Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018
Exportação

Gripe aviária pode abrir espaço para frango brasileiro
São Paulo, 31 de Janeiro de 2017 - A proliferação de focos da gripe aviária na Ásia e na Europa pode levar a um aumento das exportações de frango do Brasil.

Maior exportador mundial de frango, o Brasil segue sem registrar casos da doença, que está levando ao abate em massa de aves em outras partes do mundo -- mais de 30 milhões somente na Coreia do Sul. A expectativa da indústria é que o Brasil preencha a lacuna deixada por países que tiveram suas exportações banidas após registros da doença.

Os Estados Unidos, o segundo maior exportador, também podem se beneficiar se conseguir manter seus plantéis imunes até o fim do inverno, quando o risco de contágio é maior. Como as aves selvagens migratórias são portadoras da doença, existe o risco de que ela continue se espalhando, informou o Société Générale em relatório, no início do mês.

"A situação global piorou desde o meio de dezembro", afirma Nan-Dirk Mulder, analista do Rabobank International em Utrecht, Holanda. "Países como o Brasil e os EUA irão capturar market share da União Europeia em mercados internacionais."

Mesmo sem levar em conta o impacto da gripe aviária, as exportações de frango do Brasil devem crescer até 5 por cento neste ano, para 4,6 milhões de toneladas, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O Brasil nunca foi atingido pela gripe aviária e superou os EUA como maior exportador de frango há uma década.
A demanda dos países que proibiram as importações ou abateram aves para conter o vírus poderá aumentar. É o caso da China e de algumas partes da UE, que estão entre os principais clientes do Brasil. Os países europeus abateram mais de 1,5 milhão de aves desde 19 de outubro, e o número poderá mais do que dobrar, informou a Organização Mundial da Saúde Animal, ou OIE, neste mês.

Cerca de metade dos casos do tipo altamente patogênico H5N8 encontrado na Europa desde outubro estava em frangos e o restante, em aves selvagens, informou a OIE. As exportações de aves da UE, maior exportadora depois do Brasil e dos EUA, totalizaram 1,4 bilhão de euros (US$ 1,5 bilhão) nos nove primeiros meses de 2016, informou o Rabobank.

Os surtos recentes não foram tão ruins quanto os dos anos anteriores. Cerca de 16,8 milhões de aves foram abatidas em todo o mundo por causa dos tipos altamente patogênicos da doença em 2016, quase a metade da quantidade do ano anterior, estima a OIE. Embora a infecção de humanos com o vírus seja rara, alguns tipos são conhecidos por causarem mortes.

O desempenho dos maiores exportadores dependerá de como eles atravessarão o restante do inverno (Hemisfério Norte), época em que a gripe aviária atinge seu pior momento. Enquanto o Brasil tem sem mantido imune, os EUA já passaram por dificuldades no passado e, neste mês, encontraram um caso em Montana. Em 2015, o pior surto da história americana causou a morte de 48 milhões de aves, reduziu as exportações de produtos derivados e custou ao governo federal quase US$ 1 bilhão.

"Um surto nos EUA mudaria completamente o jogo", disse Ricardo Santin, vice-presidente da ABPA. "Há bastante espaço para o Brasil ampliar as exportações, mesmo se os EUA continuarem sem ser afetados"
(Bloomberg) (Manisha Jha, Gerson Freitas Jr. e Isis Almeida)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 22/02
Eleições passam a pautar mudanças no ministério (09:28)
OMC volta a expor o protagonismo agrícola do Brasil (09:26)
Frigoríficos brasileiros ainda estão sendo avaliados pela UE, diz embaixador a Maggi (09:21)
Região Norte tem ritmo de crescimento do agronegócio maior do que Sul (08:45)
Tyson busca aquisições para ampliar atuação em alimentos com marca (08:36)
Nem ganho de mercado da BRF anima investidor (08:32)
Frigoríficos comparecem em peso à Gulfood (08:24)
Santa Catarina discute alternativas para abastecimento de milho (08:15)
Paraguai inaugura porto que vai facilitar embarque de milho a SC (08:10)
Soja: Rio Grande fecha com R$ 78 para maio nesta 4ª e negócios têm ritmo melhor no Brasil (08:00)
Quarta-Feira, 21/02
Prazo para registro veterinário de granja de aves termina no dia 3 de março (15:59)
Gumboro: um desafio para a indústria avícola (09:52)
'Refis rural' ganha prazo e bancada quer derrubar vetos (08:25)
Mercosul e Canadá lançam, no dia 9, negociações para ter livre comércio (08:21)
Brasil deve receber status de livre de aftosa em maio (08:17)
Milho: mercado interno registra ligeiras movimentações (08:04)
Soja: preços sobem até 6,5% no Brasil com rally na CBOT e dólar (08:00)
Santa Catarina espera safra recorde de soja (07:59)
Terça-Feira, 20/02
Cobb-Vantress reforça posicionamento global em bem-estar animal e lança site (13:47)
Justiça retira quatro tributos do cálculo de contribuição (08:59)
Cientista japonês utiliza clara de ovos na produção de energia limpa (08:56)
Valor da produção agropecuária de 2018 é de R$ 516,6 bilhões (08:54)
Hospital de Barretos quer obter R$ 50 milhões em doação do agronegócio (08:51)
Governo negocia adiar prazo do 'Refis rural' (08:15)
Falha na DHL faz KFC fechar mais de 500 lojas no Reino Unido (08:11)
Alta no frete e preferência na comercialização da soja dão suporte aos preços do milho no mercado doméstico (08:06)
Milho assume posição de destaque no MT (08:02)
Seca na Argentina motiva alta de grãos e 'destrava' o mercado de soja no Brasil (08:01)
Soja: mercado sobe em algumas praças do interior do BR com alta do dólar (08:00)
Segunda-Feira, 19/02
Omelete será estratégia para conquistar novos clientes em Dubai (11:18)
Brasil avançará mais no mercado de commodities estimam EUA (08:53)
Preços agropecuários no atacado caem e IGP-M desacelera alta a 0,03% na 2ª prévia de fevereiro, diz FGV (08:12)
Mercado interno do milho fecha a semana com leves movimentações (08:10)
Soja: maio tem alta de mais de 2% na semana em Chicago e traz bons preços para portos do Brasil (08:00)
Sexta-Feira, 16/02
JBS investe R$ 40 milhões na criação de empresa de ingredientes para nutrição animal (13:21)
OVOS/CEPEA: preço do ovo vermelho tem forte alta em fevereiro (09:01)
Lucro líquido da Zoetis registra alta de 13% no quarto trimestre de 2017 (08:35)
Moy Park impulsiona Pilgrim's Pride (08:23)
Desembolsos de crédito rural têm forte alta (08:15)
Milho: mercado interno com ligeiras movimentações (08:06)
Soja: mercado interno registra cotações em queda (08:00)