Sexta-feira, 28 de Julho de 2017
Exportação

Gripe aviária pode abrir espaço para frango brasileiro
São Paulo, 31 de Janeiro de 2017 - A proliferação de focos da gripe aviária na Ásia e na Europa pode levar a um aumento das exportações de frango do Brasil.

Maior exportador mundial de frango, o Brasil segue sem registrar casos da doença, que está levando ao abate em massa de aves em outras partes do mundo -- mais de 30 milhões somente na Coreia do Sul. A expectativa da indústria é que o Brasil preencha a lacuna deixada por países que tiveram suas exportações banidas após registros da doença.

Os Estados Unidos, o segundo maior exportador, também podem se beneficiar se conseguir manter seus plantéis imunes até o fim do inverno, quando o risco de contágio é maior. Como as aves selvagens migratórias são portadoras da doença, existe o risco de que ela continue se espalhando, informou o Société Générale em relatório, no início do mês.

"A situação global piorou desde o meio de dezembro", afirma Nan-Dirk Mulder, analista do Rabobank International em Utrecht, Holanda. "Países como o Brasil e os EUA irão capturar market share da União Europeia em mercados internacionais."

Mesmo sem levar em conta o impacto da gripe aviária, as exportações de frango do Brasil devem crescer até 5 por cento neste ano, para 4,6 milhões de toneladas, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O Brasil nunca foi atingido pela gripe aviária e superou os EUA como maior exportador de frango há uma década.
A demanda dos países que proibiram as importações ou abateram aves para conter o vírus poderá aumentar. É o caso da China e de algumas partes da UE, que estão entre os principais clientes do Brasil. Os países europeus abateram mais de 1,5 milhão de aves desde 19 de outubro, e o número poderá mais do que dobrar, informou a Organização Mundial da Saúde Animal, ou OIE, neste mês.

Cerca de metade dos casos do tipo altamente patogênico H5N8 encontrado na Europa desde outubro estava em frangos e o restante, em aves selvagens, informou a OIE. As exportações de aves da UE, maior exportadora depois do Brasil e dos EUA, totalizaram 1,4 bilhão de euros (US$ 1,5 bilhão) nos nove primeiros meses de 2016, informou o Rabobank.

Os surtos recentes não foram tão ruins quanto os dos anos anteriores. Cerca de 16,8 milhões de aves foram abatidas em todo o mundo por causa dos tipos altamente patogênicos da doença em 2016, quase a metade da quantidade do ano anterior, estima a OIE. Embora a infecção de humanos com o vírus seja rara, alguns tipos são conhecidos por causarem mortes.

O desempenho dos maiores exportadores dependerá de como eles atravessarão o restante do inverno (Hemisfério Norte), época em que a gripe aviária atinge seu pior momento. Enquanto o Brasil tem sem mantido imune, os EUA já passaram por dificuldades no passado e, neste mês, encontraram um caso em Montana. Em 2015, o pior surto da história americana causou a morte de 48 milhões de aves, reduziu as exportações de produtos derivados e custou ao governo federal quase US$ 1 bilhão.

"Um surto nos EUA mudaria completamente o jogo", disse Ricardo Santin, vice-presidente da ABPA. "Há bastante espaço para o Brasil ampliar as exportações, mesmo se os EUA continuarem sem ser afetados"
(Bloomberg) (Manisha Jha, Gerson Freitas Jr. e Isis Almeida)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 28/07
Simpósio OvoSite trará análises sobre o setor de postura durante o Siavs (09:45)
Rio Grande do Sul intensifica prevenção à Influenza Aviária (09:15)
OVOS/CEPEA: com equilíbrio entre oferta e demanda, preços seguem estáveis (09:00)
20ª Corrida da Galinha e Feira de Avicultura do Nordeste movimentam São Bento do Una, no Agreste de Pernambuco (08:38)
PS Soluções apresenta o NQO31, neutralizador de maus odores (08:17)
Mercado interno do milho apresenta estabilidade (08:05)
Apoio à sustentação do preço do milho no Centro-Oeste é 100% negociado (08:03)
Soja: altas em Chicago e do dólar puxam preços no Brasil e estimulam novos negócios (08:00)
Quinta-Feira, 27/07
JBS começa a receber ofertas pela Moy Park (11:22)
Condomínios de frangos vão sustentar frigorífico no Rio Grande do Sul (09:23)
Mudanças no sistema de inspeção de granjas geram preocupação no RS (09:17)
Consumo de carne fica estável, mas evolução demográfica eleva volume (08:15)
Milho: dia de leves movimentações (08:07)
Mercado interno da soja apresenta estabilidade nas cotações (08:00)
Quarta-Feira, 26/07
Cobb-Vantress recebe clientes durante o Rio Preto Country Bulls, em Rio Preto (SP) (16:06)
Alckmin veta projeto de lei e libera uso de animais em faculdades (16:01)
Itália confirma novos casos de gripe aviária (10:15)
Fiscais agropecuários retomam mobilização por contratações e não descartam greve (10:14)
Mapa implementa programa de avaliação da qualidade dos serviços veterinários oficiais (10:12)
Pioneiro e Avenorte: parceria para verticalização (09:58)
Boehringer Ingelheim Saúde Animal impacta mais de 500 avicultores com o Road Show Aves 2017 (08:15)
Milho: dia de leve movimentação no mercado interno (08:00)
Soja: mercado tem leves altas em Chicago nesta 4ª, mas trabalha com cautela frente ao clima dos EUA (07:53)
Terça-Feira, 25/07
Ingredientes alternativos na alimentação de poedeiras comerciais (10:06)
Inovações no abate e processamento de aves e suínos são destaques no SIAVS (10:02)
Phileo reposiciona Safmannan no Brasil (09:01)
APA anuncia XVI Congresso de Ovos de 20 a 22 de março, em Ribeirão Preto (08:42)
Exportação de milho acelera, mas a preço menor (08:15)
MT vai ampliar participação na produção de milho e soja (08:10)
Milho: mercado brasileiro apresenta leves movimentações (08:05)
Soja: preços no Brasil permanecem estáveis neste início de semana (08:00)
Segunda-Feira, 24/07
PR: receitas da exportação avícola crescem 8,6% em comparação ao 1º semestre de 2016 (13:34)
Pesquisa da Embrapa investe em boas práticas na produção de ovos (11:12)
Setor de produção de ovos do RS poderá enfrentar dificuldades com mudanças no Serviço de Inspeção (10:52)
Vetanco realiza treinamento técnico e sobre manutenção de atomizadores (08:49)
Incoerência no comércio agrícola (08:20)
MILHO/CEPEA: vendedor recua e liquidez diminui em plena colheita (08:07)
Mercado interno do milho apresenta semana de queda nas cotações (08:03)
SOJA/CEPEA: mesmo com dólar em queda, indicador tem maior média mensal desde jan/2017 (08:00)