Política Agrícola

Agronegócio teme radicalismo e falta de experiência em equipe de Bolsonaro

O agronegócio foi um dos responsáveis pela colocação de Jair Bolsonaro no segundo turno da eleição presidencial. O setor promete repetir a dose no dia 28, quando será decidido o futuro presidente do país. Há preocupações, porém, nas lideranças do setor. Uma delas é com a inexperiência do candidato em cargos do Executivo. Ele se cercou de um pequeno grupo, e as diretrizes de governo ainda não estão claras. Um eventual fracasso de Bolsonaro na Presidência, se for eleito, como mostram as pesquisas, será o caminho mais rápido para a saída do ex-presidente Lula da cadeia, diz um representante do setor. Um dos temores é a instalação de um radicalismo no governo, que poderá vir de uma aura de autossuficiência. Um exemplo citado por uma das lideranças: a possível fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, como sugerida, só traria mais radicalismos no setor, gerando discussões desnecessárias. O caminho do ambiente e do bem-estar dos animais passou a ser uma questão universal e, se não for adiante no Brasil, colocará o país na contramão das exigências internas e externas. São necessários equilíbrio e sensatez nesses temas, segundo essa liderança. O setor espera que, em uma futura formação de governo, o responsável pela agricultura tenha visão moderna e de longo prazo. Há um temor de que seja indicado alguém fora desse perfil. Para um representante da pecuária, o voto no candidato tem sido por exclusão. Há uma frustração contra tudo e contra todos, e não apenas contra o PT. O agronegócio, porém, tem de ficar atento aos próximos passos de Bolsonaro, se eleito. Parte das pessoas que o cercam gera preocupações, acrescenta. Quem comandar o Ministério da Agricultura vai lidar não só com problemas internos, como a defesa sanitária, mas também com demandas externas crescentes. E os problemas externos se tornam cada vez mais complexos. Vão desde o aumento do protecionismo à guerra comercial entre os líderes da economia mundial. O agronegócio não está sozinho em uma composição de governo. Deve estar ligado a outros ministérios, como Fazenda, Desenvolvimento e Relações Exteriores. O governo deve ter uma visão comercial conjunta, voltada tanto para os problemas internos como para os externos. Um governo sem esse enfoque pode ser um desastre para o campo. Segundo o setor, será um período difícil, que exigirá diálogo e negociações. A atitude menos recomendável será a de trazer novos conflitos nas discussões. Daí a recomendação de um ex-participante do governo federal de que o setor tem de oferecer apoio a quem for eleito, mas exigir que ele zele pelo que já foi conquistado. Se o eleito não tiver condições de gerir os problemas, o agronegócio tem de ser orientador e mentor dele, segundo uma das fontes. O vocabulário agrícola não aceita a palavra erros. O setor tem de se mobilizar para evitar uma situação de insegurança, diz um ex-ocupante de um cargo executivo. É o que o agronegócio começa a fazer. Membros da bancada ruralista já iniciaram, nesta semana, um diálogo com o líder das pesquisas para a formação mais apropriada de governo para o setor. A conjugação da inexperiência do candidato no Executivo e uma eventual proximidade de pessoas despreparadas para as funções seria um caminho certo para um potencial desastre no campo, segundo eles. Safra A colheita de grãos da safra 2018/19 deverá ficar entre 234 milhões e 238 milhões de toneladas, de 2,5% a 4,7% a mais do que a de 2017/18. Soja Os dados são do primeiro levantamento da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que prevê, ainda, uma safra de até 119 milhões de toneladas de soja e de 91 milhões de milho para o período.

(Folha de S.Paulo) (Mauro Zafalon)



Visite  www.ovosite.com.br  - O Portal do Ovo na Internet