Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018
Matérias-Primas

Efeito Trump no mercado de commodities
São Paulo, SP, 01 de Fevereiro de 2017 - A chegada de Donald Trump à presidência dos EUA afetou a maior parte das commodities agrícolas negociadas nas bolsas americanas em janeiro, seja de forma direta, como no caso dos grãos, ou indireta, refletindo oscilações do dólar ante as principais divisas do mundo.

Entre as promessas do republicano, a renegociação do Nafta, bloco de livre comércio entre EUA, México e Canadá, a imposição de uma taxa de 20% sobre as importações do México e a ampliação dos investimentos em infraestrutura nos EUA foram as de maior impacto no mercado, segundo analista da FCStone, Ana Luiza Lodi.

Principal commodity agrícola produzidas pelo Brasil, a soja iniciou o mês em alta na bolsa de Chicago devido às chuvas acima da média na Argentina, o que levou a perdas estimadas em até 5 milhões de toneladas na safra 2016/17 no país. Mas, após bater o maior valor em seis meses na bolsa - a US$ 10,8375 -, a oleaginosa passou por correções, refletindo a melhora do clima e a apreensão com eventuais medidas protecionistas do governo americano que possam afetar as exportações dos Estados Unidos.



De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), a safra americana 2016/17 de soja deve atingir o recorde de 117,21 milhões de toneladas, e mais de 50% desse volume deve ser exportado. Como resultado desse cenário de incertezas, a soja fechou janeiro com alta mais modesta, de 1% sobre dezembro, conforme cálculos do Valor Data baseados nas médias mensais dos contratos futuros de segunda posição de entrega em Chicago.

Também o milho sofreu oscilações na bolsa de Chicago, especialmente após a posse de Trump. A commodity começou janeiro firme com a decisão dos países da Opep de reduzirem a produção de petróleo, o que elevaria a demanda por etanol, que nos EUA é feito a partir do cereal. No dia 23, a segunda posição chegou a atingir US$ 3,7650 por bushel. Mas a decisão do governo americano de adiar para março a entrada em vigor dos novos volumes obrigatórios de uso de combustíveis renováveis para este ano nos EUA colocou em xeque a demanda interna e fez o contrato fechar o mês a US$ 3,65 o bushel. Ainda assim, os papéis fecharam o mês em alta de 3,27% ante dezembro.

O trigo teve valorização de 5,93%, refletindo os ganhos do início do mês, quando o tempo seco nas Grandes Planícies americanas impulsionaram as cotações. As chuvas recentes, porém, indicam melhores condições para o período de dormência das lavouras, reforçando os fundamentos de queda, em meio ao aumento de 5% nos estoques mundiais no fim da atual safra 2016/17.

Em Nova York, as 'softs' commodities refletiram as oscilações do dólar em janeiro conforme as declarações de Trump e os resultados do desempenho da economia americana indicavam uma maior ou menor probabilidade de aumento dos juros nos EUA.

O dólar mais fraco tende a desestimular as exportações de países produtores, como o Brasil, reduzindo a oferta, ao mesmo tempo em que torna os produtos americanos competitivos, elevando a demanda internacional. "Trump tem dado declarações de que o dólar está muito forte e a expectativa é de que o dólar caia e, em resposta, as commodities como açúcar e café tendem a subir", afirmou a trader da Olam International, Lorena Barreto Leonel.

Os mercados de açúcar e café já refletiram essa tendência em janeiro. A queda do dólar foi catalisada ainda pelos fundamentos, em ambos os casos. No açúcar, o recuo da produção na Ásia e a possibilidade de que a Índia importe o produto para suprir a demanda interna deu sustentação aos contratos de segunda posição, que encerraram o mês com alta de 10,25%.

No caso do café, somou-se à queda do dólar a previsão da Conab de uma queda de até 15% na safra 2017/18 no Brasil, de bienalidade negativa. Se confirmada, a produção de café deve cair para 43,65 milhões de sacas. Como reflexo desse cenário, os contratos de segunda posição fecharam janeiro com alta de 6,49% sobre a média de dezembro.

O algodão também encerrou o primeiro mês de 2017 em alta de 4,1%, reverberando, além do câmbio, o bom desempenho das vendas externas dos EUA, que atingiram o maior volume do ano-safra, ficando acima da média histórica para o período.

