Matérias-Primas

Soja: mantendo foco na disputa entre chineses e americanos, Chicago recua nesta 2ª feira

A guerra comercial entre China e Estados Unidos permanece no foco dos participantes do mercado internacional da soja e até que um novo acordo seja firmado para mudar o atual cenário, as especulações continuam, assim como continua a caminhada lenta e de lado dos preços da commodity na Bolsa de Chicago. No pregão desta segunda-feira (19), o mercado devolvia parte dos ganhos registrados na última sexta (16) e, por volta de 7h50 (horário de Brasília), recuava entre 3,75 e 4,75 pontos nos principais contratos. As expectativas um pouco mais otimistas nos últimos dias parecem ter perdido um pouco de força com o vice-presidente americano Mike Pence dizendo que o país não irá recuar das tarifas até que os chineses anunciem mudanças. A China, porém, também tem se mostrado bastante resiliente. "Nós tomamos ação decisiva para lidar com o nosso desequilíbrio com a China. Colocamos tarifas sobre 250 bilhões de dólares em bens chineses, e podemos mais do que dobrar esse número", disse durante a cúpula da Apec (Associação de Países da Ásia e do Pacífico para a Cooperação Econômica). Os traders permanecem bastante atentos também ao andamento do dólar, à conclusão da colheita americana e o bom avanço do plantio no Brasil. Esses fundamentos do mercado, porém, têm perdido peso nestes meses em que a guerra comercial, mesmo sem grandes novidades, domina as discussões nos bastidores do mercado. Afinal, a demanda pela soja norte-americana está bastante fraca, com um dos menores ritmos de exportações dos últimos anos.

(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)



Visite  www.ovosite.com.br  - O Portal do Ovo na Internet