato. Trazer esses profissionais da CNA para tirar nossas dúvidas é de grande valia”, disse o presidente da Avimar.

O assessor técnico da CNA, Victor Ayres, afirmou aos produtores que mesmo que a Lei de Integração neste momento não contemple contratos ativos, é um importante o reconhecimento desse novo conceito como um marco regulatório. “Estabelecer novas regras para o sistema de integração entre agroindústria e produtores é um passo importante para definir as relações de parceria, direitos e deveres”, salientou Ayres.

Para o presidente do Sindicato Rural da cidade, Basílio Santo Frighetto, o avicultor sente falta de políticas mais sérias que obriguem as indústrias a pagarem preços justos ao avicultor e ao suinocultor para que não tenham prejuízos financeiros e, ao menos, empate no que é investido. “O que tem acontecido são produtores que precisam ter produções paralelas e outras funções para complementar a renda. Se continuar assim, logo a avicultura estará extinguida”, disse Frighetto.

O analista jurídico da CNA, Thiago de Carvalho, destacou que as disposições da Lei de Integração vêm como forma de regular a atividade integrada, sanando as dúvidas sobre a legalidade de contratação e abrindo-se os olhos para a transparência na modalidade. “A lei pode se traduzir em uma solidificação maior da cadeia, fazendo com que ela figure cada vez menos em litígios no judiciário. A ideia principal é potencializar os resultados positivos para o fortalecimento das atividades agrossilvipastoris no Brasil”, apontou.

Carvalho destacou ainda que a nova lei cria iniciativas legais que estimulam a solução de conflitos por meio de acordos. Trata-se da criação da Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração (Cadec), como também do Fórum Nacional de Integração (Foniagro), que vai ser responsável em definir diretrizes para o desenvolvimento do sistema de integração. “A Cadec nada mais é do que uma comissão de conciliação. Seu funcionamento será partilhado entre integradora e integrados. Os membros deverão ser indicados tanto pela integradora quanto pelos produtores integrados, na mesma quantidade, formando uma comissão paritária”, explicou o analista jurídico.

Após as palestras do analista jurídico e do técnico da CNA, os produtores tiveram a oportunidade de compartilhar experiências e tirar dúvidas.

A Famato, entidade de classe que representa 90 Sindicatos Rurais de Mato Grosso, desenvolve ações institucionais que garantem que a voz do produtor rural seja ouvida em diferentes instâncias. Lidera o Sistema Famato, composto pela Famato, Senar-MT, Sindicatos Rurais e o Imea.

Confira a programação da semana:

01/02 - Nova Mutum
Local: Sindicato Rural
Horário: 18h

02/02 - Lucas do Rio Verde
Local: Sindicato Rural Patronal
Horário: 18h30

03/02 – Campo Verde
Local: Plenarinho da Câmara Municipal
Horário: 18h
(Famato) (Assessoria de Imprensa )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 22/02
Eleições passam a pautar mudanças no ministério (09:28)
OMC volta a expor o protagonismo agrícola do Brasil (09:26)
Frigoríficos brasileiros ainda estão sendo avaliados pela UE, diz embaixador a Maggi (09:21)
Região Norte tem ritmo de crescimento do agronegócio maior do que Sul (08:45)
Tyson busca aquisições para ampliar atuação em alimentos com marca (08:36)
Nem ganho de mercado da BRF anima investidor (08:32)
Frigoríficos comparecem em peso à Gulfood (08:24)
Santa Catarina discute alternativas para abastecimento de milho (08:15)
Paraguai inaugura porto que vai facilitar embarque de milho a SC (08:10)
Soja: Rio Grande fecha com R$ 78 para maio nesta 4ª e negócios têm ritmo melhor no Brasil (08:00)
Quarta-Feira, 21/02
Prazo para registro veterinário de granja de aves termina no dia 3 de março (15:59)
Gumboro: um desafio para a indústria avícola (09:52)
'Refis rural' ganha prazo e bancada quer derrubar vetos (08:25)
Mercosul e Canadá lançam, no dia 9, negociações para ter livre comércio (08:21)
Brasil deve receber status de livre de aftosa em maio (08:17)
Milho: mercado interno registra ligeiras movimentações (08:04)
Soja: preços sobem até 6,5% no Brasil com rally na CBOT e dólar (08:00)
Santa Catarina espera safra recorde de soja (07:59)
Terça-Feira, 20/02
Cobb-Vantress reforça posicionamento global em bem-estar animal e lança site (13:47)
Justiça retira quatro tributos do cálculo de contribuição (08:59)
Cientista japonês utiliza clara de ovos na produção de energia limpa (08:56)
Valor da produção agropecuária de 2018 é de R$ 516,6 bilhões (08:54)
Hospital de Barretos quer obter R$ 50 milhões em doação do agronegócio (08:51)
Governo negocia adiar prazo do 'Refis rural' (08:15)
Falha na DHL faz KFC fechar mais de 500 lojas no Reino Unido (08:11)
Alta no frete e preferência na comercialização da soja dão suporte aos preços do milho no mercado doméstico (08:06)
Milho assume posição de destaque no MT (08:02)
Seca na Argentina motiva alta de grãos e 'destrava' o mercado de soja no Brasil (08:01)
Soja: mercado sobe em algumas praças do interior do BR com alta do dólar (08:00)
Segunda-Feira, 19/02
Omelete será estratégia para conquistar novos clientes em Dubai (11:18)
Brasil avançará mais no mercado de commodities estimam EUA (08:53)
Preços agropecuários no atacado caem e IGP-M desacelera alta a 0,03% na 2ª prévia de fevereiro, diz FGV (08:12)
Mercado interno do milho fecha a semana com leves movimentações (08:10)
Soja: maio tem alta de mais de 2% na semana em Chicago e traz bons preços para portos do Brasil (08:00)
Sexta-Feira, 16/02
JBS investe R$ 40 milhões na criação de empresa de ingredientes para nutrição animal (13:21)
OVOS/CEPEA: preço do ovo vermelho tem forte alta em fevereiro (09:01)
Lucro líquido da Zoetis registra alta de 13% no quarto trimestre de 2017 (08:35)
Moy Park impulsiona Pilgrim's Pride (08:23)
Desembolsos de crédito rural têm forte alta (08:15)
Milho: mercado interno com ligeiras movimentações (08:06)
Soja: mercado interno registra cotações em queda (08:00)