Entre as commodities que registraram baixas em janeiro, o cacau fechou com recuo de 4,01% para a segunda posição em meio à perspectiva de superávit na oferta mundial e queda na demanda. Esse cenário se repetiu para o suco de laranja concentrado e congelado, que terminou o mês em queda de 12,9% sobre dezembro, conforme os cálculos do Valor Data para segunda posição, em meio ao otimismo com a safra 2016/17 no Brasil e ao consumo retraído nos EUA.
(Valor Econômico) (Cleyton Vilarino)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 22/02
Eleições passam a pautar mudanças no ministério (09:28)
OMC volta a expor o protagonismo agrícola do Brasil (09:26)
Frigoríficos brasileiros ainda estão sendo avaliados pela UE, diz embaixador a Maggi (09:21)
Região Norte tem ritmo de crescimento do agronegócio maior do que Sul (08:45)
Tyson busca aquisições para ampliar atuação em alimentos com marca (08:36)
Nem ganho de mercado da BRF anima investidor (08:32)
Frigoríficos comparecem em peso à Gulfood (08:24)
Santa Catarina discute alternativas para abastecimento de milho (08:15)
Paraguai inaugura porto que vai facilitar embarque de milho a SC (08:10)
Soja: Rio Grande fecha com R$ 78 para maio nesta 4ª e negócios têm ritmo melhor no Brasil (08:00)
Quarta-Feira, 21/02
Prazo para registro veterinário de granja de aves termina no dia 3 de março (15:59)
Gumboro: um desafio para a indústria avícola (09:52)
'Refis rural' ganha prazo e bancada quer derrubar vetos (08:25)
Mercosul e Canadá lançam, no dia 9, negociações para ter livre comércio (08:21)
Brasil deve receber status de livre de aftosa em maio (08:17)
Milho: mercado interno registra ligeiras movimentações (08:04)
Soja: preços sobem até 6,5% no Brasil com rally na CBOT e dólar (08:00)
Santa Catarina espera safra recorde de soja (07:59)
Terça-Feira, 20/02
Cobb-Vantress reforça posicionamento global em bem-estar animal e lança site (13:47)
Justiça retira quatro tributos do cálculo de contribuição (08:59)
Cientista japonês utiliza clara de ovos na produção de energia limpa (08:56)
Valor da produção agropecuária de 2018 é de R$ 516,6 bilhões (08:54)
Hospital de Barretos quer obter R$ 50 milhões em doação do agronegócio (08:51)
Governo negocia adiar prazo do 'Refis rural' (08:15)
Falha na DHL faz KFC fechar mais de 500 lojas no Reino Unido (08:11)
Alta no frete e preferência na comercialização da soja dão suporte aos preços do milho no mercado doméstico (08:06)
Milho assume posição de destaque no MT (08:02)
Seca na Argentina motiva alta de grãos e 'destrava' o mercado de soja no Brasil (08:01)
Soja: mercado sobe em algumas praças do interior do BR com alta do dólar (08:00)
Segunda-Feira, 19/02
Omelete será estratégia para conquistar novos clientes em Dubai (11:18)
Brasil avançará mais no mercado de commodities estimam EUA (08:53)
Preços agropecuários no atacado caem e IGP-M desacelera alta a 0,03% na 2ª prévia de fevereiro, diz FGV (08:12)
Mercado interno do milho fecha a semana com leves movimentações (08:10)
Soja: maio tem alta de mais de 2% na semana em Chicago e traz bons preços para portos do Brasil (08:00)
Sexta-Feira, 16/02
JBS investe R$ 40 milhões na criação de empresa de ingredientes para nutrição animal (13:21)
OVOS/CEPEA: preço do ovo vermelho tem forte alta em fevereiro (09:01)
Lucro líquido da Zoetis registra alta de 13% no quarto trimestre de 2017 (08:35)
Moy Park impulsiona Pilgrim's Pride (08:23)
Desembolsos de crédito rural têm forte alta (08:15)
Milho: mercado interno com ligeiras movimentações (08:06)
Soja: mercado interno registra cotações em queda (08:00)