ISA Hendrix | Palestra no Congresso de Ovos | Fotos | OvoSite |
     
   
 
Ferramentas genéticas e o bem-estar das galinhas poedeiras

Geneticista da Hendrix Genetics destaca o papel da indústria genética na alimentação da crescente população mundial

“O que queremos ou precisamos? Existe um conflito muito grande entre produção e bem-estar animal. Nosso propósito é sermos cada vez mais eficientes do ponto de vista econômico, porém esbarramos em alguns conceitos e pressões da sociedade quanto ao bem-estar animal. Precisamos encontrar um ponto de equilíbrio”, Jeroen Visscher.

No mundo atual da agricultura e produção de proteína animal para consumo humano, é identificada uma tendência crescente por mais atenção ao bem-estar animal. Mudanças na legislação criam diferentes circunstâncias de produção em comparação com 20 ou 50 anos atrás, em muitas partes do mundo. Em que sentido podem os métodos de melhoramento genético ajudar ainda mais ao bem-estar animal na produção de proteína animal com o objetivo de alimentar a crescente população mundial?

Foi com este enfoque que o XIV Congresso de Produção e Comercialização de Ovos da APA (Associação Paulista de Avicultura), realizado na última semana, em Ribeirão Preto, SP,  recebeu o geneticista sênior na ISA - Unidade de Negócios de Poedeiras de Hendrix Genetics,  Jeroen Visscher. Ele realizou a palestra “A seleção genética com vistas às necessidades do bem estar das aves”.

Visscher destacou durante o evento que o melhoramento animal tem sido fundamental nos últimos 60 anos para a vida produtiva animal. “Galinhas poedeiras, por exemplo, estavam produzindo em 1.970 cerca de 250 ovos por ave alojada as 75 semanas de idade.  Hoje em 2.016 os lotes de poedeiras comerciais são capazes de produzir 413 ovos por ave alojada a 90 semanas de idade. E, até o ano de 2.020 o objetivo da Hendrix Genetics é de chegar a produzir 500 ovos de primeira qualidade por ave alojada até 100 semanas de idade sem muda forçada em um único ciclo de produção”, destaca.



Jeroen Visscher, da Isa Hendrix

Evolução dos rendimentos produtivos

Poedeiras de ovo branco

  1970         2000           Atual               2020
 ovos ave alojada (a 75 sem.) 250      324  339      364
 ovos ave alojada (a 90 sem.)      413 444
 ovos ave alojada (a 100 sem.)       505

                                                                                                                   

                                                                                                                                                                 

Evolução dos rendimentos produtivos

Poedeiras de ovo marrom

  1970 2000 Atual 2020
 ovos ave alojada (a 75 sem.) 239 319 336 361
 ovos ave alojada (a 90 sem.)      409 440
 ovos ave alojada (a 100 sem.)       500

Fonte:JeroenVisscher

           Com a introdução das gaiolas para poedeiras, o ambiente de produção mudou de pequena escala (quintal e propriedades familiares de aves poedeiras), indo para as operações de produção de ovos industrializados em grande escala, que por sua vez estão agora em alguns países em seu caminho de volta para aviários livres sem gaiolas, aves soltas (free-range) e ambientes de produção orgânica. Segundo Jeroen Visscher, as aves tem se adaptado a esta mudança de ambientes. “As empresas de melhoramento animal mudaram seus objetivos de criação e os desenhos de seus programas de melhoramento com muito sucesso, a fim de continuar a fazer seleção daquelas aves que mostram as melhores características sob este tipo de mudanças de ambiente”, diz.

           De acordo com o geneticista, na Europa, a Farm Animal Breeders de criadores de animais têm se agrupado em um fórum chamado EFFAB (European Forum for Animal Breeding). Este fórum promove os interesses do setor europeu de criação e reprodução no nível da UE (União Europeia) e estabelece os padrões com o seu "código de boas práticas na criação de animais". Todas as empresas europeias de criação de animais cumprem e estão em conformidade com este código, garantindo que seus animais reprodutores estão sendo tratados da maneira mais amigável.

“Cada vez mais vemos que os produtores não estão autorizados a usar antibióticos para proteger as suas galinhas contra patógenos comuns presentes em muitos ambientes de produção. Com a transição da produção de ovo em gaiolas convencionais para produção sem gaiolas (livres ou de quintal), até mesmo "antigas" doenças das aves estão reaparecendo. A fim de dar aos lotes de poedeiras a proteção que merecem, empresas de genética de reprodução animal estão trabalhando na vanguarda desde a própria base genética para aumentar a resistência às doenças” e esse é um dos focos da rusticidade das nossas linhagens”.


Avanços na indústria genética

Este século começou com grandes avanços no mundo da genética. Criadores de animais têm agora as ferramentas disponíveis para olhar para o DNA individual de reprodução de cada ave de elite e determinar com mais precisão o valor genético de cada candidato á seleção (genoma), explica Jeroen Visscher. “Isso significa que as taxas de ganho em características de produção não diminuirão nos próximos anos e, além disso, mais destas características passarão a fazer parte dos objetivos de seleção das empresas de melhoramento genético”, destaca. “Com tudo, com a ajuda de ferramentas genéticas, no futuro (próximo), os animais serão mais saudáveis, viverão mais tempo, experimentarão melhor bem-estar e produzirão mais proteína animal para consumo humano como nunca feito antes e, muito importante, usando menos recursos ambientais o qual a humanidade e o planeta agradecem”, afirma.



Como as ferramentas genéticas podem auxiliar o setor avícola


- Melhoria da saúde animal
- Melhor viabilidade
- Melhoria do bem-estar animal
- Produção de proteína animal mais eficiente
- Redução do impacto meio-ambiental e melhoria das condições climáticas



Fonte: Jeroen Visscher



Hendrix Genetics reúne clientes e parceiros durante jantar em Ribeirão Preto

A Hendrix Genetics reuniu alguns clientes e parceiros para um jantar realizado ao final do segundo dia do Congresso da APA, em Ribeirão Preto, SP.
Durante o evento, Fidel Gonzalez, Gerente de Área da América do Sul, destacou os avanços da empresa, suas qualificações e diferenciações e como a empresa está se preparando para os avanços necessários para atuação no mercado brasileiro. “Os desafios são grandes, o mercado é extremamente exigente, mas estamos preparados”, diz.

Marco Antonio Soares, Gerente Comercial da Distribuição de Postura da Hendrix Genetics, disse que a empresa atingiu seu objetivo durante o jantar. “Destacamos o importante papel da Hendrix para o mercado brasileiro, dentro de suas características e  especificidades. Nesse encontro de hoje, pudemos demonstrar para alguns de nossos clientes e parceiros, que nossa empresa está preparada para atende-los com a qualidade exigida, seriedade e confiança que todos precisam.” destaca.


 



Da esquerda para direita: Fidel Gonzalez , Daniela Musto, Marco Antônio Soares, Nilton César Ferreira, Flávio Menezes e Luciano Iwayama